O que Detém: Quem é o Personagem em 2 Tessalonicenses 2:6-8 que está Detendo o Anticristo?

“E agora vós sabeis o que o detém, para que a seu próprio tempo…” (2 Tessalonicenses 2:6).

Ao longo de toda a história da Igreja, as pessoas ofereceram várias sugestões para a identidade do personagem descrito em 2 Tessalonicenses 2:6-9. Alguns dos patriarcas da Igreja defendiam que se tratava do Império Romano, ou alguma outra forma de lei ou governo. Outras pessoas pensaram que ele poderia ser a influência limitadora moral da própria Igreja.

Muitos têm defendido que o testemunho dos crentes detém o Anticristo. Alguns veem até mesmo a obra de Satanás como uma forma de limitação ao aparecimento da personalidade maligna conhecida como o “homem do pecado” ou “o filho da perdição” (v.3).

Qual é o texto que fala sobre “o que detém”?

E agora vós sabeis o que o detém, para que a seu próprio tempo seja manifestado. Porque já o mistério da injustiça opera; somente há um que agora resiste até que do meio seja tirado; E então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda.

2 Tessalonicenses 2:6-8

Determinando a Identidade do que detém

Roma

Os sensacionalistas apontam para o fato de que “aquele que detém” deve ser um indivíduo inigualável e divino, capaz de reter a vinda do ser maligno que exercerá grande poder e autoridade sobre as religiões do mundo inteiro (v. 4)· Este ser maligno certamente seria o Anticristo que Paulo descreve em 2 Tessalonicenses 2.3-9.

O Império Romano não se qualificaria para ser o que detém porque ele mesmo foi um terror sobre a terra. Além disso, o Anticristo na verdade governará e controlará o Império Romano revivido, e o usará para estender a sua autoridade rebelde mundialmente. Como John F. Walvoord escreve:

“O período da Tribulação se revela como uma era de governo absoluto em que tudo que é social, religioso e econômico está organizado de modo rígido”, pelo novo poder romano.

A Igreja

Quanto à Igreja, Gerald B. Stanton diz:

A Igreja é, sob determinado aspecto, um organismo imperfeito. Ao se colocar diante de Deus, ela é perfeita, mas, experimentalmente, diante dos homens, nem sempre é irrepreensível, ou seja, nem sempre está distante da repreensão. Semelhante ao governo humano, a Igreja está sendo usada por Deus para obstruir a manifestação total do Maligno nesta era presente, mas aquEle que efetivamente o detém com certeza não é o crente em si, mas o que capacita o crente, o Espírito Santo que habita em cada crente. Longe da presença do precioso Espírito, nem a Igreja nem o governo teriam a habilidade de obstruir o programa e o poder de Satanás.

Analisando a palavra no original

Um exame minucioso de 2 Tessalonicenses 2 ajudará a responder à questão da identidade daquele que detém.

Em 2.6 o texto grego é mais bem traduzido da seguinte forma: “e o que agora [o] controla [ou o detém] vós sabeis, de forma que ele será revelado a seu próprio tempo”.

O versículo 7 diz: “Com efeito, o mistério da iniquidade já opera e aguarda somente que seja afastado aquele que agora o detém” (RA).

A palavra grega pode ter o significado de “deter a ação, manter sob controle, privar a liberdade física, como algemando ou prendendo um criminoso”.

O Significado de aquele que detém

Aquele que detém então está impedindo que o Anticristo se manifeste até o seu tempo determinado, que seria durante ou antes do início da Tribulação.

No versículo 6, to katechon é um particípio do presente neutro, traduzido com o “agora, sabeis o que o detém”. Embora no versículo 7 se usa o particípio do presente masculino, ho katechon, devendo significar “aquele que agora o detém”.

Esta diferença gramatical certamente excluiria a Igreja pelo fato de “igreja” ser uma palavra feminina em grego. Alguns pensam que o gênero neutro no versículo 6 refere-se ao Império Romano, e que o masculino no versículo 7 esteja relacionado ao imperador romano.

Mas este ponto de vista não é plausível. A palavra “espírito” (pneuma) está no gênero neutro, mas quando se refere ao Espírito Santo, o Novo Testamento usa o pronome masculino.

João 14.26 chama o Espírito, a quem o Pai enviará em nome de Jesus, de paraclete (alguém chamado para ficar ao lado, o conselheiro).

Paraclete é um substantivo masculino, mas Espírito é um substantivo neutro. A mudança intencional na gramática enfatiza a personalidade do Espírito Santo.

Não haveria, portanto, nenhum motivo para mudar do neutro para o masculino, a menos que o Espírito se entendesse como uma pessoa.

AS EVIDÊNCIAS DAS ESCRITURAS

O ponto mostrado na passagem de 2 Tessalonicenses 2 parece claro. O homem do pecado, o Anticristo, não pode se manifestar até que se retire este poder que o detém.

Mas, quem é de fato, aquele que detém?

Pela providência divina, e por todas as evidências das Escrituras, o Espírito Santo caracteristicamente detém e resiste contra o pecado. O Espírito atualmente permanece no mundo de um modo especial nesta era, através da Igreja.

A dificuldade em ver aquele que detém como sendo o Espírito Santo é um outro sinal do entendimento inadequado da sua doutrina em geral, e da sua obra em relação aos maiores movimentos providenciais de Deus na história.

O que dizer da frase “até que do meio seja tirado”

Uma objeção a citar o Espírito Santo como “aquele que o detém” está relaciona­da com a frase no final de 2 Tessalonicenses 2.7 “até que do meio seja tirado”.

Muitos alegam que tirar ou remover o Espírito de Deus parece ser uma interpretação incômoda. Mas é isto que a passagem está dizendo? A palavra grega traduzida como “tirado” é genetai, e é um subjuntivo aorista médio de ginomai, um verbo depoente.

Tais verbos aparecem no meio ou na forma passiva, mas ainda se traduzem como ativos, significando que o sujeito (neste caso, aquele que detém) está fazendo a ação.

O verbo depoente não denota a remoção por uma força externa, mas antes por um ato voluntário por parte daquele que detém.

E melhor ler a expressão “Seja tirado do meio”, como “sair do meio”. O Espírito Santo sairá do meio, Ele não será tirado do meio.

Conclusão

Quando o Espírito se afastar, ou sair do meio, “[…] será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca e aniquilará pelo esplendor da sua vinda; a esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais, e prodígios de mentira” (vv. 8-9).

O Anticristo permanecerá ativo durante os sete anos de Tribulação, mas, na segunda vinda de Cristo, ele será morto e lançado no lago de fogo (Ap 19.20).

Conhecido como “a besta” em Apocalipse, o Anticristo, que exigiu que os seus seguidores recebessem “o sinal”, será atormentado noite e dia com aqueles que adoraram a ele e a sua imagem (14.9-11).

Embora provavelmente seja correto dizer que aquele que detém sai de cena no momento do arrebatamento da Igreja, para que “a seu tempo [o Anticristo] seja manifestado” (2 Ts 2.6), o Espírito Santo ainda continuará a obra de levar as pessoas à salvação.

Portanto, enquanto a Igreja estiver aqui, Ele estará ativo, e o seu poder estará operando na vida dos crentes.

Referencias: Enciclopédia de Profecias.

Botão Voltar ao topo