Apocalipse 3:9 Significado da Sinagoga de Satanás

Apocalipse 3:9 – ACF

“Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo.”

Traduções Bíblicas de Apocalipse 3:9

NAA – Apocalipse 3:9

“Eis o que eu farei com alguns dos que são da sinagoga de Satanás, desses que se declaram judeus e não são, mas mentem. Eis que farei com que venham até você, prostrem-se aos seus pés e reconheçam que eu amo você.”

NVI – Apocalipse 3:9

“Vejam o que farei com aqueles que são sinagoga de Satanás e que se dizem judeus e não são, mas são mentirosos. Farei que se prostrem aos seus pés e reconheçam que eu amei você.”

NVT – Apocalipse 3:9

“Veja, obrigarei aqueles que pertencem à sinagoga de Satanás, os mentirosos que se dizem judeus, mas não são, a virem, prostrarem-se a seus pés e reconhecerem que amo você.”

Explicação e Comentário sobre Apocalipse 3:9

Este versículo é parte de uma carta à igreja em Filadélfia, na Turquia moderna. Vem de Jesus Cristo que o ditou ao Apóstolo João quando ele vivia exilado na Ilha de Patmos.

Jesus teve muitos desentendimentos com os judeus religiosos de sua época. Ele achava que eles eram especialistas em separar os pontos mais sutis da lei, mas que haviam perdido completamente o coração de Deus (Lc 11:42). Deus chama seu povo para ser misericordioso e justo, mas os fariseus eram particularmente injustos e impiedosos.

Sua maior crítica para eles foi que seu pai era Satanás. A prova que ele deu foi que eles não o reconheceram e sua afirmação de ser o Messias (Jo 8:37-44). Eles ficaram furiosos quando ele disse que se Abraão fosse realmente seu pai, eles não iriam querer matá-lo. Por fim, eles o mataram, provando ser incrédulos, apesar de sua religiosidade.

Interpretação Apocalipse 3:9 as partes chave do versículo

#1 “Eis que eu farei…”

Deus deu a homens e mulheres o livre arbítrio. Você é um agente moral livre como um verdadeiro portador da imagem de Deus. Paradoxalmente, Jesus afirmou que para crer devemos ser “atraídos por Deus” (Jo 6:44). Isso é misterioso, mas significa que devemos orar para que Deus salve os incrédulos, para atraí-los.

#2 “aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são…”

Afirmar ser um crente não é o mesmo que acreditar. Os judeus de seus dias alegavam amar o único Deus verdadeiro, mas quando “o Verbo se fez carne e habitou entre nós” eles se recusaram a reconhecer. Jesus indicou que esta era a prova de que eles não conheciam verdadeiramente a Deus, mas eram como seus pais que “mataram os profetas” (Mt 23:30).

#3 “mas mentem…”

De acordo com Romanos 1:18-20, embora seja verdade que Deus nos atrai, é igualmente verdade que aqueles que não seguem a Deus escolheram ignorar “o que pode ser claramente conhecido… Deus responsabilizará todo homem e mulher pela incredulidade.

# 4 “eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo.”

Paulo diz aos romanos no capítulo 11 que Deus cegou os olhos dos judeus para que todos os gentios pudessem entrar na Igreja. Neste versículo (Apocalipse 3:9), Jesus pode estar se referindo à mesma coisa, que Deus os atrairá de volta naquele momento, e eles reconhecerão Jesus e seus seguidores. Mas, parece mais provável, por causa da frase “sinagoga de Satanás”, que isso se refira ao julgamento no final dos tempos para os judeus que continuarão na incredulidade e que perseguiram a Igreja. Neste momento eles serão julgados e punidos por seu pecado e incredulidade. Eles se curvarão aos que perseguiram.

Comentários sobre o que Significa Apocalipse 3:9

comentários bíblicos sobre o versículo

Comentário de Wiersbe (Contexto)

Como quase todos sabem, “filadélfia” significa “amor dos irmãos”. Sem dúvida, o amor fraternal é uma característica importante dos cristãos. Somos “por Deus instruídos que [devemos amar] uns aos outros” (1 Ts 4:9).

Mas não basta amar a Deus e aos irmãos em Cristo, também é preciso amar o mundo perdido e procurar alcançar os incrédulos com as boas-novas da cruz. A igreja de Filadélfia tinha essa visão de alcançar o mundo perdido, e Deus colocou diante dela uma porta aberta.

Filadélfia ficava em um local estratégico na rota principal do Correio Imperial de Roma para o Oriente, sendo chamada, assim, de “portal para o Oriente”. Também era conhecida como “pequena Atenas” por causa do grande número de templos na cidade.

Sem dúvida, a igreja situava-se em um lugar de oportunidades extraordinárias. O único problema mais sério em relação à localização era a ocorrência de abalos sísmicos. Filadélfia encontrava-se sobre uma falha geológica e, no ano 17 a.C., foi destruída por um forte terremoto, que também devastou Sardes e outras dez cidades.

Alguns cidadãos recusaram-se a voltar para a cidade depois desse acontecimento, preferindo permanecer nos campos ao redor, conhecidos como “terra queimada”. Ao que parece, a cidade do amor fraternal não era nada segura!

Como Jesus se apresenta à igreja de Filadélfia

Jesus Cristo apresenta-se à igreja de Filadélfia como “o santo”. Isso equivale a dizer que ele é Deus, uma declaração obviamente verdadeira. Jesus Cristo é santo em seu caráter, em suas palavras, em suas ações e em seus propósitos.

Mas ele também é verdadeiro, ou seja, autêntico. Ele é o original, não uma cópia; o Deus genuíno, não um deus manufaturado.

Naquele tempo, havia centenas de deuses e deusas (1 Co 8:5, 6), mas somente Jesus Cristo tinha o direito de declarar ser o Deus verdadeiro.

Convém observar que, quando os mártires no céu se dirigem ao Senhor, eles o chamam de “santo e verdadeiro” (Ap 6:10).

Além de santo e verdadeiro, ele tem autoridade para abrir e fechar portas. O contexto dessa imagem é Isaías 22:15-25.

No Novo Testamento, uma “porta aberta” refere-se a uma oportunidade de ministério (At 14:27; 1 Co 16:9; 2 Co 2:12; Cl 4:3).

Cristo é o Senhor da ceifa e o Cabeça da Igreja, e é ele quem determina onde e quando seu povo deve servir. Ele deu à igreja de Filadélfia uma grande oportunidade de ministério.

Mas será que poderiam aproveitá-la? Para isso, precisavam vencer pelo menos dois obstáculos, sendo o primeiro deles a própria falta de forças (Ap 3:8). Ao que parece, a igreja da Filadélfia não era grande nem forte; no entanto, era uma congregação fiel. Mantinha-se firme na Palavra de Deus e não tinha medo de levar seu nome.

Apocalipse 3:10 dá a entender que a igreja passara por alguma provação específica e havia se mostrado fiel. “Deus sempre nos capacita a cumprir seus mandamentos.” Se jesus Cristo abriu uma porta, também daria a capacidade para atravessarem essa porta!

Wiersbe explica Apocalipse 3:9

O segundo obstáculo era a oposição dos judeus da cidade (Apocalipse 3:9). Na verdade, era um antagonismo satânico, pois não lutamos contra carne e sangue (Ef 6:12).

Esses indivíduos podiam ser judeus na carne, mas não eram o “verdadeiro povo de Israel” no sentido do Novo Testamento (Rm 2:17-29). Por certo, os judeus possuem uma grande herança, mas ela não lhes garante a salvação (Mt 3:7-12; Jo 8:33).

De que maneira esses judeus opunham-se à igreja de Filadélfia? Em primeiro lugar, excluindo os cristãos judeus da sinagoga. Além disso, é provável que também usassem como arma as falsas acusações, pois era assim que os judeus incrédulos costumavam atacar Paulo.

Satanás é o acusador e se vale até de pessoas religiosas para ajudá-lo (Ap 12:10). Não é fácil testemunhar de Cristo enquanto os líderes da comunidade espalham mentiras a nosso respeito.

Comentário de Beacon (Apocalipse 3:9)

A frase a sinagoga de Satanás (9) já tinha aparecido em 2:9, na carta a Esmirna. Nessas duas cidades a oposição à igreja veio principalmente dos judeus. Mas eles não são verdadeiros judeus, porque não seguem os passos do Pai Abraão, nem guardam o espírito da lei de Moisés.

Desses falsos judeus o Senhor diz: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo. Isso parece indicar que alguns judeus seriam convertidos ao cristianismo. Essa interpretação é fortalecida pela primeira frase do versículo: eu farei aos da sinagoga de Satanás. O grego traz: “eu darei da sinagoga de Satanás [não eu farei]”.

Comentário de Ellicott

Eis que farei. Melhor, eis que dou um pouco. Não há palavra para expressar isso no original, mas como uma palavra deve ser fornecida para completar o sentido, é melhor adotar “alguns” do que o “eles” da versão Autorizada, pois não é uma promessa de que todos a sinagoga de Satanás deve vir.

Da sinagoga de Satanás. Temos aqui um reaparecimento dos mesmos problemas que afligiram a Igreja de Esmirna: a exclusividade fixa e desdenhosa do partido judaizante foi seu julgamento. Mas chegaria um tempo (talvez a hora da tentação mencionada no versículo seguinte) em que esses fiéis, agora abusados ​​e excomungados pela sinagoga fanática, seriam cortejados, reconhecidos – ou melhor, sua ajuda invocada.

Eu os farei vir e adorar diante de meus pés, e saber que eu te amei. Alguns veem nisso uma dica de que o poder de um partido de grande coração para proteger os judaizantes seria derivado da influência dos gentios, cuja presença na Igreja havia sido uma pedra de tropeço para o partido judeu. Isso pode ter sido, e sem dúvida foi, muitas vezes o caso. Mas a promessa parece ter um cumprimento maior.

Notas de Barnes sobre a Bíblia (Estudo)

Eis que farei – grego, “eu dou” – δίδωμι didōmi; isto é, providenciarei as coisas para que isso ocorra. A palavra implica que ele tinha poder para fazer isso e, consequentemente, prova que ele tem poder sobre o coração do homem.

Eles da sinagoga de Satanás, que dizem que são judeus que professam ser judeus, mas são realmente da sinagoga de Satanás. O significado é que, embora fossem de origem judaica e se gabassem de serem judeus, ainda estavam realmente sob a influência de Satanás, e suas assembleias mereciam ser chamadas de “sinagoga”.

E não são, mas mentem – é uma profissão totalmente falsa.  

Eis que eu os farei vir e adorar diante dos teus pés – A palavra traduzida como “adoração” aqui significa, adequadamente, prostrar-se completamente; e então prestar homenagem, ou adorar no sentido apropriado, como isso era comumente feito ao se prostrar. No que diz respeito à palavra, pode se referir à homenagem espiritual, isto é, à adoração a Deus; ou pode significar respeito como mostrado aos superiores.

Visão geral do especialista em Apocalipse cap. 1-11

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo