Aborto: 10 coisas que você precisa saber sobre essa Prática

Aborto, Interrupção voluntária da gravidez; um dos assuntos mais discutidos em nossa sociedade. Quando se fala nesta prática do aborto, vemos inúmeras discussões sobre ser a favor ou contra, se legalizam ou não legalizam, essa prática.

Enfim, temos muitas divergências de pensamentos, pensando nisso separamos aqui 10 coisas que você precisa saber sobre o aborto, e assim, você tirar as suas conclusões.

Essas são portanto, as 10 coisas que você precisa saber sobre o aborto

1. Defensores pró-vida apresentam um caso formal para sua posição

Esse caso é resumido no seguinte raciocínio:

É errado matar intencionalmente um ser humano inocente.

O aborto mata intencionalmente um ser humano inocente.

Portanto, o aborto é errado.

2. Um defensor pró-vida pode defender esse silogismo em 1 minuto ou menos

“Sou pró-vida porque a ciência da embriologia estabelece que, desde os primeiros estágios de desenvolvimento, você era um ser humano distinto, vivo e completo. Você não veio de um embrião; você já  foi um embrião. 

É verdade que você era imaturo e ainda tinha que se desenvolver visivelmente, mas o tipo de coisa que você era não estava em questão. E não há diferença essencial entre o embrião que você foi e o adulto que você é hoje que justifique matá-lo naquele estágio inicial de desenvolvimento. 

Diferenças de tamanho, desenvolvimento, ambiente e dependência não são boas razões para matá-lo”.

3. Que o aborto mata intencionalmente um ser humano inocente é admitido por muitos que praticam e defendem essa prática

O abortista Warren Hern escreve:

“Chegamos a um ponto nesta tecnologia particular [aborto D&E] onde não há possibilidade de negar um ato de destruição. Está diante dos olhos. As sensações de desmembramento fluem pelo fórceps como uma corrente elétrica.” 

A feminista Camille Paglia admite francamente que “aborto é assassinato, o extermínio dos impotentes pelos poderosos. Os liberais, em sua maioria, se recusaram a enfrentar as consequências éticas de sua adoção do aborto, que resulta na aniquilação de indivíduos concretos e não apenas aglomerados de tecido insensato”. 

A feminista Naomi Wolf chama o aborto de um feto humano de “morte real”.

4. A Bíblia é pró-vida mesmo que a palavra “aborto” não apareça

A Escritura é clara que todos os seres humanos têm valor porque carregam a imagem de seu criador (Gênesis 1:26-28 ; Tiago 3:9). 

Em termos leigos, isso significa que os humanos são valiosos em virtude do tipo de coisa que são, e não de alguma função que desempenham. Os humanos têm valor simplesmente porque são humanos.

Porque os humanos carregam a imagem de Deus, o derramamento de sangue inocente é estritamente proibido (Êxodo 23:7 ; Provérbios 6:16-19 ; Mateus 5:21). 

O aborto é a morte intencional de um ser humano inocente. Assim, as passagens nas Escrituras que proíbem o derramamento de sangue inocente se aplicam tanto ao nascituro quanto a qualquer outro ser humano inocente.

5. O suposto silêncio da Bíblia sobre o aborto não significa que seus autores tolerassem a prática

As proibições contra o aborto eram em grande parte desnecessárias nos tempos bíblicos. 

Em uma cultura em que as crianças são um presente e a esterilidade é uma maldição. Onde o destino de uma nação depende de os pais terem muitos filhos, o aborto é impensável.

6. Pregar sobre o aborto é uma das responsabilidades da Grande Comissão da igreja local

Na Grande Comissão, Cristo encarregou a igreja de fazer discípulos. Isto é, a maneira como fazemos discípulos é “ensiná-los a obedecer” aos seus mandamentos.

Um desses comandos é que não devemos derramar sangue inocente.

O aborto é o derramamento de sangue inocente.

Portanto, pregar sobre o aborto se relaciona com as responsabilidades da Grande Comissão da igreja local.

7. A posição pró-vida não se baseia em perspectivas pessoais

Afirmar que apenas as mulheres podem falar sobre o aborto é cometer a falácia ad hominem – isto é, atacar a pessoa em vez do argumento que ela apresenta. Também levanta uma questão preocupante: quais mulheres podem falar?

De fato, mesmo entre as feministas que apoiam o aborto, não há uma perspectiva única sobre o assunto. 

A feminista Naomi Wolf chama o aborto de “uma morte real”, enquanto a feminista Katha Pollitt acha que não é diferente de aspirar sua casa. 

Em suma, embora as perspectivas de gênero sobre o aborto nos ajudem a entender a experiência pessoal, elas não substituem a investigação racional. Pelo contrário, são argumentos que devem ser avançados e defendidos. 

Afinal, as mulheres pró-vida usam os mesmos argumentos que os homens pró-vida.

8. Cristãos pró-vida contam uma história de igualdade melhor.

Todo e qualquer ser humano tem direito igual à vida, ou apenas alguns o têm em virtude de alguma característica que pode ir e vir ao longo de nossas vidas? 

De fato, a posição da escolha do aborto mina a igualdade humana. 

Ou seja, se os humanos só têm valor por causa de alguma característica desenvolvida, como a autoconsciência, que nenhum de nós compartilha em igual medida, segue-se que, uma vez que essa característica vem em vários graus, os direitos humanos básicos vêm em vários graus. A igualdade humana é um mito!

Teologicamente, é muito mais razoável argumentar que, embora os humanos difiram imensamente em seus respectivos graus de desenvolvimento, eles são iguais porque compartilham uma natureza humana comum feita à imagem de Deus.

9. A fotografia de uma vítima de aborto muda a narrativa.

Como aponta Gregg Cunningham, quando você mostra fotos de aborto, “o aborto protesta por si mesmo”. 

(Efésios 5:11) diz: “Não participe das obras infrutíferas das trevas, mas exponha-as”. 

Quase todos os movimentos de reforma social bem-sucedidos desde o início do século 20 usaram imagens perturbadoras para transmitir males que as palavras sozinhas são impotentes para transmitir.

Imagens perturbadoras mudam a forma como as pessoas se sentem em relação ao aborto, enquanto fatos e argumentos podem mudar a forma como elas pensam. 

Ambos são vitais na mudança de comportamento. 

Nossos adversários admitem isso. “Quando alguém segura um modelo de um feto de seis meses e uma tesoura cirúrgica, dizemos ‘escolha’ e perdemos”, escreve a feminista Naomi Wolf.

10. O remédio para a culpa pós-aborto não é a evasão. É perdão.

As imagens do aborto são dolorosas de se ver. Mas usados ​​corretamente, eles preparam o cenário para as boas novas do evangelho, que por si só nos cura de nosso pecado. 

As imagens fazem o trabalho duro de tornar o pecado concreto para que eu possa usar minhas palavras para acalmar e trazer esperança.

Homens e mulheres pós-aborto não precisam de desculpas. Eles precisam de uma troca: a justiça de Cristo por sua pecaminosidade. 

Como todos os pecadores perdoados, homens e mulheres pós-aborto podem viver cada dia com a certeza de que Deus os aceita com base na justiça de Cristo, não na sua própria.

Autor: Scott Klusendorf

Botão Voltar ao topo