O tanque de Betesda curava as pessoas?

O tanque de Betesda é uma daquelas passagens interessantes da Bíblia em que não temos a história completa. 

Há detalhes que nos contam, e há detalhes que só aparecem em alguns manuscritos. Há personagens na história que apenas aparece no pano de fundo.

O que era o tanque de Betesda?

João 5:1-5 explica que o tanque de Betesda ficava perto de um dos portões de Jerusalém, conhecido como portão das ovelhas, e era cercado em cinco lados por colunas cobertas. 

Para nós, essa aparência se pareceria muito com uma piscina pública moderna, uma área de água no centro com estruturas ao redor para fornecer sombra.

Vários arqueólogos sugeriram locais que podem ser os restos do tanque, que podem ter sido anexados a uma barragem ou dois tanques construídos uma ao lado do outro ao longo do tempo. 

Há também um debate sobre se os judeus usavam o tanque para banhos rituais (uma parte importante das leis do Antigo Testamento sobre ficar limpo e evitar “impureza”), ou se era um tanque de cura que os romanos construíram em um de seus templos pagãos. 

Qualquer uma das opções o tornaria um local de cura que as pessoas visitavam com frequência.

Porque o tanque de Betesda curava as pessoas?

Tanques e banhos não eram apenas importantes para a higiene, nas sociedades antigas a água servia para fins medicinais

As águas eram boas

A água fria refrescava as pessoas e as mantinha limpas. Já a água quente pode aliviar as condições da pele, sendo usada em compressas quentes e tratamentos semelhantes. 

A água quente também pode ser bebida para ajudar com problemas internos como a digestão (e é por isso que a medicina alternativa às vezes recomenda beber água quente com várias ervas). 

A água morna não servia a nenhum propósito medicinal claro. É por isso que em Apocalipse 3:15-17, João critica a igreja de Laodicéia por ser “nem fria nem quente”. 

Eu queria que você fosse um ou outro! Então, porque você é morno, nem quente nem frio, estou prestes a cuspir você da minha boca.”

Laodicéia foi construída sobre um rio e tinha banhos públicos, tornando-se um local importante para as necessidades médicas.

Não nos é dito se a água do tanque de Betesda era quente ou fria, mas qualquer uma delas teria feito dela um local de cura. 

Havia uma crença sobre cura

Há também indicações de que havia algo mais nesse tanque do que apenas fornecer água boa. 

Quando Jesus perguntou ao inválido se ele queria ser curado, ele respondeu: “Não tenho ninguém para me ajudar a entrar no tanque quando a água é agitada. Enquanto estou tentando entrar, outro desce antes de mim” (João 5:7). 

Isso implica que às vezes a água do tanque era agitada, e havia uma ideia de que quem entrasse primeiro receberia a cura. 

Alguns traduções de João 5 tem uma linha extra que diz que as pessoas “esperaram pelo movimento das águas. De vez em quando um anjo do Senhor descia e agitava as águas. O primeiro que entrasse no tanque após cada distúrbio seria curado de qualquer doença que tivesse.”

Como esta é uma linha que não aparece em todos ou na maioria das traduções, é difícil dizer o quão precisa ela é. 

Estamos diante de um problema semelhante a João 7:53 – 8:11, que sua tradução da Bíblia provavelmente inclui com uma nota sobre como a história não aparece em muitos dos manuscritos antigos. 

Dito isto, esta linha explicaria o comentário do homem inválido sobre a água se movendo e a primeira pessoa no tanque sendo curada. 

No entanto, se o tanque trouxe ou não cura sobrenatural (semelhante a Naamã sendo curado quando se banhou no Jordão) ou era apenas um local medicinal, parece ter tido a reputação de curar pessoas.

Qual era o significado espiritual do tanque?

Como observado acima, a água era uma parte importante da medicina primitiva e também importante para a lei judaica, que colocava muita ênfase em ser “limpo” versus “impuro”. 

Deuteronômio, Números e Levítico incluem várias instruções sobre como se limpar para se livrar de doenças, remover a contaminação depois de tocar uma carcaça morta ou para as mulheres se limparem após um ciclo menstrual. 

Portanto, mesmo antes do batismo tornar a água um símbolo de renascimento, ela era associada à cura e à proximidade com Deus.

Nesta história em particular, o tanque de Betesda é notável porque forneceu um caminho para a cura, mas é difícil dizer se o homem estava se aproveitando disso. 

Ele é descrito como inválido por 38 anos e, quando Jesus soube disso, perguntou ao homem se ele queria ficar são. 

O homem respondeu que não tinha ninguém para levá-lo até o tanque e outra pessoa entrava primeiro. 

Não temos certeza de quanto o homem poderia se mover, se suas pernas estavam aleijadas, ou se ele poderia mover os braços e rastejar.

Então, é difícil imaginar que ele não poderia ter encontrado alguém para ajudá-lo a chegar ao tanque mais cedo. 

À luz disso, é possível que o homem tenha adotado uma mentalidade negativa. 

Nesse contexto, o tanque de Betesda pode ser visto como uma oportunidade de cura que não foi aproveitada. 

Às vezes o problema é que Deus deu a oportunidade que precisamos, mas não temos plena consciência ou certeza de tirar vantagem disso. 

Pode ser mais tentador aceitar nossa situação como ela é, perdendo o que Deus está providenciando.

3 lições importantes da história do tanque de Betesda

Há muito mais do que podemos dizer sobre a história do tanque da Betesda, mas aqui estão três lições específicas que todos podemos aprender com isso:

1. Considere se você está sendo paciente ou passivo

É interessante que o homem inválido esperou no tanque sem chegar até ele, o que pode significar que ele não estava totalmente comprometido em ser curado. 

Uma das perguntas mais difíceis que todos nós precisamos fazer é se é hora de esperar pacientemente em Deus ou bater nas portas (Lucas 11:9) e ver o que se abre. 

Há tempos e lugares para ambas as atitudes. No entanto, há uma diferença genuína entre esperar por Deus e dar desculpas sobre por que não estamos avançando.

2. Esteja alerta para quando Deus finalmente aparecer. 

Quer Deus responda aos nossos pedidos imediatamente ou mais tarde, temos que estar prontos para ele e responder quando esse momento chegar. 

Como com o homem no tanque, pode vir quando menos esperamos. 

Devemos estar preparados para que Deus responda em seu próprio tempo, em sua própria maneira.

[wwpcapture type=”post-mid”]

3. Lembre-se de que Deus se preocupa com o que é bom, não necessariamente com o que é “adequado”. 

Esta é uma das várias vezes nos Evangelhos onde Jesus curou alguém no sábado, um dia de descanso onde as pessoas não deveriam fazer nada. 

Várias vezes os líderes repreenderam Jesus por fazer isso, ignorando o fato de que ser curado era mais importante do que ser correto. 

Mais tarde, Jesus resolveria o problema do pecado da humanidade morrendo na cruz, um evento muito impróprio que era a última coisa que alguém esperava que fosse útil. 

À medida que seguimos a Deus, precisamos estar cientes de que ele não está tão preocupado com propriedade e “status” quanto nós. 

Ele pode até gostar de fazer o que é um pouco chocante para mostrar onde nossas prioridades precisam estar.

Por G. Connor

Botão Voltar ao topo