3 Lições-Chave que Podemos Aprender com o Pequeno Livro de Obadias

Como muitos dos profetas menores, Obadias é ofuscado pelas obras mais populares de Isaías, Jeremias e Ezequiel. Isso se deve em parte à falta de conhecimento sobre o próprio Obadias. É certo que este Obadias não é a mesma pessoa que foi contemporânea de Elias, como se vê em 1 Reis 18

A erudição data o livro de Obadias logo após a destruição de Jerusalém, bem depois dos dias de Elias. Além disso, nada se sabe sobre esse profeta enigmático.

Somando-se à obscuridade de Obadias está o fato de ser o livro mais curto do Antigo Testamento. Escondido entre Amós e Jonas, é facilmente perdido. 

No entanto, esta pequena e compacta profecia merece ser conhecida. 

Pois, a visão de Obadias fala profundamente sobre muitas questões que os cristãos enfrentam hoje. Suas palavras são provocativamente contemporâneas. 

Veremos à seguir as 3 lições importantes que Obadias nos ensina.

1. Obadias ensina a loucura do orgulho

Obadias fala contra os edomitas, que estavam continuamente em desacordo com Israel. O que começou como uma rivalidade fraterna entre Jacó e Esaú continua entre as nações que eles estabeleceram. 

Durante sua jornada para a Terra Prometida, por exemplo, os edomitas se recusaram a permitir a passagem de Israel por seu território. Edom até ameaçou atacar Israel para que eles não chegassem muito perto de sua fronteira (Números 20:20). 

Então, Israel é obrigado a tomar uma rota alternativa que imediatamente os encontra atacados pelo rei cananeu de Arade. A hostilidade entre essas duas nações cresce a partir de então. 

Saul, Davi e Salomão, todos lideram campanhas militares contra os edomitas.

Obadias profetiza contra Edom após a queda de Jerusalém em 587 AC. Em resposta à destruição de Israel, Edom adota uma atitude de justiça própria. Israel havia caído e Edom permaneceu. 

Como Edom viu, isso significava que Deus favoreceu Edom sobre Israel. Assim, eles se inflaram de orgulho, acreditando ser os favorecidos de Deus. 

Porém, Obadias repreende Edom por esse orgulho espiritual, clamando: Seu coração orgulhoso te enganou, você que mora nas fendas da rocha, cuja morada está nas alturas. 

Obadias declara a certeza do julgamento divino.

O orgulho de Edom os faz acreditar que são irrepreensíveis, sem culpa. Eles se vêem como vindicados diante de Deus. Por causa desse orgulho, eles não estão dispostos a perceber como eles também se afastaram do plano divino de Deus. 

A profecia de Obadias chama Edom a reconhecer sua própria necessidade espiritual. 

Obadias clama:

“Como você fez, será feito a você; as tuas obras recairão sobre a tua cabeça” (1:15). 

Deus não pode negar a própria santidade de Deus. Ao escolher o caminho do orgulho, Edom acabará experimentando as consequências dessa decisão.

O orgulho mascara o pecado, nos torna incapazes de ver o caminho do Senhor. Voltamos nosso olhar para dentro, confiantes e focados em nós mesmos. Quando vivemos assim, vivemos como se o mundo girasse ao nosso redor, para servir aos nossos desejos e caprichos. 

O orgulho sempre produzirá consequências terríveis para nós. 

Como diz Provérbios:

“A soberba precede a ruína, a altivez do espírito precede a queda” (Provérbios 16:18).

 No final, o orgulho destrói nossa vida espiritual.

Isso é particularmente relevante dada a propensão a “cancelar” aqueles com os quais discordamos. A cultura do cancelamento está enraizada no orgulho, pois se baseia na presunção arrogante de que nosso caminho é o caminho divino, uma exaltação do eu.

Às vezes, os cristãos podem estar no lado receptor da cultura do cancelamento. Podemos ser ridicularizados ou repreendidos por nossa fé. 

Contudo, as palavras de Obadias nos oferecem esperança. Quando sentimos as farpas dolorosas dos outros, não precisamos retaliar contra eles, nem lutar mal por mal. Obadias nos lembra que Deus está ciente quando outros zombam ou nos repreendem por nossa fé. 

De fato, Jesus comenta que isso é de se esperar, Jesus é bastante direto:

“Bem-aventurados vocês quando os insultam, os perseguem e dizem falsamente todo tipo de mal contra vocês por minha causa.” (Mateus 5:11)

Em vez de cancelar aqueles que nos cancelam, somos chamados a aderir o caminho do amor, humildade e graça. 

Obadias nos lembra que os caminhos justos de Deus, juntamente com o povo justo de Deus, serão justificados no próprio tempo de Deus.

2. Obadias ensina a loucura da vanglória

Edom não estava apenas orgulhoso de sua fuga do exílio, eles se regozijavam com a morte de Israel. Eles se regozijaram quando Jerusalém foi saqueada por exércitos estrangeiros; aplaudiram quando o Templo foi destruído; eles aplaudiram enquanto as pessoas eram levadas para serem escravizadas na Babilônia. 

Obadias repreende Edom por ter prazer na queda de Israel.  

“Mas tu não devias olhar com prazer para o dia de teu irmão, no dia do seu infortúnio; nem alegrar-te sobre os filhos de Judá, no dia da sua ruína; nem alargar a tua boca, no dia da angústia.” (Obadias 1:12)

Obadias até afirma que Edom ficou na encruzilhada para “entregar seus sobreviventes no dia da angústia” (1:14). 

Edom não ficou apenas sentado assistindo a queda de Jerusalém; eles alegremente participaram da pilhagem! Em vez de ministério, eles ofereceram zombaria, em vez de conforto, expressaram desprezo.

Pode ser fácil racionalizar nossa alegria. É uma boa aposta que Edom justificou sua vanglória sob a retórica da justiça. Afinal, Edom tinha uma longa história de conflito com Israel. Batalhas foram travadas, insultos foram lançados. 

Ambos os lados do conflito olhavam para o outro com desdém e antipatia. Assim, quando Israel foi conquistado, Edom provavelmente sentiu que Israel, finalmente, havia “conseguido o que merecia”. 

Essa ostentação orgulhosa pode ser muito fácil de adotar, pessoalmente e nacionalmente.

Você já se alegrou que alguém “recebeu sua punição”? Você já declarou o infortúnio de alguém como resultado de “o que vai, volta”? 

Tais declarações podem parecer inocentes o suficiente. Eles podem até parecer precisos, no entanto, o que eles representam é uma alegre celebração de desvantagem e mágoa. Regozijar-se com a miséria alheia sugere que Deus se deleita na tragédia.

Quando nos encontramos em um momento de tribulação , pode ser difícil oferecer graça em meio a tais provocações. Obadias deixa claro que vangloriar-se da adversidade do outro é contrário ao caminho de Deus. 

Somos chamados a “abençoar e não amaldiçoar” (Romanos 12:14). 

Como Cristo suportou a vergonha da cruz, também somos chamados a fixar nossos olhos na alegria que está diante de nós (Hb 12:2). 

Deus promete frustrar os fortes e tornar tolos os sábios. Em meio à alegria dos outros, somos chamados a encarnar uma esperança fiel; acreditar com ousadia que, no final, o amor redentor do Senhor reinará e seremos curados.

3. Obadias Ensina o Poder do Reino

Deus reina! Esta é a promessa da Bíblia Sagrada. A profecia de Obadias termina declarando que o reino de Deus não será frustrado. 

“O dia do Senhor está próximo”, diz Obadias (1:15). 

Deus visitará o povo de Deus e executará julgamento sobre o pecado, a morte e todas as forças espirituais que corrompem e destroem a criação de Deus. 

O dia do Senhor será um dia de salvação para todo o povo de Deus. A última frase em Obadias, aquela que serve como o clímax de toda a profecia, é “o reino será do Senhor” (Obadias 1:21). 

Deus estabelecerá Seu próprio reino na terra, um reino onde os feridos serão curados, os perdidos serão perdoados e os deslocados serão trazidos para casa.

Como povo de Cristo, olhamos para esta profecia através das lentes do Novo Testamento. A encarnação de Deus na pessoa de Jesus é o cumprimento desta profecia. O dia do Senhor havia chegado, e o reino de Deus irrompeu neste mundo. Esta foi a mensagem principal de Jesus. 

“Chegou a hora, o reino de Deus está próximo”, exclamou Jesus (Marcos 1:8). 

Da mesma forma, quando as pessoas questionam seu ministério, Jesus diz que “se é pelo Espírito de Deus que eu expulso demônios, então o Reino de Deus veio sobre vocês” (Mateus 12:28). 

Jesus inaugurou o reino de Deus na terra e nos convida a participar dele. Cura, graça e amor estão abertos e disponíveis para todos nós.

Como podemos aplicar essas lições em nossas vidas?

Como pessoas fiéis, é fácil ver a profecia de Obadias como emitida contra aqueles que consideramos nossos inimigos. Lemos as palavras sobre a futura destruição de Edom e as vemos como uma advertência contra aqueles que nos repreendem por nossa fé ou se alegram com nosso infortúnio. 

Afinal, foi exatamente isso que Edom fez.

Devemos viver nossas vidas de forma diferente. Se desejamos viver nossas vidas dentro dos propósitos de Deus para nós, precisamos deixar de lado a arrogância orgulhosa e os modos teimosos e agir com humildade cristã. Devemos repreender com ousadia todas as tentações do orgulho e da vanglória egoísta. 

Toda celebração à custa do infortúnio alheio é errada, fazer isso é nos colocarmos sobre o outro. Está enraizado no egoísmo e egoísmo e não exibe o coração humilde que o povo de Deus deve exibir. 

O apóstolo Paulo escreveu que “o amor não se gloria” (1 Coríntios 13:4). O amor que devemos ter para com os outros está fundamentado em nosso chamado para apoiar uns aos outros em graça, misericórdia e perdão. Não podemos perdoar os outros se nos gabarmos de suas mágoas. Não podemos estender a graça quando estamos muito ocupados sentindo prazer pelo que lhes aconteceu.

Como corpo de Cristo, nossos olhos devem estar fixos no reino de Deus. Jesus nos ensinou a orar para que o reino de Deus venha “na terra como no céu”. 

O local principal em que o reino de Deus é revelado é no contexto de nossas próprias vidas. Viver no reino é manter nossos olhos em Jesus e cultivar uma resposta divina para com os outros. 

Quando amaldiçoados, nós abençoamos, quando insultados, respondemos com paz. Assim vivemos no reino, participamos dele e, melhor ainda, convidamos outros a experimentá-lo. 

Estas são as lições de Obadias, este é o caminho de Jesus.


Autor: Kyle Norman

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo