Quem Foi Barnabé: Lições da vida e história de Barnabé na Bíblia

Barnabé foi um dos primeiros cristãos mencionados em Atos dos apóstolos na bíblia.

O significado do nome Barnabé

Seu nome antes era José, mas ganhou o nome de Barnabé provavelmente por seu ministério e seus ensinamentos efetivos.

Barnabé significa “filho da consolação” ou “aquele que consola”.

O que sabemos da vida de Barnabé vem, na maior parte, através do livro de Atos e das cartas de Paulo.

Quase com certeza, não podemos atribuir a autoria da epístola de Barnabé nos livros apócrifos a ele, pois parece ter sido escrita no meio do século dois.

O livro apócrifo de Atos de Barnabé é do século cinco e por isso não é uma fonte muito útil de informação sobre ele.

Onde a Bíblia fala sobre Barnabé

Você pode ler tudo sobre Barnabé em minutos: Atos 11:19-30, Atos 13:1-14 :28 e Atos 15:36-41. É verdade que essa última passagem diz que Barnabé e Paulo têm um grande desacordo – sobre João Marcos.

No final, porém, todos os três homens se estimam muito por muitos anos (1 Coríntios 9:6; Gálatas 2:1-10; Colossenses 4:10; 2 Timóteo 4:11; Filemom 1:24).

Sua descendência

Ele descendia dos sacerdotes israelitas, por isso causava nele um interesse especial por Jerusalém.

Ele provavelmente foi morar lá e pode até ter conhecido Jesus em Jerusalém.

Sua conversão ao cristianismo aconteceu como resultado da pregação dos apóstolos logo após a ressurreição de Cristo.

A História de Barnabé

A História de Barnabé

Um levita natural de Chipre que se tornou líder na igreja primitiva.

Seu nome judeu era José, mas Lucas interpretou seu nome apostólico como “filho da consolação”, para sugerir algo do seu caráter.

Então José, cognominado pelos apóstolos, Barnabé (que, traduzido, é Filho da consolação), levita, natural de Chipre (At 4.36).

Barnabé aparece 29 vezes em Atos e cinco nas cartas de Paulo. Sua primeira aparição foi em Jerusalém, onde o descrevem como um maravilhoso exemplo de generosidade (At 4.32-37).

Quando Saulo de Tarso se converteu, foi ele quem o apresentou aos apóstolos em Jerusalém (At 9.27).

Qual é o passado de Barnabé?

Barnabé, sendo um levita, cresceu como judeu em uma família provavelmente abastada, recebendo educação em hebraico e instrução religiosa básica. Referências bíblicas indicam que ele era uma figura respeitada, conforme mencionado em Atos 14:12. Na narrativa, Barnabé era identificado como “Zeus”, enquanto seu companheiro, Paulo, que era o principal orador, era chamado de “Hermes”.

Para os gregos antigos, Zeus era o deus principal, considerado o deus do céu e do trovão e governante de todos os outros deuses e deusas no Monte Olimpo, então a referência a Barnabé como Zeus teria sido um reconhecimento de sua liderança e autoridade, e possivelmente também sua idade e estatura. Easton, em seu dicionário bíblico, observou que Barnabé nasceu de pais judeus da tribo de Levi e provavelmente foi educado como fariseu na escola de Gamaliel. 

Na apresentação de Barnabé, Paulo foi recebido pela primeira vez na esfera apostólica cristã judaica em Jerusalém após sua conversão.

Barnabé foi um dos apóstolos?

Sim, Barnabé era considerado um apóstolo. Embora não fosse um dos 12 apóstolos originais, ele foi separado com Paulo pelo Espírito Santo e enviado pela igreja primitiva para pregar o evangelho. 

Nesse sentido, enviado como missionário itinerante para levar a mensagem de Jesus aos outros, ele foi um apóstolo. De fato, no livro de Atos, o escritor intitula a dupla de missionários como “os apóstolos Barnabé e Paulo” (Atos 14:14). 

Embora a Bíblia não mencione como Barnabé morreu, ele teria sido martirizado por sua fé, como alguns dos outros apóstolos; ele foi apedrejado ou queimado até a morte em Salamina, Chipre.

O ministério de Barnabé

barnabé da bíblia em atos dos apóstolos

A igreja de Jerusalém reconheceu os dons de Barnabé, que o enviou para investigar as atividades cristãs em Antioquia (At 11.22).

Ele ficou empolgado com o desenvolvimento espiritual e encorajou os crentes a permanecer fiéis (At 11.23).

Recrutou Saulo (também conhecido como Paulo, At 13.9), e os dois trabalharam juntos em Antioquia e ensinaram muitas pessoas (At 11.25,26).

As viagens missionárias

No meio de uma crise de fome, durante o governo do imperador Cláudio, a igreja em Antioquia enviou ajuda para os irmãos na Judéia.

E essa tarefa foi confiada a Barnabé e a Paulo (At 11.30), os quais foram comissionados e enviados na primeira viagem missionária (At 13.1-3).

Conscientes da direção do Espírito, eles pregaram por toda a ilha de Chipre, onde o procônsul Sérgio Paulo creu no Evangelho (At 13.7,12).

Eles navegaram adiante e chegaram a Perge, na Panfília (atual Turquia).

O ABANDONO DE JOÃO MARCOS

Um dos componentes da equipe, João Marcos, separou-se deles e voltou para Jerusalém (At 13.13).

Daí em diante, parece que Paulo assumiu a liderança, pois Lucas (o escritor do livro de Atos) refere-se a “Paulo e os que estavam com ele” (At 13.13).

A dupla missionária seguiu adiante e pregou em Antioquia da Pisídia, Listra, Icônio e Derbe, diante da oposição e do interesse da multidão (At 13.42-51; 14.1-7,19-21).

Indicaram homens aptos a prover futura liderança para cada igreja (At 14.23).

Evidentemente Barnabé tinha a figura mais imponente, pois em Listra foi chamado de “Júpiter” e Paulo, de “Mercúrio, porque este era o que falava” (At 14.12).

PRESTANDO RELATÓRIO A IGREJA

Na viagem de volta, fizeram o mesmo itinerário e, ao chegar a Antioquia da Síria, prestaram o relatório sobre a missão realizada (At 14.21-28).

Paulo e Barnabé apresentaram a proposta sobre a plena admissão dos gentios na igreja (At 15.1-5,12) e receberam apoio do concilio de Jerusalém (At 15. 22-29).

A decisão do conclave foi bem aceita em Antioquia, onde ambos ficaram por algum tempo, pregando e ensinando (At 15. 30-35).

A separação de Paulo

Infelizmente, os dois companheiros tiveram um sério desentendimento a respeito de João Marcos.

Paulo recusou-se a levá-lo na segunda viagem missionária, enquanto Barnabé deu-lhe uma segunda chance, ao conduzi-lo consigo a Chipre (At 15.36-39).

A partir desse momento, o filho da consolação não aparece mais em Atos.

Referências em Gálatas:

Existem três referências a Barnabé em Gálatas (Gl 2.1,9,13), onde aparece com Paulo e Tito numa consulta com os líderes da igreja em Jerusalém.

Durante essa reunião privativa, Tiago, Cefas (Pedro) e João estenderam a destra da comunhão a Barnabé e Paulo, ao concordar que deveriam ir para os “gentios, e eles à circuncisão (aos judeus)” (Gl 2.9).

Lamentavelmente, Pedro cedeu às pressões dos defensores da circuncisão e “até Barnabé se deixou levar pela sua dissimulação”, que Paulo confrontou e repreendeu (Gl 2.13,14).

Em 1 Coríntios, Paulo discute os direitos de um apóstolo e levanta uma série de questões retóricas destinadas a estabelecer o princípio de que “os que anunciam o evangelho, que vivam do evangelho” (1 Co 9.14).

Assim, ele pergunta incisivamente: “Não temos nós o direito de levar conosco uma esposa crente, como também os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas?

Ou só eu e Barnabé não temos o direito de deixar de trabalhar?” (1 Co 9.5,6).

Seu relacionamento com João Marcos

A referência final a Barnabé é tocante, porque se relaciona a João Marcos, o qual mandou saudações com Aristarco, prisioneiro junto com Paulo.

O problema foi resolvido. E, então o apóstolo escreve aos colossenses: “Se ele (João Marcos) for ter convosco, recebei-o” (Cl 4.10).

Portanto, o ministério paciente de Barnabé com João Marcos foi bem-sucedido (2 Tm 4.11).

João Marcos era primo ou sobrinho de Barnabé?

Existem dois versículos diferentes que podem nos ajudar ​​a chegar a uma conclusão:

(Atos 12:12) E, refletindo sobre o assunto, foi à casa de Maria, mãe de João, cujo sobrenome era Marcos; onde muitos estavam reunidos orando.

(Colossenses 4:10) Aristarco, meu companheiro de prisão, vos saúda, e Marcos, filho da irmã de Barnabé, (a respeito de quem recebestes mandamentos: se vier a vós, recebei-o;)

Juntando esses dois versículos, vemos que “Maria” era a mãe de (João) Marcos, e Marcos (Marcos) era filho da irmã de Barnabé. Isso tornaria Marcos o “sobrinho” de Barnabé, ou Barnabé o “tio” de Marcos. Bem claro, certo? Exceto, há um problema aqui.

Quando olhamos para o grego para (Cl 4:10), é isso que vemos: “Aspazetai hymas Aristarchos ho synaichmalotos mou kai Markos ho anepsios Barnaba peri hou elabete entolas ean elthe pros hymas dexasthe auton”. 

A palavra-chave é anepsios. É a palavra que a KJV traduz como “filho da irmã”. No entanto, “anepsios” significa “primo!” 

Em nenhum lugar em (Cl 4:10) é encontrada a palavra grega para “irmã/irmãs/irmãs = adelphe” ou “filho/filhos = huios”. “Anepsios” não é usado em nenhum outro lugar no Novo Testamento.

A palavra “primo” é usada apenas duas outras vezes no Novo Testamento (Lc 1:36; 1:58), e a palavra grega “suggenes” é usada. “Suggenes” é traduzido como “parente”, parente” e “parente” em 10 outros versículos.

Em todas as principais versões da Bíblia além da KJV (ou seja, NKJV, NASB, NIV, ESV), (Cl 4:10) é traduzido como “primo de Barnabé” ou “primo de Barnabé”. Além disso, quase todos os estudiosos concordam que esta é a tradução correta. 

Além disso, tenha em mente que se Marcos era realmente o “primo” de Barnabé, eles poderiam ter sido “primos” por meio do pai de Marcos tão facilmente quanto por meio da mãe de Marcos. (Como Atos 12:12 não menciona o pai de Marcos, a maioria acredita que ele provavelmente já estava morto naquela época. Maria devia ser viúva.)

Não podemos saber com “certeza absoluta” que Marcos era “primo” de Barnabé. Alguns (principalmente pessoas apenas KJV ) acreditam que anepsios também pode ser usado para “sobrinho”. Isso é possível, mas parece muito improvável (a palavra grega para sobrinhos em 1 Tm 5:4 é “ ekgonon”). 

A opção mais provável é que João Marcos seja primo de Barnabé.

Características de Barnabé

CARACTERÍSTICAS DE BARNABÉ na bíblia

Barnabé possuía boas características e um caráter exemplar.

Era uma pessoa boa, generosa e calorosa, que ofertou abundantemente seu tempo e seus talentos para a causa de Cristo, tanto em casa como nos lugares distantes.

Era um homem de oração, que buscava a direção do Espírito Santo para tomar as decisões.

Encorajava seu companheiros de trabalho no ministério cristão e era um amigo sempre disposto a dar uma segunda chance a quem precisasse.

Via potencial nas pessoas e desejava recrutá-las, mesmo que, só com o tempo, conforme aconteceu com Paulo, pudessem superar as dificuldades.

Como qualquer outro ser humano, Barnabé podia ceder às pressões, mas geralmente “era homem de bem, e cheio do Espírito Santo e de fé” (At 11.24).

Lições da vida e história de Barnabé na Bíblia

Algumas pessoas são mais conhecidas por seus apelidos. Depois de ser apresentado pela primeira vez em Atos 4:36-37, José é sempre chamado por seu apelido cativante, Barnabé, “Filho da Consolação”.

E que encorajador ele era! As Escrituras nos dizem que Barnabé “estava cheio de alegria”, “era um homem bom, cheio do Espírito Santo e forte na fé” e um poderoso evangelista. Também diz que ele “encorajou os crentes a permanecerem fiéis ao Senhor” (Atos 11:23-24).

Humanamente falando, a Igreja Primitiva não teria crescido tão rápido e metade do Novo Testamento não teria sido escrito sem o encorajamento de Barnabé.

Considere: João Marcos poderia ter desaparecido da história. Mas Barnabé volta ao lado de Marcos, o encoraja e o alista de volta ao serviço do Senhor. Mais tarde, a tradição diz que Marcos teve a coragem de escrever o evangelho que leva seu nome.

Saulo nunca teria se tornado Paulo sem passar vários anos como aprendiz de Barnabé. Mais tarde, Paulo escreveu mais de uma dúzia de cartas aceitas pelos apóstolos como parte da inspirada Palavra de Deus.

Poucos cristãos contribuíram mais para o avanço da igreja do que Barnabé. Como ele, vamos nos esforçar para encorajar nossos irmãos e irmãs em Cristo.

Somente no céu descobriremos, como Barnabé descobriu, que grandes coisas Deus faz por meio de nossas palavras e ações encorajadoras.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Um Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo