Quais são os frutos do Espírito?

“Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Contra tais coisas não há lei.” (Gálatas 5:22-23)

A palavra grega traduzida como “fruto” refere-se ao produto natural de uma coisa viva. O Apóstolo Paulo usou “fruto” para nos ajudar a entender o produto do Espírito Santo, que vive dentro de cada crente. 

Os frutos do Espírito é produzido pelo Espírito, não pelo cristão. A palavra grega é singular, mostrando que “fruto” é um todo unificado, não características independentes. 

À medida que crescemos, todas as características de Cristo serão manifestadas em nossas vidas.

Amadurecendo os Frutos do Espírito

No entanto, como o fruto físico precisa de tempo para crescer, o fruto do Espírito não amadurecerá em nossas vidas da noite para o dia. 

Assim como um jardineiro bem-sucedido deve lutar contra as ervas daninhas para desfrutar do doce fruto que deseja, devemos também trabalhar constantemente para livrar nossas vidas das “ervas daninhas” de nossa velha natureza pecaminosa que quer sufocar a obra do Espírito. 

O Espírito Santo nos dá o poder que precisamos para rejeitar esses velhos desejos pecaminosos. Podemos dizer “não” ao pecado e aceitar a “saída” que Deus provê fielmente, seguindo a direção do Espírito Santo. 

“Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar.” (1 Coríntios 10:13)

À medida que damos ao Espírito mais controle sobre nossas vidas, Ele começa a fazer em nós e através de nós o que somente Ele pode fazer – nos moldar e nos fazer crescer para parecermos com Jesus.

“Ora, o Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade. Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.” (2 Coríntios 3:17-18)

Evidênciando os Frutos do Espírito

Uma vez que, o objetivo de Deus para todos os Seus filhos é que sejamos como Jesus.

“Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos.”(Romanos 8:29)

Contudo, o Espírito Santo constantemente trabalha para livrar nossas vidas dos “atos da natureza pecaminosa” e exibir os Frutos do Espírito.

“Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne.” (Gl 5:16)

Portanto, a presença do “fruto do Espírito” é evidência de que nosso caráter está se tornando mais semelhante ao de Cristo.

Todavia, o apóstolo Paulo usa 9 características para descrever o fruto do Espírito no livro de Gálatas. Vamos dar uma olhada na lista do fruto do Espírito e o que cada um significa.

À seguir, portanto as 9 características e o significado dos Frutos do Espírito

Amor

“Queridos amigos, amemo-nos uns aos outros , porque o amor vem de Deus. Todo aquele que ama nasceu de Deus e conhece a Deus. Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor.” (1 João 4:7-8)

Contudo, é verdade que o amor bíblico é uma escolha, não um sentimento. Expressa-se deliberadamente de maneira amorosa e sempre busca o bem-estar dos outros. 

Ou seja, o amor bíblico depende do caráter do doador, não da emoção. Por exemplo, um crente maduro demonstrando amor não exercerá sua liberdade, se essa ação puder prejudicar outro cristão de alguma forma. 

Em vez de arriscar a possibilidade de fazer com que o cristão imaturo questione e tropece, o crente maduro não exercerá sua liberdade por amor a seu irmão (Romanos 14:1-15). 

O amor escolhe deixar de lado as próprias preferências, desejos e às vezes até precisa colocar a outra pessoa em primeiro lugar.

“Portanto, se há algum conforto em Cristo, se alguma consolação de amor, se alguma comunhão no Espírito, se alguns entranháveis afetos e compaixões, completai o meu gozo, para que sintais o mesmo, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, sentindo uma mesma coisa. Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo.” (Filipenses 2:1-3)

Alegria

“Que o Deus da esperança os encha de toda alegria e paz, por sua confiança nele, para que vocês transbordem de esperança pelo poder do Espírito Santo.” (Romanos 15:13)

Às vezes, nós cristãos tendemos a minimizar o significado da alegria. Mas, a palavra grega traduzida como “alegria” em Gálatas 5 significa “alegria e deleite” – basicamente a mesma coisa que o mundo quer dizer quando fala sobre alegria. É um sentimento de alegria baseado em nossas circunstâncias. 

Infelizmente, a alegria do mundo não pode durar porque se baseia em circunstâncias físicas fugazes. 

Mas a alegria do Senhor é estabelecida em nossas circunstâncias espirituais e eternas. 

À medida com que nos apegamos firmemente a Jesus, permanecendo diariamente em nosso relacionamento salvífico com Ele, experimentaremos a plenitude da alegria que Ele prometeu (João 15:4-11).

Paz

“Você manterá em perfeita paz aqueles cuja mente está firme, porque eles confiam em você.” (Isaías 26:3)

O mundo não oferece muita paz, basta olhar em volta. O mundo não pode dar porque o mundo não conhece Aquele que é a paz. Mas para aqueles que têm o Espírito de paz dentro de nós, a paz de Cristo é possível, não importa nossas circunstâncias.

“Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.” (Jo 14:27)

Contudo, é necessário rejeitar o caos do mundo e abraçar a paz de Deus.

“E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus.” (Filipenses 4:7)

Antes de tudo, escolha se alegrar em Deus e em quem Ele é. Sobretudo, traga todas as suas preocupações, medos e preocupações a Deus em oração. 

E por fim, encha sua mente com a verdade de Deus. pensando nas coisas celestiais. Fazendo assim, você estará produzindo os frutos do Espírito.

Paciência

“Sejam completamente humildes e mansos; sejam pacientes, suportando-se uns aos outros em amor.” (Efésios 4:2)

Não vemos muita paciência no mundo hoje, nem mesmo na igreja. Talvez parte do motivo seja nossa cultura acelerada e de querer tudo para agora. 

Mas os cristãos têm tudo o que precisamos para ser pacientes porque temos o Espírito Santo vivendo em nós, desejando mostrar Seu caráter para aqueles ao nosso redor. 

Pessoas pacientes suportam as circunstâncias e outras pessoas, mesmo quando severamente provadas. 

Pessoas pacientes demonstram resistência, longanimidade e perseverança, elas evidenciam com muita clareza os frutos do Espírito.

O Novo Testamento também conecta especificamente a paciência com o compartilhamento do Evangelho. Deus é paciente enquanto espera que os perdidos venham a Ele.

“O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se”. ( 2 Pedro 3:9 )

Todavia, chamando seu povo a ser paciente, enquanto estendemos a oferta da salvação em Cristo a outros.

Bondade e Benignidade

“Portanto, como povo escolhido de Deus, santo e amado, revesti-vos de compaixão, bondade…” -(Colossenses 3:12)

As características de “bondade” e “benignidade” estão intimamente relacionadas. 

Juntos, eles apresentam a imagem de alguém que não apenas possui bondade moral e integridade, mas também a expressa generosamente na maneira como age em relação aos outros. 

Essa “bondade em ação” reflete a bondade e benignidade de Deus para conosco. 

Deus demonstrou Sua bondade e benignidade para conosco em nossa salvação. 

“Mas quando apareceu a benignidade e amor de Deus, nosso Salvador, para com os homens, não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo”. (Tt 3:4-5)

Agora, continuará a “mostrar as riquezas imensuráveis ​​de sua graça em bondade para conosco” por toda a eternidade”. (Efésios 2:7)

Fidelidade

“Seu senhor respondeu: ‘Muito bem, servo bom e fiel! Você foi fiel no pouco; eu o colocarei no comando de muitas coisas. Venha e compartilhe a felicidade de seu senhor!'” (Mateus 25:21) 

Ser “fiel” é ser confiável ou confiável. Para o cristão, isso é fidelidade especificamente ao Salvador que nos redimiu. 

A fidelidade cristã, portanto, é submissão e obediência contínua e consistente ao mesmo Espírito que nos dá a capacidade de sermos fiéis. 

Essa atitude está em contraste direto com nossa “fidelidade” anterior aos nossos próprios desejos e caminhos pecaminosos. 

A palavra também descreve alguém disposto a sofrer perseguição e até a morte por amor a Cristo. 

“Portanto, entre as igrejas de Deus, nos gloriamos de sua perseverança e fé em todas as perseguições e provações que você está enfrentando.” (2 Tessalonicenses 1:4)

Mansidão

“Que sua gentileza seja evidente para todos. Perto está o Senhor”. (Filipenses 4:5)

Intimamente ligada à humildade e a mansidão, é a graça da alma. 

Não é fraqueza, mas sim força sob controle. Por exemplo, na segunda carta de Paulo a Timóteo, ele escreveu que o “servo do Senhor” irá “corrigir seus oponentes com mansidão”.  

“Instruindo com mansidão os que resistem, a ver se porventura Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade”. (2 Timóteo 2:25)

E na carta de Paulo à igreja na Galácia, ele escreveu que aqueles que foram pegos em pecado devem ser restaurados em um “espírito de mansidão”.

“Irmãos, se algum homem chegar a ser surpreendido nalguma ofensa, vós, que sois espirituais, encaminhai o tal com espírito de mansidão; olhando por ti mesmo, para que não sejas também tentado”. (Gálatas 6:1)

Gentileza, sendo o oposto de auto-afirmação e interesse próprio, também é um ingrediente chave na unidade e paz dentro do corpo de Cristo.

“Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor”.(Efésios 4:2).

Domínio Próprio

“Como uma cidade cujos muros foram derrubados é uma pessoa que não tem domínio próprio.” (Provérbios 25:28)

Por fim a última característica na descrição do Apóstolo Paulo sobre os frutos do Espírito, nos remete à sua lista das obras da carne em Gálatas. 

“Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias. Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas[…]”. (Gálatas 5:19-21)

Aqueles de nós com quem o Espírito Santo habita, têm a força para controlar nossos desejos pecaminosos, para dizer “não” à nossa carne. 

O domínio próprio, nos dá o poder de dizer “sim” ao Espírito e promover uma bela e abundante colheita de frutos espirituais!

“A retidão protege o homem íntegro, mas a impiedade derruba o pecador”. (Provérbios 13:6)

Botão Voltar ao topo