Lições da Epístola de Judas

A Epístola de Judas é um livro curto, mas fascinante, do Novo Testamento. Há lições e insights importantes para descobrir em sua introdução do autor, seu propósito, seu público-alvo e, mais importante, suas várias referências do Antigo Testamento e alguns textos apócrifos.

Hoje vamos nos concentrar nas linhas iniciais da epístola e conhecer o autor, seu público e seu propósito ao escrever este livro.

Conheça Judas: o Irmão de Jesus?

Judas se apresenta como “servo de Jesus Cristo e irmão de Tiago” (Judas 1:1). 

Acredita-se fortemente que este Judas era o meio-irmão de Jesus Cristo.

Na época em que Jesus visitou sua própria cidade de Nazaré e pregou na sinagoga deles, as pessoas ficaram ofendidas com Ele. Eles disseram: Onde este homem conseguiu essa sabedoria e essas maravilhas? Este não é o filho do carpinteiro? Sua mãe não se chama Maria? E seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas? E Suas irmãs, não estão todas conosco? Onde, então, este homem conseguiu todas essas coisas?” (Mateus 13:54-56, Marcos 6:1-3)

Vemos Judas, o meio-irmão de Jesus sendo apresentado nestes versos onde Jesus está sendo rejeitado e minimizado por Seus vizinhos e cidadãos. (Seu nome foi muitas vezes encurtado por traduções inglesas para desassociar Judas de Judas Iscariotes, o traidor).

Até os próprios irmãos de Jesus rejeitaram Sua autoridade. Em outro momento de Seu ministério, Jesus estava andando pela Galiléia para evitar a Judéia porque os judeus estavam tentando matá-lo. Mas seus irmãos insistiram que Ele fosse para a Judéia para que Seus discípulos e o mundo pudessem ver Suas obras. Mas as Escrituras dizem: 

“Pois nem seus irmãos creram nele” (João 7:5). 

Você pode ver quão forte era a incredulidade deles? Eles estavam possivelmente cegos pelo ciúme que seu meio-irmão recebeu toda a atenção.

Você pode ver como, para Judas, foi um grande salto: dos evangelhos para a epístola de Judas, onde ele se apresenta como um “servo de Jesus Cristo”. 

Em algum momento, os olhos de Judas se abriram. Ele reconheceu o Messias em seu irmão. 

A ressurreição de Jesus Cristo selou sua crença. (1 Coríntios 15:7) Ele foi mudado para sempre. Judas agora está humilhado e se rebaixa à posição de servo.

Para quem Judas escreveu?

“Aos chamados, santificados por Deus Pai e preservados em Jesus Cristo”. (Judas 1:1)

Judas faz muitas referências ao Antigo Testamento. Ele lembra o Êxodo, a queda dos Anjos e o julgamento de Sodoma e Gomorra (Judas 1:5-7). 

Ele também se refere a outras literaturas judaicas fora do cânon da Bíblia nos versículos 9 e 14. Com a inclusão dessas referências, é mais provável que o público esteja familiarizado com o Antigo Testamento e outras literaturas judaicas. 

Assim, os destinatários provavelmente eram judeus convertidos ao cristianismo.

Por que Judas escreveu?

Judas define claramente o propósito do livro nas linhas iniciais.

“Amados, enquanto eu era muito diligente em escrever para você sobre nossa salvação comum, achei necessário escrever para você, exortando-o a batalhar pela fé que uma vez por todas foi dada aos santos.” (Judas 1:3)

Judas originalmente pretendia falar com eles sobre salvação, mas devido ao aparecimento de falsos mestres na igreja, ele sentiu uma necessidade premente de falar com eles sobre a fé que lhes foi entregue e como manter sua vida na verdade.

O versículo 1:3 diz que Judas os estava exortando e contendendo seriamente com eles, significando que ele os encorajava fortemente e ao mesmo tempo insistia com eles. 

Ele assume um tom bastante apaixonado, mas compulsivo, com o público neste livro. A abordagem de Judas na defesa da palavra de Deus e da fé é semelhante à dos operários de Neemias que usaram uma mão para a construção do muro e a outra para segurar as armas para se defender dos inimigos. 

Seu zelo era palpável, porque “esta obra é grande e extensa” (Neemias 4:19). E assim é a paixão de Judas pela palavra de Deus e sua fé.

Jude nos ensina a distinguir a verdade da mentira

“Pois alguns homens se infiltraram despercebidos, que há muito tempo foram designados para esta condenação, homens ímpios, que transformam a graça de nosso Deus em lascívia e negam o único Senhor Deus e nosso Senhor Jesus Cristo”. (Judas 1:4)

Nessas linhas, Judas os adverte sobre homens ímpios que abriram caminho entre o povo de Deus de maneira bastante casual e despercebida. 

O termo “despercebido” exige nossa atenção e cuidadoso discernimento. Precisamos ser capazes de discernir corretamente a palavra de Deus e Sua verdade para que possamos distingui-la das mentiras de homens ímpios.

Judas 1:4 aponta duas táticas que homens ímpios agem:

  1. Eles transformam a graça de Deus (que é a salvação) em lascívia.
  2. Eles negam o único Senhor Deus e nosso Senhor Jesus Cristo.

Felizmente, a palavra de Deus aborda esses ataques e nos servirá bem para aprender essas defesas e integrá-las em nossas vidas, para que possamos permanecer firmes contra o inimigo e suas mentiras.

Primeiro, a salvação vem do Senhor. 

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós; é dom de Deus, não de obras, para que ninguém se glorie” (Efésios 2:8-9). 

Somos salvos para boas obras e não por elas. Se dependesse de nossas obras, nunca seríamos capazes de corresponder às Suas expectativas. Graciosamente, Deus enviou Seu filho para morrer em nosso lugar, para que, por Sua graça, possamos ser curados.

No entanto, como Judas explica, certos homens tomaram isso como desculpa e licença para viver vidas imorais. Se Deus pode perdoar todos os nossos pecados, e tudo o que precisamos é Sua graça para sermos livres, por que não continuar repetindo esse ciclo pecaminoso? 

Mas, como o apóstolo João aponta em 1 João 2, temos um advogado que defende nosso caso diante do Pai se e quando pecarmos. Mas João também nos diz, sempre tão suplicante, que ele escreve essas palavras para que não tomemos isso como desculpa para continuar pecando.

Segundo, devemos reconhecer a pessoa de Jesus Cristo como Senhor. 

Pedro em seu sermão após a ressurreição de Jesus diz: “Saiba, pois, com certeza toda a casa de Israel que a este Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo” (Atos 2:36). 

Negar o senhorio de Jesus Cristo é um pecado. De fato, reconhecer o senhorio de Jesus é um pré-requisito para nossa salvação.

“Se você declarar com a sua boca: Jesus é o Senhor, e crer em seu coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, você será salvo”. (Romanos 10:9 NVI)

A advertência de Judas nos traz de volta à graça de Deus

Judas abre o livro reconhecendo sua posição como servo de Jesus Cristo. Ali mesmo vemos sua transformação de incrédulo a crente, de invejoso a humilde professor da verdade. Envolvido por seu zelo pelo Senhor, ele começou a escrever esta epístola, lembrando gentilmente os crentes da graça original de Deus.

Este livro é um grande lembrete para que voltemos à base de nossa salvação. Ela nos encoraja a não deixar que a quantidade de dúvidas e mentiras nos desvie do único e verdadeiro evangelho. 

Espero que, ao ler Judas, você entenda ainda mais a graça de nosso Senhor Jesus Cristo e o preço que Ele pagou por nossa salvação.

Autora Alice William.

Botão Voltar ao topo