O que significa apresentação de bebê na igreja e isto é realmente bíblico?

“Disse Jesus: Deixai vir a mim os pequeninos e não os impeçais, porque dos tais é o reino dos céus.” (Mateus 19:14)

Crianças e famílias estão no centro do Reino de Deus e da própria mensagem do evangelho. 

A história de Jesus começou na família de José e Maria; esse jovem casal teve que enfrentar a oposição, as fofocas da comunidade e crescer juntos espiritualmente, enquanto, confiava plenamente nas promessas de Deus. 

O lar, a família e o lugar dos filhos nela são inegavelmente fundamentais para a fé cristã. 

A apresentação do bebê, na igreja, não é apenas para o bebê; mas também para os pais, para a família e para a Igreja como um todo.

Este, no entanto, é dos belos momentos na vida de uma igreja, durante os quais os pais apresentam seus filhos pequenos, diante da igreja, e se dedicam a criá-los em um lar cristão. 

Essas cerimônias podem ocorrer durante um culto regular da igreja ou podem ser eventos separados. 

Em igrejas maiores, provavelmente haverá várias famílias representadas e em igrejas menores possivelmente apenas uma família

Em qualquer cenário, os membros da igreja reunidos concordam em fazer um pacto com a família para encorajá-los, ajudá-los e equipá-los na criação de seus filhos como dentro do corpo de Cristo.

Onde a Bíblia menciona apresentação para bebês?

Não há referência específica na Bíblia Sagrada para a apresentação de bebê, como os cristãos modernos a conhecem e a praticam, mas há abundantes referências à unidade familiar e à necessidade de ensinar as crianças no “caminho em que devem andar”  para que, “quando forem velhos não se desviarão dele” (Provérbios 22:6). 

Ao ler o Novo Testamento, é difícil dizer se ou como a apresentação de bebê teria sido observada. 

No entanto, é claro que a educação dos filhos é, sem dúvida, importante na vida da Igreja:

“Eis que os filhos são herança do SENHOR, e o fruto do ventre o seu galardão”. (Salmo 127:3)

“Disse Jesus: Deixai vir a mim os pequeninos e não os impeçais, porque dos tais é o reino dos céus” (Mateus 19:14)

“E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; E as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te”. (Deuteronômio 6:6-7)

Outros versículos que mencionam a ideia de apresentar os filhos estão, em 1 Samuel 1:11, onde Ana promete dedicar seu filho Samuel ao Senhor, e Lucas 2:22, onde vemos Maria e José no Templo apresentando Jesus ao Senhor.

Estes são apenas alguns versículos que se aplicam à apresentação de crianças, e versículos que muitas vezes, fazem parte de uma cerimônia para apresentar os bebês.

Quando surgiu essa prática?

A prática da apresentação de bebê, parece ter surgido como resposta aos batismos infantis praticados pela Igreja Católica. 

Nessas igrejas, a ideia de crianças sendo batizadas era rejeitada, mas a ideia de uma cerimônia dedicando essas crianças ao Senhor, não era. 

Observe que existem várias denominações protestantes que também praticam o batismo infantil, sendo elas a igreja, episcopal, anglicana, presbiteriana, luterana, metodista e algumas denominações reformadas, entre outras.

Qual é a diferença entre o batismo infantil e a apresentação do bebê?

O batismo infantil e a apresentação de bebê não são a mesma coisa. Ambas as cerimônias envolvem os pais apresentando seus filhos diante da igreja, mas há uma teologia diferente em ação, entre os dois. 

No batismo infantil, as crianças são ‘batizadas’ na fé através da aspersão de água.

Sendo que na apresentação do bebê, é feito uma aliança entre os pais e a igreja, para cria-lá nos caminhos da fé.

Não há água envolvida. De acordo com essa visão, a salvação e o batismo são eventos que virão mais tarde, quando a criança crescer e aceitar a Cristo pessoalmente. 

Isso costuma ser chamado de ‘batismo do crente’, pois acontece quando a criança faz uma profissão de fé.

Para aquelas denominações que praticam o batismo infantil, a água é envolvida, e as crianças tornam-se membros da igreja quando são batizadas. 

As igrejas que praticam esta forma de batismo, o veem como um sacramento da igreja. 

Na tradição católica, o batismo infantil é visto como um ato de salvação, purificando o pecado original e iniciando a criança na Igreja Católica. 

As denominações protestantes não veem o batismo infantil como um ato de salvação, e sim como um voto bíblico, semelhante à circuncisão que requer fé. 

Nota-se que no momento da apresentação do bebê, que os pais são responsáveis ​​por criar a criança em um lar cristão, e na comunidade da aliança da igreja; a igreja também concorda em apoiar os pais e a criação da criança na igreja. 

Batismo infantil x Batismos de crente

Outra coisa a notar é que as igrejas centradas no evangelho concordam que o batismo é o sinal da nova aliança na Igreja estabelecida por Jesus Cristo. 

Cristãos fiéis podem discordar ponderadamente, no entanto, sobre os termos do batismo: batismo infantil versus batismo do crente. 

Os defensores do batismo infantil, ligarão exemplos bíblicos de circuncisão e a inclusão de crianças e famílias no Antigo e no Novo Testamento.

Enquanto, isso os defensores do batismo de crentes, citarão exemplos bíblicos de adultos sendo batizados no batismo de João Batista e na igreja primitiva, acompanhada por uma profissão de fé. 

A Bíblia não ordena nem proíbe o batismo de crianças no Novo Testamento, portanto, cabe às igrejas discernir como estruturarão o voto do batismo.

Os proponentes do batismo do crente vão esperar por uma profissão de fé, antes de batizar, portanto, a apresentação do bebê, é uma forma de apresentar os filhos à igreja, com o objetivo de criá-los de acordo com os costumes cristãos. 

As práticas de batismo infantil e da apresentação de bebês, podem parecer semelhantes, mas têm implicações teológicas diferentes. 

Nenhum envolve um ato de salvação, exceto na Igreja Católica.

Contudo, o batismo infantil, é um voto de que exigirá fé mais tarde, e o outro, é uma apresentação e não um voto.

No entanto, também definido na esperança e na oração, de que a fé será produzida, levando ao batismo mais tarde.

Por que as igrejas ainda costumam apresentar os bebês?

Existe significado suficiente na cerimônia para continuar tendo apresentação de bebê? Absolutamente! 

A maioria das igrejas realiza apresentação de bebês, como um evento memorável e significativo.

Pois, é visto como uma forma de fortalecer as famílias e derramar benção, na vida dos pais e dos filhos. 

Uma das melhores maneiras de pensar na apresentação do bebê não é apenas um evento único, mas o primeiro de uma série de eventos que definem nossa vida em Cristo. 

O pastor Brian Haynes chama esses eventos de Marcos Legados.

“o primeiro passo no caminho do legado é a apresentação Familiar. Este é um seminário e uma cerimônia que normalmente ocorre para pais que têm filhos entre o nascimento e um ano de idade. Os pais, por meio de um seminário obrigatório de duas horas, aprendem como se tornar os principais treinadores de fé de seus filhos e aceitam a responsabilidade. Recursos e oportunidades de aprendizado são fornecidos para os novos pais que desejam dedicar seus filhos ao Senhor. Durante a cerimônia, o corpo da igreja se compromete a fazer parceria com os pais no desenvolvimento da fé da criança durante a sua vida”.

A apresentação de bebê é mais que um evento bonito

Esta é uma abordagem profunda e bonita de tudo o que a apresentação de um bebê pode ser: não apenas um evento simbólico ‘fofo’, mas um evento de aliança verdadeiramente significativo e afirmativo.

Através do qual a igreja concorda em apoiar e encorajar as famílias que buscam criar seus filhos em Cristo.

Mesmo os melhores de nós terão dificuldades, especialmente quando se trata de criar filhos

É de partir o coração quando vemos famílias tentando honestamente o seu melhor, para criar os filhos em um lar cristão, depois cometem erros e se sentem julgados por isso. 

É muito pior quando eles realmente estão sendo julgados por isso. Apresentação de bebês, ou dedicações familiares, pedem às igrejas que se afastem do julgamento e entrem no discipulado. 

Nós somos o corpo de Cristo, e todas as nossas famílias são extensões de sua família maior! 

Assim como uma cerimônia de casamento cristã, as apresentações de bebês, são mais do que apenas um evento bonito, mas o início de um relacionamento de aliança. 

Alguns podem argumentar que as dedicações de bebês são uma coisa boba, que as igrejas realmente não precisam mais fazer, mas quando praticado correta e cuidadosamente, o oposto é verdadeiro. 

Quando consideramos a profundidade do significado que vem de tal aliança, as apresentações de bebês não são mais apenas ‘coisas que ainda fazemos’, mas sim, estão entre os momentos mais significativos na vida de uma igreja.

Conclusão sobre a apresentação do bebê

Vivemos em uma cultura onde crianças, famílias e a própria fé continuam sendo atacadas.

Devemos abraçar esses momentos marcantes para apresentar a nós mesmos e nossos filhos ao Senhor. 

O futuro de nossas famílias e o futuro da Igreja dependem disso. 

Acolher crianças ao mundo, é uma das nossas maiores alegrias, e concordar em se envolver em suas vidas e na vida de seus pais como o corpo de Cristo, está entre nossas maiores honras.

Autor: Jason Soroski 

Botão Voltar ao topo