Sermão sobre a vida de José do Egito

Esboço de Sermão biográfico sobre a vida e trajetória de José do Egito. Sermão sobre a história de José em Gênesis 37:1 – 5026.

Título deste Sermão: A vida de José

Texto deste Sermão sobre a vida de José: Gênesis 37:1-50:26

I. José Sofrendo (37:1-40:23) – Lição deste Sermão

A. José, o filho predileto (37:1-36)

1. O amor de Jacó (1-4)

a. Raquel era a esposa favorita de Jacó, e José era seu filho primogênito.
b. Jacó o favoreceu abertamente acima dos outros.
c. Aos dezessete anos, ele ajudava seus irmãos com o rebanho de ovelhas, mas Jacó o nomeou superintendente.
d. Ele voltaria para casa com uma má notícia sobre eles.
e. Jacó então, mostrou seu favoritismo dando a José uma túnica muito especial.
f. Esse ato aumentou o ódio de seu irmão em relação a ele a ponto de não conseguirem nem falar pacificamente.

2. Os sonhos de José. (5-11)

a. José então sonhou que um dia ele governaria toda a sua família.
b. Ele contou esse sonho a seus irmãos, e eles o odiaram ainda mais.
c. Então José lhes contou novamente enfatizando a parte sobre submissão a ele.
d. Nesse ponto, os irmãos responderam verbalmente a ele.
e. Eles o odiavam ainda mais por seu sonho e ainda mais por sua interpretação dele.
f. Seu segundo sonho trouxe repreensão de seu pai e inveja de seus irmãos mais velhos.

3. O esquema de Judá. (12-28)

a. A conspiração para matar José (v. 12-20)
1) Jacó enviou José para verificar seus irmãos
2) Quando ele se aproximava, seus irmãos o esperavam.
3) O plano inicial era matar José e dizer a Jacó que alguma fera o havia destruído.
4) Observe o tom de ódio nos versículos 19-20: “Eis que vem este sonhador… veremos o que será dos seus sonhos.”
b. O plano muda (v. 21-25)
1) Rúben sentiu alguma responsabilidade em salvar José
2) Ele os convenceu a não o matar usando a desculpa da possibilidade de sua fuga.
3) Ele sugeriu que o colocassem em um poço seco por enquanto.
4) Rúben provavelmente estava tentando pensar em alguma maneira de tirar José do poço.
5) Sentaram-se para almoçar, quando viram uma caravana passar por perto,
c. Um desenvolvimento inesperado (v. 26-30)
1) Por alguma razão desconhecida, Rúben estava ausente quando Judá apresentou um novo esquema.
2) Judá disse: “Por que não matar dois coelhos com uma cajadada só? Vamos nos livrar de José e ter lucro.”
3) Os outros ficaram contentes com essa nova ideia, então venderam José como escravo e ele estava a caminho do Egito.
4) Quando Rúben voltou e descobriu o que havia acontecido, se preocupou, porque sabia que ele, sendo o mais velho, era o responsável.

4. A tristeza de Jacó. (31-36)

a. Eles mataram um cabrito de cabra e espalharam o sangue na túnica de José e então a enviaram para Jacó.
b. Jacó imediatamente reconheceu a túnica.
1) NOTA: Gálatas 6:9 nos diz que colhemos o que plantamos.
2) Gênesis 27:9-19, Jacó matou dois cabritos para enganar seu pai Isaque.
3) Agora seus filhos mataram um cabrito para enganá-lo.
c. Então Jacó ficou muito triste e se recusou a ser consolado por sua família.
d. Enquanto isso, José estava sendo vendido no Egito como escravo de Potifar, um oficial do Faraó.

B. José, o mordomo fiel. 39:1-39:23

Jacó tentou proteger José das responsabilidades do trabalho, mas Deus sabia que ele nunca poderia ser um governante até que primeiro ele fosse um servo. Na parábola dos talentos, Jesus relata este princípio: Mt. 25:21: “Disse-lhe o seu senhor: Muito bem, servo bom e fiel; coisas: entra no gozo do teu senhor”. Deus usou três disciplinas na vida de José para prepará-lo para ser o governante do Egito.

1. A disciplina do serviço (1-6)

a. José trocou sua túnica de muitas cores pela roupagem de servo.
b. Deus o obrigou a aprender a trabalhar, aprendendo assim a humildade e a importância de obedecer às ordens.
c. Se havia alguma dúvida em saber que Deus estava preparando José para algo maior, então não resta mais.
d. “O Senhor estava com José… e seu senhor viu que o Senhor estava com ele…”
e. José é elevado ao cargo de superintendente na casa de Potifar, por causa do serviço fiel.
2) Anteriormente, Jacó o havia feito superintendente porque ele era um filho favorecido.
f. Logo, Potifar deu a José controle completo sobre tudo o que ele tinha, a ponto de nem mesmo saber o que possuía.
g. José havia aprendido bem a servir, e o Senhor realmente o abençoou, mas havia mais lições a aprender antes que ele pudesse governar.

2. A disciplina do autocontrole (7-18)

a. Para ser um líder eficaz é preciso não apenas saber servir, mas também saber exercer o autocontrole.
b. José era um jovem muito bonito e foi tentado, mas saiu vitorioso.
c. A tentação (v. 7-13)
1) Apelou para um forte impulso natural
2) Veio quando José estava fora de casa
3) Veio de uma mulher importante
4) Veio repetidamente
5) Veio com grande oportunidade
6) Veio após a elevação de posição
d. A vitória
1) Ele reconheceu que ceder seria pecado
2) Ele a evitava quando podia
3) Ele ficou ocupado
4) Ele fugiu dela quando ela o pegou
e. As consequências (v.14-18)
1) A esposa de Potifar estava determinada a ter José de uma forma ou de outra.
2) Ela inventou uma história para o marido usando a vestimenta de José como prova.
3) Esta é a segunda vez que uma roupa de José foi usada para perpetrar uma mentira sobre ele.
4) José perdeu sua túnica, mas manteve seu caráter.

3. A disciplina do sofrimento (19-23)

a. José não só conseguiu controlar seus apetites, mas também conseguiu controlar sua língua.
b. Ele se manteve calado, mesmo tendo sido falsamente acusado.
c. Esta é uma marca de maturidade espiritual. (Tiago 3:2)
d. Ele foi colocado na prisão e acorrentado, mas “o Senhor estava com José”.
e. José estava preso, mas não derrotado.
f. Deus agora iria ensiná-lo através do sofrimento. Salmo 105:19 diz: “… a palavra do Senhor o provou.”
g. José recebeu uma posição de autoridade mesmo na prisão, não havia dúvida de que José foi escolhido para governar.
h. Sua nova posição abriria a porta para outro capítulo emocionante em sua vida.

C. José, o servo esquecido. (40:1-23)

1. O mordomo e o padeiro presos (1-4)

a. Mordomo – Mashkeh – copeiro (o mesmo que Neemias)
b. Muitos acreditam que houve uma tentativa de envenenar o faraó e esses dois homens foram acusados e lançados na prisão.
c. Eles foram colocados na ‘prisão estadual’ e José foi designado para supervisioná-los.
d. A duração de sua prisão não é clara; ‘estação’ pode significar vários dias, semanas ou meses.

2. O mordomo e o padeiro sonharam. (5-8)

a. Não eram sonhos comuns, eram proféticos, cada um com uma interpretação.
b. Ambos os homens ficaram tristes com o fato de que não havia intérprete disponível para lhes dizer o que seus sonhos significavam.
c. Os sonhos eram algo com o qual José tinha alguma experiência.
1) Embora ele não tenha entendido inicialmente tudo o que seus sonhos significavam – Deus estava ensinando aos poucos como ser um grande líder.
2) José sabia o suficiente que se Deus deu o sonho, então Ele poderia fornecer uma interpretação.

3. O sonho e a interpretação do mordomo. (9-13)

a. Ele sonhava com seu trabalho – Ele era o copeiro do Faraó.
b. “E o copo de Faraó estava na minha mão, e eu tomava as uvas, e as espremia no copo de Faraó, e dava o copo na mão de Faraó. (Gênesis 40:11)
1) Isso nos esclarece então, essa questão do vinho – fermentado ou fresco
2) ‘Vinho’ – suco da uva – espremido na hora por causa de sua tendência a estragar sem refrigeração moderna.
c. A interpretação foi uma boa notícia para o mordomo.
1) Esta é uma vez em que o mordomo não fez isso
2) Em três dias ele seria libertado da prisão e restaurado à sua posição original como copeiro do faraó.

4. O pedido de José (14-15)

a. José viu uma oportunidade de ser libertado da prisão.
b. Literalmente falando, José pediu ao mordomo que lhe desse uma boa palavra ao Faraó.
c. Ele apela à simpatia do mordomo e declara que ele também foi tratado injustamente.
1) Roubado da terra dos hebreus.
2) Inocente das acusações da esposa de Potifar.
3) Preso por algo que não fez.

5. O sonho e a interpretação do padeiro. (16-19)

a. O padeiro ficou animado com a interpretação favorável que José deu ao mordomo e começou a contar-lhe sobre seu sonho.
b. Ele também sonhava com seu emprego – ele era cozinheiro.
c. A interpretação de seu sonho não foi nada animadora.
1) Em três dias ele seria decapitado e depois pendurado em uma árvore como uma exibição pública do que acontece com os traidores.
2) Os pássaros comeriam a carne de seu corpo.

6. Cumprimento e esquecimento (20-23)

a. As interpretações foram exatamente cumpridas.
b. E o mordomo não se lembrou de José e o deixou na prisão.
c. Mais uma vez, Deus estava ensinando a José algumas lições de vital importância – não confiar nos homens porque eles o decepcionarão.

II. José Reinando (Gênesis 41:1-45:28) – Lição deste Sermão

Nos próximos cinco capítulos vemos José elevado de prisioneiro a governador. Ele recebe um novo nome; v 45. Zafenate-Paneia – o revelador de segredos, Nestes capítulos vamos observar três segredos que José revela.

A. O segredo dos sonhos do Faraó 41:1-57

1. Fatores na ascensão de José ao poder (1-36)

a. A agitação do faraó (v. 1-8)
1) Dois sonhos muito parecidos
2) Um espírito perturbado por causa dos sonhos
3) Os sábios e os magos não foram capazes de interpretar os sonhos do Faraó.
b. A intervenção do mordomo. (v. 9-13)
1) Depois de dois longos anos, o mordomo então se lembra de José.
2) É duvidoso que ele tenha esquecido o que aconteceu entre o padeiro, José e ele.
3) Mais provavelmente agora era um momento conveniente para trazer o assunto ao faraó.
c. A interpretação de José v 14-32
1) Faraó não perdeu tempo em chamar José, que não foi negligente na preparação para este tão esperado encontro.
2) José teve o cuidado de dar glória a Deus por suas habilidades como antes. (41:8)
3) José ouve o sonho de Faraó e então passa a lhe dar a interpretação.
d. conselho de José. (v. 33-36)
1) Não foram apenas sugestões de algum prisioneiro desesperado.
2) Deus ensinou a José como ser um servo fiel e um bom mordomo em assuntos materiais.
3) Um servo fiel nunca considera suas próprias necessidades, mas apenas as necessidades de seu mestre. A declaração de conselho de José não foi uma tentativa de autopromoção. Mas, sua preocupação era genuína.
4) O conselho que José deu a Faraó foi, portanto, muito sábio e correto.

2. Elevação repentina. (37-45)

a. Faraó estava convencido de que José era para ser aquele homem (v. 37-39)
b. Ele então, reconhece a obra de Deus através de Seu servo José.
1) Observe que Faraó não se referiu aos ‘deuses’, mas sim ao Único e Verdadeiro Deus.
2) ‘Espírito de Deus‘ é a frase exata usada em Gênesis 1:2, “E o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas.”
3) Faraó pode ter sido um idólatra, mas reconheceu o Deus de José como o revelador da interpretação de seu sonho.
c. Ele estabelece José como o segundo governante de todo o Egito. (v. 40-45)
1) A cerimônia de instalação foi completada com um grande desfile.
2) Ele recebe um novo nome e uma nova esposa para acompanhar sua nova posição.
3) Isso foi feito, sem dúvida, para torná-lo mais aceitável para o restante do povo egípcio.

3. Administração de José (Gênesis 46-57)

a. Durante os sete anos abundantes (v. 46-53)
1) Os campos foram muito frutíferos e a colheita foi grande.
2) José estabeleceu caixas de armazenamento em todas as cidades.
3) Como no passado, ‘O Senhor estava com ele, e o que ele fez, o Senhor fez prosperar.
4) Havia tantos grãos que ele não conseguiu calcular a quantidade.
5) José foi abençoado com dois filhos:
  • Manassés – aquele que faz esquecer
  • Efraim – fecundo
  • Deus o capacitou a esquecer toda a sua labuta, desgraça e aflição, e o fez frutífero na própria terra em que ele sofreu o maior infortúnio.

b. Durante os sete anos de fome v 54-57

1) A única terra preparada para a fome foi o Egito.
2) Quando os egípcios ficaram sem comida, eles foram ao faraó, que prontamente os enviou a José.
3) José vendeu-lhes grãos porque a fome era muito grande.
4) Outros países estavam passando pela mesma fome e então vieram ao Egito para comprar grãos.
5) Entre essas outras áreas estava a terra de Canaã onde a família de José morava.

B. Os segredos do coração de seus irmãos, 42:1-44:34

1. Primeira visita dos irmãos (42:1-38)

a. Os planos são feitos v 1-5
1) Jacó repreende seus filhos por não tentarem encontrar algum grão durante a fome.
2) Ele então os envia para o Egito porque tinha ouvido de outros sobre os depósitos egípcios.
3) Jacó se recusa a permitir que seu filho mais novo, Benjamim, vá com o resto.
  • Benjamim era o único outro filho de Raquel
  • Ele tomou o lugar de José nas afeições de seu pai.
  • Jacó estava com medo que algo pudesse acontecer com ele.
b. Os irmãos chegam ao Egito (v. 6-8)
1) José estava encarregado da distribuição e venda de grãos.
2) José vê a realização parcial de seu sonho.
  • Seus irmãos fizeram o possível para evitar que isso acontecesse
  • Mas aqui estavam eles de cara no chão diante de José.
3) José propositalmente esconde sua identidade deles.
  • Os anos o mudaram muito, ele não era mais um adolescente, mas agora um governante digno do Egito de 39 anos.
  • Ao falar com o, ele usou um intérprete para ocultar ainda mais sua identidade.
  • Falou grosseiramente ou disfarçou a voz para que não a reconhecessem.
c. Os segredos de seus corações são revelados. (v. 9-38)
1) José tratou-os com severidade (9-17)

“O que o homem semear, isso também ceifará” – Seus irmãos estavam começando a perceber este princípio.

2) José libera todos menos um deles (18-20)
  • Assim como eles haviam mudado seus planos vinte anos antes, José faz uma mudança
  • Agora apenas um irmão permaneceria na prisão até que voltassem com Benjamim
  • Poderiam voltar para o pai, mas como antes, voltariam com um irmão a menos.
3) José ouve as confissões que desejava (21-24)
  • Eles estavam convencidos de sua culpa por causa de tudo o que estava acontecendo
  • Rúben lembrou-lhes que os tinha avisado sobre as suas maldades.
  • Enquanto conversavam, não sabiam que José entendia hebraico.
  • Esta confissão ouvida trouxe lágrimas aos olhos de José e quase revelou sua identidade.
  • Confissão não é arrependimento, para determinar se eram genuínos José teve que continuar com seu plano.
  • Simeão foi preso e amarrado diante de seus olhos como José havia dito anteriormente.
4) Jacó reage com tristeza (36-38)

2. Segunda visita dos irmãos 43:1-44:34

a. A preparação é feita para a visita 43:1-14
1) A necessidade da visita (1-2)
  • A fome aumentou em sua intensidade.
  • O suprimento de milho de sua primeira visita acabou.
2) Jacó relutantemente concorda em enviar Benjamin. (6-14)
  • Judá diz a seu pai que assumirá total responsabilidade pela segurança e retorno de Beniamin.
  • Em Gênesis 37:26-27 foi Judá quem convenceu seus outros irmãos a vender José e lucrar enquanto se livravam dele.
  • Considere também por que Jacó pode aceitar a oferta de Judá em vez da que Rúben propôs anteriormente.
  • ‘Se deve ser assim’ – Jacó sabia que ele realmente não tinha escolha no assunto, era voltar e arriscar o destino de Benjamim ou permanecer em Canaã e morrer de fome.
b. A chegada ao Egito (43:15)

C. O segredo do propósito de Deus 45:1-28

1. José revela sua identidade (1-4)

a. José não conseguiu mais se controlar, então ordenou que seus funcionários e servos saíssem da sala.
b. Ele então revelou sua identidade para eles.
c. Ele gritou alto – e todos na casa do Faraó o ouviram chorar.
d. Ele lhes disse – falando hebraico – que era José e perguntou por Jacó.
e. Observe a reação de seus irmãos:
1) Eles não puderam responder – não que não o fizessem, mas ficaram literalmente sem palavras.
2) Eles ficaram perturbados com a presença dele – um sentimento que não iriam superar por algum tempo.
f. José chama-os para perto e repete-lhes: “Eu sou José, vosso irmão, que vendestes para o Egito”.

2. José revela o propósito de Deus. (5-8)

a. José deve perceber o medo e a dor que seus irmãos estavam passando.
1) Eles estavam à sua mercê e ainda assim não podiam esperar nada dele.
2) Eles o trataram cruelmente e se recusaram a responder aos seus gritos de misericórdia.
3) Ele agora era um líder muito poderoso e poderia facilmente se vingar deles.
b. José tenta consolar seus medos revelando que o que aconteceu estava de acordo com o plano e propósito de Deus para sua vida.
1) NOTA: v 8 “…não foi você… mas Deus…”
2) José percebeu que o que havia acontecido com ele estava de acordo com o plano de Deus – não apenas para sua vida, mas para a preservação de Israel.
3) NOTA: Ester 4:14, “…quem sabe se para um tempo como este vieste ao reino?”

3. José revela seu plano para o futuro deles. (9-15)

a. José mal pode esperar para ver seu pai novamente. v 9
1) Quando ele se revelou pela primeira vez a seus irmãos, ele perguntou sobre Jacó. (v3)
2) Agora ele instrui seus irmãos a ‘se apressarem e subirem para meu pai’.
3) Eles devem levar o seu convite – ‘desce a mim, não te demores’.
4) José tinha sido extremamente paciente ao lidar com seus irmãos, mas agora ele não podia esperar mais.
b. O convite de José pretende mais do que apenas uma visita. (V. 10-11)
1) Ele os convida a vir morar perto da terra de Gósen.
2) A base para este convite é porque ainda há mais cinco anos de fome.
3) José promete alimentá-los durante os dias de fome – ‘uma grande libertação’.
c. José os lembra que eles viram e ouviram agora que ele os comissiona a contar a Jacó com pressa. (v. 12 -15)
1) Ele abraça cada um de seus irmãos com lágrimas.
2) Finalmente – os irmãos conseguem falar com José.

4. Faraó confirma e expande o convite de José. (16-20)

a. Faraó ficou satisfeito ao saber da reunião da família de José.
b. Ele diz a eles que levem carroças do Egito de volta a Canaã, a fim de mover suas famílias e posses.
c. ‘Não se preocupe com suas coisas’ – qualquer coisa que seria inconveniente trazer com eles.
d. Foi-lhes prometido o ‘bem da terra’.

5. José manda seus irmãos partirem. (21-24)

a. Ele os mandou embora com provisões
b. Cada um recebeu trocas de roupas, mas Benjamin mais uma vez recebe tratamento preferencial.
c. Presentes especiais são enviados a Jacó – talvez para convencê-lo de que José realmente está vivo e bem.

6. Os irmãos chegam a Canaã. (25-28)

a. O coração de Jacó desmaiou com a notícia de José – ele achou bom demais para ser
verdade.
b. Quando viu as carroças egípcias, recuperou a compostura.
c. Finalmente ele disse ‘basta’ – não há necessidade de continuar tentando convencê-lo – ele estava convencido de que José estava vivo.
d. Ele queria ir até ele e vê-lo antes de morrer.

III. José Perdoando (Gênesis 46:1-50:26) – Lição deste Sermão

A. A última viagem de Jacó 46:1-47:31

1. Jacó deixa Hebrom e parte para o Egito (46:1-4)

a. Ele para em Berseba
1) Abraão havia orado a Deus ali. (Gn 21:33)
2) Deus apareceu a Isaque também ali. (Gn 26:23-24)
3) Berseba era um lugar consagrado.
b. Por que ele pararia para oferecer sacrifício?
1) Antes de fazer qualquer viagem é bom orar e buscar a proteção e provisão de Deus.
2) Mas Jacó estava com medo de ir para o Egito – Deus disse ‘Não temas’.
c. Por que Jacó teria medo de ir para o Egito?
1) Porque Abraão pecou ao ir para o Egito. (Gn 12:10-20)
2) Porque Deus proibiu Isaque de ir ao Egito. (Gn 26:1-5)
3) Jacó então tomou sua decisão de antes buscar a vontade de Deus.
d. Deus então, tranquilizou Jacó.

2. Toda a família vai com Jacó. (5-27)

a. Havia 33 descendentes de Leia v 8-15
b. Havia 16 descendentes de Zilpa v 16-18
c. Havia 14 descendentes de Raquel v 19-22
d. Havia 7 descendentes de Bila v 23-25
e. O total de descendentes diretos de Jacó foi de 70, mas isso não inclui as esposas dos filhos, os maridos das filhas, os cônjuges de quaisquer netos ou quaisquer servos que possam tê-los acompanhado, então o número real de pessoas foi superior a 70 v 26-27.

3. Eles chegam a Gósen. (28-30)

a. Judá é enviado na frente para dizer a José que eles chegaram e para encaminhá-lo ao acampamento deles.
b. José e seu pai se reencontram depois de vinte longos e tristes anos.
c. Jacó ficou tão feliz ao ver José que disse: “Agora, deixe-me morrer…”
1) Uma frase que não queria dizer que ele queria morrer naquele momento –
2) Mas agora ele poderia dizer que sua vida foi cumprida
3) Ele poderia morrer em paz.

4. Eles encontram o Faraó. (46:31-47:12)

a. José os prepara para a reunião v 31-34
1) Ele os aconselha sobre o que dizer quando encontrarem Faraó.
2) Ele lhes diz que ‘os pastores são uma abominação para os egípcios’.
3) Por que isso pode acontecer?
  • São povos nômades, muitos atacariam ovelhas e gado das aldeias.
  • Eles sacrificaram os mesmos animais que os egípcios consideravam sagrados,
4) Por que José fez questão de dizer ao Faraó que eles eram pastores?
  • Ele queria preservar o Seu povo – não combiná-los com os egípcios.
  • Ele queria que eles permanecessem em Gósen, separados do povo e da cultura egípcias.
b. Alguns dos irmãos de José encontram Faraó, v 1-6
1) Faraó os questiona sobre suas ocupações, assim como José disse que faria.
2) Por que você acha que Faraó fez isso?
3) Os irmãos de José deixam bem claro que sua intenção era peregrinar e não se estabelecer no Egito.
4) Faraó os recebe na terra por causa de José.
5) Ele faz uma oferta adicional para permitir que aqueles que José possa escolher sejam governantes de seu gado.
6) Esta é a melhor oferta que ele pode fazer nessas circunstâncias.
c. Então, Jacó encontra Faraó. (v. 7-12)
1) A frase ‘Jacó abençoou Faraó’ refere-se a uma saudação de respeito.
2) Jacó tinha 130 anos quando apareceu diante do Faraó.
3) Abraão viveu 175 anos e Isaque viveu 180 anos, então Jacó não atingiu a idade deles.
4) ‘Poucos e maus’ – fala da dureza e tristeza que ele experimentou na vida.
  • Tal como enganar seu pai
  • Fugir de Esaú seu irmão
  • Dificuldade com Labão, seu sogro
  • Perda de José – etc etc.
5) Jacó e sua família se estabelecem em Gósen, a terra de Ramsés, e José os nutre a todos.

5. A atividade de José como primeiro-ministro continua (13-26)

a. José continua a ser muito próspero enquanto a fome continua
b. Ele garantiu todo o dinheiro no Egito v 13-14
c. Em seguida, ele ganha todo o gado e rebanhos v 15-16
d. No ano seguinte, ele troca por suas terras v 18-22
e. Ele estabelece o princípio da parceria v 23-26

6. Jacó se aproxima da morte (27-31)

a. Ele viveu em Goshen por 17 anos e foram anos muito prósperos.
b. Ele fez com que José prometesse não o enterrar no Egito, mas levá-lo para ser enterrado com seus pais em Canaã, perto de Hebron.
c. José jurou fazer o que seu pai pediu.

B. A última bênção de Jacó 48:1-22

1. José chega ao lado da cama de Jacó (1-2)

a. Ele sabia que seu pai estava muito perto da morte.
b. Agora ele recebe a notícia de que Jacó estava doente.
c. Ele traz seus dois filhos com ele quando eles vão visitar a cabeceira de Jacó.
d. Jacó reúne todas as forças que pode e senta-se na cama para receber José.

2. Jacó adota os filhos de José (3-7)

a. Ele lembra a José da aliança que Deus havia feito com ele em Betel. cf. 28:13-15, 35:6-12
b. Ele eleva os filhos de José, Efraim e Manassés, a uma posição igual à de seus outros filhos.
d. Jacó reflete sobre a aliança e se lembra de Raquel.

3. Jacó abençoa Manassés e Efraim. (8-20)

a. Na bênção sobre os filhos de José, Deus mais uma vez ignora os mais velhos em favor dos mais jovens.
b. Dê alguns outros exemplos: Sete em vez de Caim, Isaque em vez de Ismael, Jacó em vez de Esaú.
c. José tentou impedir isso, mas Jacó recusou-se a fazer de outra maneira.
d. Após a divisão do reino, a tribo de Efraim tornou-se dominante no norte e seu nome foi equiparado a Israel.

4. A bênção especial de Jacó para José. (21-22)

a. Jacó reconheceu que sua morte estava próxima, mas que Deus continuaria com eles.
b. E a próxima promessa? – “Deus… vos fará voltar à terra de vossos pais.”
c. Jacó, mesmo em seus últimos dias, ainda favorece José acima do resto de seus filhos,
d. Ele dá a José uma porção de terra muito querida para ele, cf. João 4:5

C. A última mensagem de Jacó. 49:1-27

1. Jacó chama seus filhos para si mesmo para falar com eles sobre seu futuro. (1-2)

2. A mensagem para Rúben. (3-4)

a. Como filho primogênito, ele tinha um lugar de proeminência, mas perdeu esse lugar.
b. Como resultado de sua fornicação com Bila. cf. 35:22
c. Jacó previu instabilidade e ineficácia.
d. Nenhum profeta, juiz ou herói vem desta tribo.

3. A mensagem a Simeão e Levi. (5-7)

a. Simeão e Levi eram irmãos, ambos nascidos de Jacó e Lia.
b. Eles compartilhavam o mesmo tipo de disposição: teimoso, enganoso, vingativo e cruel.
c. Jacó se dissocia de seus motivos e ações. cf. 6
d. Jacó previu que eles seriam divididos e espalhados entre as outras tribos.
1) Isso aconteceu, pois os levitas se tornaram uma tribo sacerdotal sem herança própria, apenas cidades espalhadas por toda a terra. (Josué 21:1-3)
2) A herança de Simeão estava dentro da herança de Judá. (Josué 19:1 4)

4. A Mensagem a Judá. (8-12)

a. Judá se tornaria o líder entre as tribos.
1) ‘Tua mão estará no pescoço dos teus inimigos.’ cf. Ps. 18:40
2) Os estágios de força são vistos no v 9, filhote de leão, leão adulto, até leão adulto.
3) Esta profecia não viu um começo de cumprimento até o tempo do rei Davi.
4) De que tribo veio o rei Saul? cf. É sou. 9:1

5. A mensagem a Zebulom, (13)

a. Sua porção de herança deveria ir do Mar da Galiléia até o Mar Mediterrâneo.
b. Lá ele se tornaria um refúgio para navios e estaria em contato com mercadores e comerciantes.

6. A mensagem a Issacar (14-15)

a. “Uma bunda forte deitada entre dois fardos.”
b. Issacar é retratado como um humilde servo para os outros, disposto a carregar seus fardos para que ele possa descansar, em vez de resistir e ter liberdade.
c. Como o animal de carga cansado, que se deita para descansar mesmo com fardos nas costas.

7. A mensagem para Dã (16-17)

a. Sansão, um danita, julgou Israel por 20 anos.
b. No entanto, Jacó iguala Dan com o engano de uma ‘cobra na grama’.
c. Isso pode se referir ao fato de que os danitas introduziram a idolatria em Israel de forma oficial.

8. A mensagem para Gade. (18-19)

a. O versículo 18 parece estar sozinho no meio de suas mensagens para seus filhos, talvez seja o resultado de considerar os pecados e desobediência de seus filhos que o leva a responder assim.
b. Para Gade, ele entrega uma mensagem de profecia que fala de sua constante vulnerabilidade ao ataque e sua capacidade de superar seus atacantes.

9. A mensagem para Aser e Naftali. (20-21)

a. A herança de Asher ficava ao longo da rica costa marítima e resultaria em muita prosperidade.
b. Naftali é comparado a uma linda querida solta, e é prometido que ele saberá usar palavras poderosas.

10. A mensagem para José. (22-26)

a. Sua mensagem é a mais longa e eloquente.
b. V 23-24 é uma breve biografia de José.
c. Observe a grande fecundidade:
  • Efraim – Josué, Débora e Samuel
  • Manassés – Gideão, Jefté
d. Jacó enfatiza que foi a mão de Deus sobre a vida de José que trouxe grande bênção.

11. A mensagem para Benjamin. (27)

a. Benjamin é comparado à ferocidade de um lobo voraz.
b. Bem sucedido na batalha, mas cruel.
c. O rei Saul e o apóstolo Paulo eram benjamitas,

D. O Último Pedido de Jacó. (49:28-50:14)

1. Jacó dá instruções específicas sobre seu sepultamento. (28-33)

a. Depois de entregar a seus filhos as mensagens, como ele foi guiado pelo Espírito de profecia, prenunciando acontecimentos importantes em suas vidas e suas sucessivas gerações;
b. Ele agora volta sua atenção para seu próprio futuro imediato – que seria a morte.
c. A caverna de Macpela é o primeiro local de sepultamento público mencionado nas Escrituras.
d. No v. 29, “Devo ser reunido ao meu povo”. Isso indica que Jacó acreditava que, embora seu povo estivesse morto – eles ainda existiam.
e. A ‘reunião’ não era uma referência a ser enterrado com eles.
f. Quando ele terminou de falar, ele ‘recolheu os pés na cama, e entregou o espírito’ e no momento da morte ele foi ‘reunido ao seu povo’.

2. José e seus irmãos atendem ao pedido de Jacó. (50:1-14)

a. José ordenou que seu pai fosse embalsamado.
b. Quarenta dias foram necessários para este processo de embalsamamento, onde a maioria dos órgãos vitais foram removidos, o corpo desidratado e depois embrulhado firmemente.
c. Um período oficial de 70 dias foi reservado para luto nacional – pelos egípcios. (possivelmente incluídos os 40 dias)
d. No final do período de 70 dias, José pediu permissão ao Faraó para subir e enterrar seu pai.
e. Ele não fez o pedido diretamente, por quê? Ester 4:1-2 não era permitido comparecer diante de um governante oriental em roupas de luto.
f. Uma grande procissão saiu para enterrar Jacó – composta tanto pela família de Jacó quanto pelos servos de Faraó.
h. No final do período de sete dias, José e seus irmãos enterraram seu pai, então todos voltaram para o Egito.

E. Últimos Dias de José (50:15-26)

1. Os irmãos de José duvidam de seu perdão (15)

a. Em Gênesis 45:1-4 Seus irmãos ficaram perturbados com sua presença,
b. Agora que seu pai estava morto, eles temiam que José buscasse vingança.
c. Eles viveram juntos por dezessete anos e sempre duvidaram da sinceridade de José
d. O que os faria se sentir assim? Sua própria autocondenação. Eles foram perdoados, mas nunca aceitaram.
2. Seus irmãos inventam outra mentira (16-17)
a. Por que eles disseram que Jacó deu uma ordem específica?
1) Eles sentiram que José se conteve de puni-los apenas por causa de Jacó.
2) Então, agora, se eles o convencerem de que Jacó fez esse pedido, talvez ele o honre.
b. José está com o coração partido por esta última conspiração de seus irmãos.

3. A resposta de José à mentira de seu irmão. (18-21)

a. Os irmãos de José também sentiram que precisavam fazer uma aparição pessoal.
b. Eles se curvaram diante dele declarando sua submissão a ele.
c. José rapidamente respondeu que eles não precisavam temê-lo porque ele não era Deusf vl9
d. O que ele quis dizer com essa afirmação?
1) Somente Deus tem o direito de punir o pecado.
2) Aquele que eles deveriam estar se curvando era Deus Todo-Poderoso – não José.
3) Embora José não estivesse “no lugar de Deus”, ele veio a perceber a vontade de Deus em sua vida. v 20
e. José assegurou a seus irmãos que eles não precisavam temê-lo. v 21
1) Ele reafirmou sua promessa de nutri-los e suas famílias.
2) Ele então consolou seus irmãos e falou gentilmente com eles.

4. José se aproxima da morte (22-26)

a. Ele tinha 110 anos, idade suficiente para ver a terceira geração – Efraim – Maquir – filhos
b. José chamou seus irmãos para perto e assegurou-lhes que Deus interviria e os levaria
para casa.
c. Ele lhes deu instruções específicas para não deixar seus ossos no Egito, mas para carregá-los com eles quando saíssem.
d. José morreu, foi embalsamado, mas não foi enterrado, apenas colocado em um caixão.

Assim finalizamos esse sermão sobre a vida de José do Egito.

Veja mais esboços de sermões sobre José aqui.

Botão Voltar ao topo