Por que o abuso é Desenfreado na Igreja?

Esta manhã, uma manchete sobre o abuso desenfreado na igreja, apareceu no meu telefone:

“Relatório bombástico de 400 páginas descobre que líderes batistas do sul rotineiramente silenciaram sobreviventes de abuso sexual”.

Cliquei no link por curiosidade sobre o que esta agência de notícias secular tinha a dizer, sabendo que muitas vezes há um preconceito contra o cristianismo. 

No entanto, como a maioria de nós, sabemos que há abuso sexual em todas as denominações religiosas.

Como eu sei? Porque eu experimentei, dentro do meu próprio casamento.  

Minha experiência é um pouco diferente, mas ainda é abuso. Ele usou as escrituras para me manipular. Ele teve um relacionamento adúltero (pense nisso – o adultério é uma forma de abuso).

Mas, vamos dar um passo adiante. Enquanto a “outra mulher” tomou a decisão consciente de ter um caso com meu então marido, ela também pode ser considerada vítima de seu comportamento abusivo. 

Afinal, ele se aproveitou de sua posição de pastor para atraí-la. Ela estava apaixonada por seu conhecimento bíblico, por sua piedade, algo que percebia que seu marido não possuía. 

Como descobri? Porque eu li os e-mails e transcrições de seus bate-papos noturnos. No entanto, isso tudo, era sua percepção de quem ele era em cima do púlpito – não quem ele era atrás de portas fechadas. 

Contudo, essa é a pergunta que não quer calar: Por que o abuso é tão desenfreado na Igreja? 

Embora eu tenha certeza de que existem inúmeros fatores, para isso. Posso, compartilhar pelo menos quatro verdades que percebi ao longo dos anos, sendo uma esposa de pastor.

Aqui estão, portanto as 4 Verdades por que o abuso é tão desenfreado na igreja

1. Lidamos com humanos falíveis e não com um Deus infalível

Antes de mais nada, sei que muitos de nós desejamos ser como Jesus, mas simplesmente não somos. 

Seu exemplo foi perfeito em todos os sentidos. Nosso mestre, sabia como modelar a graça e a verdade, podia ler corações e direcionar as pessoas. 

Ele podia ver o engano no coração dos homens (Jeremias 17:9) e dirigi-los onde quisesse (Provérbios 21:1).

No entanto, nossas experiências terrenas são com homens pecadores, não com nosso Salvador sem pecado. 

Afinal, nenhum de nós está sem pecado (Romanos 3:23). 

E isso inclui os líderes que deveriam estar nos ensinando a ser mais como o próprio Cristo. 

Eles são pecadores, e podemos ter certeza de que um dia serão julgados com mais rigor (Tg 3:1). 

Embora muitas vezes coloquemos os líderes espirituais em um pedestal, eles são humanos e pecadores como nós.

2. Somos ensinados sobre perdão e graça

Nossa fé é aquela que enfatiza o perdão e a graça, que legitimamente são princípios fundamentais do cristianismo. 

Contudo, ensinamos que as mulheres devem se vestir com gentileza, bondade e paciência (Colossenses 3:11-13). Estas são boas qualidades, qualidades essenciais.

O problema é que deixamos de dar limites ao abuso, limites e toxicidade. Deixamos de ver que o próprio Jesus não era um capacho permitindo que outros andassem sobre Ele. 

Sobretudo, quando Jesus enfrentou os fariseus, logo reconheceu a toxicidade em seus corações e os chamou à atenção para isso. 

Porém, suas palavras não foram gentis e gentis, mas diretas e verdadeiras. Ele escolheu colocar espaço entre Ele e aqueles que eram tóxicos para Ele e para Sua missão. 

Do mesmo modo, precisamos aprender que os limites e o reconhecimento de relacionamentos abusivos e tóxicos, não são contraditórios à nossa fé. 

Em vez disso, pode realmente melhorar nosso relacionamento com Deus.

3. Nosso amor por Deus nos encoraja a sempre fazer a coisa certa

Desejamos sinceramente andar em obediência a Deus, trazer glória e honra a Ele. 

Mas, às vezes, nosso desejo de fazer o que é certo, na verdade, nos leva a ficar presos em situações prejudiciais. 

Quando meu marido-pastor teve um caso, lembro-me de dizer em lágrimas a um amigo que minha maior preocupação era o dano que infligimos ao nome de Cristo. 

A verdade é que não  havíamos feito nada para prejudicar o nome de Cristo, e sim, meu esposo havia feito algo, para prejudicar o nome de Deus. 

Mas, eu estava ligada a ele, sim eu era sua esposa! Contudo, no meu desejo de fazer a coisa certa, eu perdoei e perdoei e perdoei novamente – e não consegui enfrentar meu marido. 

Eu estava tão decidida a permanecer no meu casamento porque entendia que era a coisa certa, não consegui ver como ir embora poderia ser a vontade de Deus.

Muitos de nós são realmente dedicados à fé, e tememos que expor nossos agressores realmente prejudique o nome de Cristo. Por isso, torna muito mais difícil ir embora ou tomar qualquer decisão.

4. O abuso desenfreado na igreja, inclui distorcer as Escrituras sutilmente para fazê-las parecer bíblicas

Lembra da serpente em Gênesis? Ela não veio com alguma alegação estranha para distrair Eva. Em vez disso, foi uma mudança sutil nas palavras de Deus. “Deus realmente disse…?

Líderes espirituais abusivos, geralmente conhecem as escrituras e são capazes de distorcê-las sutilmente para fazê-las parecer sólidas e bíblicas. 

Muitas vezes, eles já conquistaram a confiança de suas vítimas por meio de seu carisma e da personalidade que retratam. Eles geralmente têm domínio das escrituras. Raramente questionamos ou duvidamos de sua autoridade nas escrituras. 

Isso torna bastante fácil para eles cuidarem gentilmente de suas vítimas e convencê-las de que sua visão das escrituras não é totalmente correta.

Pense na submissão! Quantas vezes ouvimos que a esposa deve se submeter ao marido? 

O homem que tira essa escritura do contexto maior e a usa para controlar sua esposa é culpado de distorcer as escrituras. 

Contudo, o esposo verdadeiramente piedoso reconhecerá que a submissão é uma via de mão dupla que deve ser temperada com todas as qualidades maravilhosas do cristianismo: perdão, graça, paciência e misericórdia de coração terno. 

Afinal, não é uma oportunidade para o homem exercer controle, mas sim um ato de respeito e colocar os outros à frente de nós mesmos.

Como combateremos o abuso desenfreado na igreja

Infelizmente, o abuso na Igreja em geral é real e prejudicial. No entanto, só vamos conseguir combater o abuso desenfreado nas igrejas, capacitando os fiéis com a verdade. 

A verdade de que as pessoas são pecadoras, de que nossa fé se presta a perder comportamentos tóxicos e abusivos. 

A verdade de que podemos ser pegos fazendo a coisa certa para Deus e falhando em ver como estamos sendo facilmente desviados. 

Em conclusão, devemos aprender que Jesus nem sempre ofereceu graça. Às vezes Ele escolheu se afastar daqueles religiosos que eram tóxicos e abusivos.

Autora: Martin Johnson
Adaptado por: Biblioteca do Pregador

Botão Voltar ao topo