4 Estágios da Paternidade e a Lição do Filho Pródigo

Em um estudo bíblico recente para pais que aborda questões culturais complexas, o pastor e teólogo Ray Ortlund diz: “Algumas crianças encontrarão Jesus da maneira mais difícil. Mas é melhor encontrar Jesus.”

Sim, é melhor encontrar Jesus da maneira mais difícil do que não encontrar, mas o que um pai pode fazer pelo seu filho nesse sentido?

Ter um plano de batalha e um guia de oração ao seu lado é imperativo se você tem um filho que não está andando com o Senhor.

Mas, além de um plano de batalha e um guia de oração, devemos ter a perspectiva correta sobre a paternidade. Quando não o fazemos, isso pode causar estragos em nossos relacionamentos com nossos filhos e destruir nossa paz.

Como pais, precisamos entender qual é nossa responsabilidade, qual é a responsabilidade de nossos filhos e qual é a responsabilidade de Deus. 

Para entender essas responsabilidades, precisamos considerar as quatro etapas da paternidade, pois, como pais, assumimos um papel diferente em cada uma dessas etapas. E prejudicaremos nosso relacionamento com nossos filhos se ficarmos presos no estágio errado.

Estágio 1 da Paternidade: o CUIDADOR.

A primeira fase da paternidade é a infância, e o papel que assumimos como pais nesta fase é o de cuidador

Cuidamos de absolutamente todas as necessidades da vida de nossos filhos. O que eles comem, bebem, vestem, o que eles ouvem, quando eles dormem, onde eles vão e o que eles veem. 

Nossos filhos realmente não podem escolher nada para si nesta fase da vida.

Este estágio é preenchido com cuidados 24 horas por dia, dias estressantes e noites sem dormir, pois, todas as escolhas do nosso filho são feitas por nós. 

Todas as suas necessidades são supridas por nós. Nós somos o cuidador.

Estágio 2 da Paternidade: o POLICIAL.

Em algum lugar por volta da infância e se estendendo até os primeiros anos do ensino fundamental, entramos na segunda fase. Como pais, ainda mantemos o papel de cuidador, mas nosso papel principal muda. Nós nos tornamos o policial. Dizemos aos nossos filhos o que eles podem e não podem fazer.

Ei, não toque no fogão… Não corra para a rua… Não brinque com facas… E não assista a esse programa.

Nesta fase da paternidade, a lista continua sobre todas as coisas que temos que fazer para evitar que nossos filhos se machuquem. 

Passamos grande parte do nosso dia repetindo e aplicando regras, emitindo multas e punições. Porque nós somos o policial.

Estágio 3 da Paternidade: o TREINADOR.

Do meio ao final do ensino fundamental e se estendendo por grande parte do ensino médio, vem a terceira fase. Nossos filhos sabem muito bem as regras neste momento. Ainda temos que aplicá-los, mas agora entramos em uma nova fase no final da adolescência. Nós nos tornamos o treinador.

Nesta fase, não estamos apenas dizendo aos filhos o que eles devem e não devem mais fazer, estamos explicando o porquê. 

Queremos que eles raciocinem sobre uma situação e, eventualmente, treinem a si mesmos, porque não estaremos lá todos os dias pelo resto de suas vidas para ensiná-los. Então queremos que eles cresçam.

Mas até que eles se tornem adeptos do coaching, usamos as coisas que acontecem na vida cotidiana para ensinar aos nossos filhos lições de vida de vital importância, assim como um treinador faria.

Coma seus vegetais porque você precisa desses nutrientes para ser saudável e viver uma vida longa. 

Escove os dentes todos os dias e use fio dental porque se não fizer isso, você pode perder os dentes.

Não faça uma careta para alguém porque seu rosto pode ficar preso assim permanentemente. Ok, então isso não é legítimo, mas minha mãe dizia isso para mim toda vez que eu fazia uma careta. Isso é uma coisa tão mãe a dizer.

Nesta fase, não dizemos apenas aos nossos filhos o que fazer. Nós lhes dizemos o porquê. Pois, eles precisam entender o porquê para se tornarem adultos responsáveis. Então, nós os treinamos.

Estágio 4 da Paternidade: o CONSELHEIRO.

Finalmente, chegando ao final do ensino médio, entramos na última etapa da paternidade. Nós nos tornamos o conselheiro. 

Nesta fase, oferecemos conselhos sobre uma infinidade de questões. Que faculdade… Que carreira… E que amigos e hobbies. 

Mas não podemos mais tomar essas decisões por nossos filhos, e realmente não podemos invadir suas vidas sem ser solicitados e oferecer todo tipo de conselho, pelo menos não sem algumas consequências muito desfavoráveis.

Um conselheiro não vem à sua casa e lhe diz o que fazer. Você vai e pede a ajuda de um conselheiro, você pede o conselho deles. Dessa forma, quando nossos filhos entram nessa fase, oferecemos conselhos quando solicitados.

Obviamente, você passa da fase de treinador para a fase de aconselhamento com alguma sobreposição. Há sobreposição entre todas as fases. Mas você está entrando nesta fase final de ser um conselheiro por volta dos 16 ou 17 anos. (Isso varia de filho para filho)
 
Você pode optar por não financiar um filho na faculdade se ele não estiver fazendo o trabalho. Você pode optar por não financiar ou apoiar escolhas ruins ou destrutivas.

Mas, em última análise, o único conselho que realmente chegará nesta fase da vida é o conselho que é pedido, o conselho que vem através de um relacionamento saudável com respeito mútuo.

Deus não nos controla, e não podemos controlar nossos filhos.

Cada fase da vida além do útero é um passo sucessivo para a autonomia de nossos filhos, começando com o corte do cordão umbilical. Esse primeiro marco após o nascimento é metafórico, além de físico e espiritual. 

Queremos que nossos filhos sejam adultos piedosos em um mundo ímpio, mas não podemos controlar suas escolhas.

Agora, é claro, os filhos podem seguir o caminho errado devido à má educação dos pais. Todos nós já vimos exemplos disso. 

Mas os filhos podem escolher o caminho errado com a paternidade certa. E isso é loucura, mas eu já vi isso mais de uma vez.

Mas também, os filhos podem escolher o caminho certo com pais ruins. 

Porque em algum momento, os filhos podem escolher seu próprio caminho. E temos que deixá-los. E temos que permanecer no papel adequado para qualquer estágio em que estamos.

Com esses estágios em mente, vamos ver o que as Escrituras têm a dizer sobre a criação de um filho rebelde.

O que aprendemos da Bíblia sobre o filho pródigo?

Em Lucas 15, vemos o que parece ser um pai muito piedoso. Na verdade, ele representa o próprio Deus. Ainda assim, o filho decide sair. Ele é um daqueles garotos que só tem que ultrapassar os limites e aprender as coisas da maneira mais difícil.

Observe que o pai não o repreende. Não oferece conselhos não solicitados. Ele reconhece qual é o seu papel nesta fase. Ele não é mais o cuidador, o policial ou o treinador. Mas ele é o conselheiro, e seu filho não está pedindo conselhos.

Em vez disso, o filho pródigo pega sua herança e a desperdiça, e acaba em um chiqueiro. O pai não o segue até lá. O pai não entra no chiqueiro e bate com o dedo na cara dele. Em vez disso, o pai espera, olhando pela janela todos os dias, orando para que seu filho volte para casa.
 
É importante notar que nesta história, não vemos que o pai tenha feito algo errado. Não digo isso para nos absolver como pais de nossas responsabilidades ou de nossos erros. Minha mensagem é sobre o que precisamos fazer como pais para influenciar nossos filhos em direção à piedade.

Mas, em última análise, não podemos escolher a piedade para nossos filhos. Eles devem escolhê-lo por si mesmos. E nesta história da Bíblia, o filho não escolhe a piedade. Não a princípio. Não até que ele esteja em seu estado mais baixo.

Então ele se lembra da bondade e do amor de um pai muito piedoso. E ele volta para casa.

Sejam encorajados, mamães e papais, se seu filho estiver errando. Continue orando. Os pródigos voltam para casa.

O único pai perfeito na Bíblia.

Uma outra história das Escrituras é muito apropriada para nós como pais. Há realmente apenas um pai perfeito mencionado em toda a Bíblia. Esse é o próprio Deus.

Deus criou Adão e Eva e andou com eles no jardim. Ele era o pai deles e os colocou em um ambiente perfeito. Eles tinham o paraíso, tudo o que poderiam desejar e muito mais. Eles tinham inúmeras boas escolhas que poderia fazer todos os dias e apenas uma má escolha.

Ainda assim, eles escolheram aquela a má. Eles escolheram seu próprio caminho. Escolheram seu próprio padrão. Eles rejeitaram o pai perfeito. E o resto das Escrituras, o resto da vida, é uma jornada do filho pródigo voltando para casa.
 
O fato é que somos todos pródigos. Cada um de nós. Alguns ficam mais perto de casa como o irmão mais velho, e podemos até ficar um pouco convencidos sobre isso. Deus nos ajude se o fizermos. E alguns acabam no chiqueiro. Mas somos todos pródigos. Cada um de nós é um filho pródigo.
 
Deus é o pai perfeito e, ainda assim, Seus filhos vagam. Portanto, não desanime se seu filho for um filho pródigo agora ou se tornar um. O melhor remédio para um filho pródigo é um pai piedoso. 

Na esperança. Espera. Espiando pela janela. Orando para que seu filho volte para casa.

Qual é a nossa responsabilidade como pais?

Mamães e papais… não podemos ser Deus para nossos filhos. Não podemos nem escolher Deus para nossos filhos. Nós só podemos apontar nossos filhos para Deus sendo nós mesmos piedosos.

Um artigo chamado “A História do Evangelho” em Christ-Centered Parenting oferece uma perspectiva de mudança de paradigma em nosso trabalho como pais. Diz:

“Os filhos são uma mordomia divina. Eles não são para nós possuirmos, mas para amarmos, guiarmos cuidadosamente e então liberarmos para o cuidado providencial de Deus. Não podemos pressioná-los, intimidá-los ou forçá-los à fé. Nós pais, não com a expectativa de algum resultado prometido, mas por fidelidade a Jesus, deixando o resultado para Ele. A paternidade cristã coloca Deus no centro de nossa paternidade, não nossos próprios esforços e não nossos filhos”.

Não, não podemos controlar nossos filhos. Nós não os possuímos. Não podemos fazê-los escolher a piedade. 

Como pai, você só pode escolher ser um exemplo de piedade para seus filhos. E a piedade, a verdadeira piedade, é contagiosa. É inspiradora. É dar vida.

Podemos influenciar nossos filhos como ninguém com nosso exemplo piedoso. Como podemos fazer isso? Colocando Deus no centro de nossa paternidade. Não algum resultado desejado. Nosso trabalho não é criar filhos piedosos, isso não depende de nós. 

Nosso trabalho é ser pais piedosos. E ser um pai piedoso dará aos nossos filhos a melhor chance que eles podem ter de se tornarem piedosos.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você precisa desativar o Adblock para continuar navegando em nosso site!