O fracasso número um para 90% dos pastores

A criança de quatro anos que diz: “Eu posso fazer isso sozinho” tem muito em comum com muitos pastores. Os pastores são notórios por sua abordagem solitária ao ministério. Eu chamo isso de falha número um de 90% dos pastores. Eles preferem ir sozinhos.

Os pastores precisam vencer esse fracasso…

Antes de mais nada, até Jesus precisava de um amigo. “E, voltando para os seus discípulos, achou-os adormecidos e disse a Pedro: Então nem uma hora pudeste velar comigo?” (Mateus 26:40)

De vez em quando ter alguém por perto, orando, amando, cuidando ou mesmo sofrendo com você, ajuda muito.

A palavra paracletos de João 16:7 é traduzida como “Consolador” e “Ajudador” na maioria das versões da Bíblia. 

O significado literal é “aquele chamado ao lado”, a ideia usual é que o Espírito Santo é nosso Consolador Companheiro, um verdadeiro amigo em necessidade. E cada vez que essa palavra é encontrada no Novo Testamento, sempre se refere ao Senhor.

No entanto, aqui está algo importante.

Embora paracletos sempre se refira ao Senhor no Novo Testamento, a palavra parakleesis (também um substantivo), para conforto ou consolo, pode se referir tanto à obra do Senhor em nossas vidas quanto ao efeito que temos uns sobre os outros.

O apóstolo Paulo disse:

Estávamos aflitos por todos os lados, conflitos por fora, medos por dentro. Mas Deus, que conforta os humildes, nos consolou com a vinda de Tito. E, não só pela sua vinda, mas também pela consolação com que foi consolado em vós, ao nos relatar a vossa saudade, o vosso pranto, o vosso zelo por mim; de modo que me regozijei ainda mais (2 Coríntios 7:5-7).

O grande apóstolo estava sofrendo. Ele precisava de algo que Deus providenciou por um amigo, Tito. 

Quando este mensageiro relatou a Paulo quão fielmente os coríntios serviam a Deus, como eles se importavam e se entristeceram por ele, isso o animava.

Deus nos fez para precisar da companhia.

Se você lê a Bíblia e não guarda isso, você perdeu um grande elemento da Palavra.

“Não é bom que o homem esteja só” foi falado mais do que casamento. Isso é um fato da existência humana.

Somos criaturas sociáveis. Deus nos fez assim. Além disso, não nos damos bem isoladamente. Talvez seja por isso que gostamos tanto das redes sociais.

Quando aceitamos Jesus, ou seja, quando nascemos de novo, começamos o processo de voltar ao plano original de Deus: nos juntarmos à Sua família.

Na noite em que Deus me salvou aos 11 anos, eu me vi amando os irmãos de todas as idades em nossa igreja do interior. Essa foi uma experiência nova para mim. No entanto, foi uma surpresa maravilhosa.

Novos crentes precisam da comunhão de outros crentes. Ensinamos isso. Esperamos que os novos discípulos se unam a outros crentes para adoração e crescimento, e os advertimos que isso é fundamental para que cresçam com eficácia no Reino.

Isso também é verdade para os servos de Deus chamados pastores. Nós, que somos chamados a proclamar a palavra de Deus, precisamos do companheirismo, consolo e encorajamento de outros igualmente chamados. 

Precisamos do consolo, exortação e, ocasionalmente, da repreensão de nossos companheiros pastores.

Precisamos de amigos no ministério.

Um dos primeiros efeitos do pecado é nos isolar.

O leão que ruge em busca do jantar não leva todo o rebanho, mas procura os afastados. Um membro isolado que é doente ou idoso, jovem demais para acompanhar ou teimoso demais para ficar de pé. 

O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar (1 Pedro 5:8).

Ele está procurando o solitário.

Se eu descobrisse aos 11 anos de idade que um novo relacionamento com Cristo me encheu de amor por Seu povo, com o tempo encontrei o outro lado da moeda: quando me afastei Dele, minha necessidade e apreço pelo povo do Senhor também diminuiu.

Estou no ministério há meio século. Eu não sei muitas coisas, mas conheço algumas muito bem, e esta é uma delas: O coração pecador resiste ao companheirismo.

Ao longo desses anos, pastoreando seis igrejas e servindo no ministério, em cada cidade eu me juntei à comunhão de ministros. Havia companheirismo, bem como uma conferência de ministros batistas que se reuniam regularmente.

No entanto, os ministros que mais precisavam do companheirismo nunca vieram.

Normalmente, esses ministros se dividiam em dois grupos: pastores das maiores igrejas (que davam a impressão de que não exigiam comunhão com os outros) e pastores das menores igrejas (que pareciam olhar com desconfiança para os outros ministros com seus diplomas de seminário e congregações maiores).

Quando eu pastoreava as pequenas igrejas, você podia me encontrar nessas reuniões. Eu prosperei no companheirismo. E mais tarde, quando minha igreja era a maior da cidade ou uma das maiores, eu estava lá. Em nenhum momento senti que estava “além de precisar” desse tempo de convivência com esses ministros.

A menos que meu coração estivesse frio para com o Senhor. Houve um ou dois momentos tão tristes que eu resisti à companhia de outros ministros.

O pecado isola. Da mesma forma que mantém os cristãos desviados em casa aos domingos, também tranca os pastores dentro de suas casas ou estudos para que não se encontrem com um irmão em Cristo e sejam curados.

Os pastores precisam da companhia uns dos outros.

Existem momentos no ministério, que a melhor coisa que os pastores precisa é da companhia de outros pastores.

O que eles precisam é encher suas xícaras de café, puxar suas cadeiras em círculo e ter alguém dizendo: “Ok, sobre o que vamos falar hoje?”.

Logo, alguém abrirá seu coração e tirará um fardo que está tentando carregar carregar sozinho.

Certo, pastores. Este é um momento sagrado agora. Ele está confiando em vocês. Prestar atenção. Não se atrapalhe com isso.

Seus diáconos pediram sua renúncia. Sua esposa quer o divórcio. Seu médico disse que parece câncer. Seu filho adolescente foi preso.

Ou talvez seja um estágio mais leve do que isso…

Sua igreja cortou seu salário, ou está se perguntando como pode encontrar um emprego.

Enfim, são apenas exemplos, mas talvez muitos pastores enfrentam esses problemas.

Você precisa dele, e ele precisa de você.

Como o ferro com ferro se aguça, assim o homem afia o rosto do seu amigo. (Provérbios 27:17)

Pastor, não espere que algum líder denominacional organize um retiro ou uma reunião regular de pastores. 

Você tem um telefone? Chame dois ou três pastores e peça-lhes que o encontrem para um café. Certamente você encontrará alguns dos servos escolhidos de Deus para te ouvir.

Sugestões para uma conversa amiga entre pastores

Depois de se estabelecer nessas reuniões informais, aqui estão algumas perguntas para você começar, qualquer uma das quais pode ocupar uma hora…

“O que você pregou no domingo passado?”

“O que você vai pregar no próximo domingo?”

“Que bom livro você leu ultimamente?”

“Você tira um dia de folga? O que você faz nele?”

“Qual é a melhor coisa que você descobriu em seu ministério?”

“Qual é a coisa mais engraçada que já aconteceu com você em um funeral?”

Vocês são irmãos em Cristo e não concorrentes. Eu amo o velho ditado: “Não há competição entre faróis”.

Divirta-se. Você vai precisar disso.

Autor Joe McKeever, adaptado por Biblioteca do Pregador.

Botão Voltar ao topo