Por que Jesus diria “Afasta-te de mim, nunca te conheci”?

É popular hoje em dia promover Jesus como gentil e educado, mas Jesus também emitiu repreensões severas e advertências sérias. Sua declaração em Mateus 7:23 é uma das passagens mais assustadoras da Bíblia. Quando Jesus disse: “Afasta-te de mim, nunca te conheci”, ele não estava se referindo aos pagãos, mas àqueles que eram considerados os “tal” teólogos que aderiam à lei judaica. 

O que Jesus quis dizer quando disse: “Eu nunca te conheci” e como essas palavras são significativas para a igreja hoje? 

O que Jesus quis dizer com “Afasta-te de mim, nunca te conheci”?

A palavra “conhecer” em  Mateus 7:23 não é mero conhecimento intelectual, como conhecer um fato. Pelo contrário, é um conhecimento específico sobre um relacionamento. 

A palavra, ginóskó, significa “vir a conhecer, reconhecer ou perceber”. 

Em Mateus 7, Jesus aprofunda esta palavra. Alguns seguidores não perceberam Jesus corretamente e não conheciam seus próprios corações pecaminosos. 

Eles queriam estar com Jesus, mas não estavam dispostos a entregar suas vidas a Ele. Eles não O conheciam no nível espiritual profundo da salvação. E Jesus sabia disso.

Considere o contexto do versículo. Anteriormente, em Mateus 5-7, Jesus pregou um sermão para a multidão curiosa que O cercava. Nós o chamamos de “Sermão da Montanha”. 

Ele começa com as frequentemente citadas declarações “bem-aventurados…” (5:3-12) e então as verdades “luz” e “sal” (5:13-16). 

Ao longo do restante do capítulo 5 e na primeira parte do capítulo 7, Jesus explicou por que Ele veio e compartilhou alguns princípios que desafiavam o pensamento da multidão sobre a vida do Reino. Suas palavras, sem dúvida, deixaram muitos desconfortáveis.

Quando as pessoas consideram seu destino eterno, muitos não querem pensar em julgamento ou inferno. Mas Deus não cega as pessoas. Ele dá muitas advertências sobre confiar em qualquer coisa que não seja Seu plano para nos redimir do pecado. 

Vemos isso no capítulo 7, versículos 15-20, onde Jesus adverte sobre os falsos profetas. Suas obras e palavras impressionantes não estavam enraizadas na verdadeira piedade porque eles realmente não conheciam a Deus. 

Para ilustrar, Ele comparou dois tipos de árvores: as que dão bons frutos e as que dão maus frutos. No versículo 20, Jesus disse: “Assim, pelos seus frutos os reconhecereis”. Esse é o contexto dos versículos 21-23. 

Algumas pessoas parecem dar bons frutos, mas um olhar mais atento revela que o fruto é ruim porque vem de uma árvore ruim. Deus vê além do “fruto” externo para a realidade de nossas “raízes” – o que aconteceu em nosso coração.

Assim como no versículo 19 onde as árvores que não dão bons frutos são “cortadas e lançadas ao fogo”, no versículo 23 Jesus diz: “Afastem-se de mim, malfeitores!” 

Outras versões da Bíblia dizem: “afaste -se de mim”. Jesus se referiu a um grupo específico de pessoas que Ele “nunca conheceu” de forma relacional, pessoas que não entrariam em Seu reino.

Quem são as pessoas que Jesus não conhece?

Jesus definiu aqueles que Ele conhecia verdadeiros membros da família da fé como aqueles que entendiam e faziam a vontade de Deus. 

Por outro lado, Ele não conhecia, relacionalmente, pessoas que se recusam a obedecer à vontade de Deus. 

Jesus criticou os fariseus e escribas judeus por sua hipocrisia e perversão da Palavra de Deus. Ele condenou seus modos mais santos. 

Ao falar sobre eles quando se dirigiu à multidão reunida, Suas palavras provavelmente tocaram muitos corações, fazendo-os se perguntar: “Eu também sou um hipócrita?” 

Jesus não tinha nada em comum com esses líderes judeus. Eles não conseguiam entender Suas palavras ou maneiras. Enquanto o fariseu agradece santamente a Deus por ser melhor do que as outras pessoas, o verdadeiro buscador de Deus se arrepende e clama: “Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador” (Lucas 18:9-14).

Deus, por meio de Isaías, descreveu os hipócritas desta maneira: “O Senhor diz: Este povo se aproxima de mim com a boca e me honra com os lábios, mas seu coração está longe de mim. Sua adoração a mim é baseada em regras meramente humanas que foram ensinadas” (Isaías 29:13).

Em Sua onisciência, Jesus sabia que os corações dos hipócritas eram cheios de pecado. É importante entender que Jesus não estava dizendo “afaste-se de mim” para romper um relacionamento estabelecido, mas pecaminoso. 

Jesus não tinha nenhum relacionamento com os falsos seguidores. Eles não conheciam o Senhor de maneira íntima e salvadora. 

A palavra para “nunca” em Mateus 7:23 é oudepote, uma palavra forte que significa “nunca, nem mesmo nunca”. 

Algum dia, Jesus dirá a muitos crentes professos: “Eu nunca, nunca te conheci”, porque eles nunca tiveram fé verdadeira.

O que significa para Deus nos conhecer?

Mais crucial do que conhecermos a Deus é a certeza de que Ele nos conhece! Em Mateus 7:21, Jesus disse:

“Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no reino dos céus, mas somente aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus”. 

O versículo 22 continua dizendo que as pessoas podem até mesmo profetizar em nome de Jesus, expulsar demônios ou realizar “muitos milagres”, mas isso não significa que Deus, seu Criador, os conheça relacionalmente. 

Vemos essa mesma dinâmica em Lucas 13:25-27. Jesus contou uma história sobre pessoas que estão do lado de fora da porta de um dono de casa, batendo e implorando para entrar – alegando conhecê-lo – mas o dono da casa diz: “Eu não conheço você nem de onde você vem. Longe de mim, todos vocês malfeitores!” 

Uma pessoa pode afirmar verbalmente seguir a Jesus, pode mostrar grande discernimento teológico, ou até mesmo demonstrar alguns elementos de “sucesso” enquanto serve na igreja, mas somente aqueles que fazem a vontade do Pai e são conhecidos por Ele que viverão para sempre com Ele na eternidade.

O que Jesus quis dizer com a frase “faz a vontade de Meu Pai”? 

Ele respondeu isso em outras passagens: A vontade do Pai é que creiamos em Jesus que Ele enviou e que coloquemos nossa fé no que Jesus realizou por nós na cruz. 

Fazer a vontade de Deus não é meramente conformidade externa com regras e regulamentos. É interno, uma questão do relacionamento do nosso coração com Ele. 

Da perspectiva de Deus, é o coração que determina nosso destino, não a aparência ou obras. “É o coração que Deus vê”. 

“É o coração que precisa estar certo para que o lado de fora possa estar certo.” Boas obras são importantes, mas devem fluir de um relacionamento de fé genuíno. 

As boas obras justas vêm depois da salvação, não antes (Efésios 2:8-9). 

Quando conhecemos a Deus por meio de um relacionamento salvífico em Cristo, o Espírito Santo passa a residir em nós e nos capacita a fazer as obras maravilhosas que Deus preparou para nós. 

Essas boas obras que fazemos após a salvação são uma prova de nossa fé – nossa justificação em Cristo.

Deus conhece aqueles que Ele chamou e adotou em Sua família, aqueles que estão “em Cristo” (Efésios 1:3-14). 

Ser “conhecido por Deus” é crucial e essencial (Gálatas 4:9). Quando amamos a Deus, queremos obedecê-lo de coração. E 1 Coríntios 8:3 diz: “quem ama a Deus é conhecido por Deus”. Jesus, o Bom Pastor, conhece Suas ovelhas, e Deus Pai gentilmente cuida de Seu próprio rebanho (Isaías 40:11). 

Jesus nos lembra que somos conhecidos ou reconhecidos por nosso “fruto”. Enquanto aqueles que Jesus conhece como Seus produzirão frutos espirituais, aqueles que são falsos crentes, em última análise, só podem produzir as obras, ou frutos, da carne (Gálatas 5:19-24).

Qual é o Significado desta Escritura para a Salvação?

Queremos ter cuidado para não abalar a fé dos “cristãos bebês” ou daqueles que precisam amadurecer e se tornar mais semelhantes a Cristo, mas é importante que todos os crentes saibam onde estão em relação à salvação. 

Alguns podem estar apenas falando da boca para fora para serem cristãos, ou são os chamados cristãos culturais. Greg Morse escreveu: “Qualquer perda é pior do que permanecer perdido acreditando que você foi encontrado?” 

Morse diz que ele era como tantos “ouvintes de sermões, leitores da Bíblia e frequentadores de sinagogas” dos dias de Jesus – “viajando para o inferno em roupas de igreja”. Mas Jesus, escreveu Morse, mostrou a insuficiência do intelectualismo, a inadequação do mero emocionalismo e a fantasia do mero ativismo.

Há sinais espirituais de vida que podem ajudar as pessoas a saber se estão na família da fé. Em alguns casos, os crentes podem ter se tornado negligentes nas disciplinas espirituais e precisam ser lembrados por que a salvação em Cristo é necessária; e talvez eles precisem crescer no caráter cristão (2 Pedro 1:3-10). 

Mas outros testemunham sua súbita percepção de que estavam confiando em suas próprias obras ou “bondade” pessoal para a salvação, mesmo enquanto serviam a Deus. Enquanto eles faziam uma profissão de fé, eles entenderam que não estavam de posse  da salvação genuína. Para alguns, Mateus 7:21-23 foi parte desse despertar para sua religião de “falsa bobagem”.

Em “Como processar a passagem mais assustadora da Bíblia”, Justin Dillehay escreveu: “É assustador pensar em ir para o inferno. É ainda mais assustador descobrir tarde demais que você vai para o inferno quando pensou que iria para o céu. 

E ainda mais assustador pensar que não apenas alguns, mas ‘muitos’ terão essa experiência.” Deus não quer que vivamos com medo de quando estaremos diante dele. Ele quer que saibamos — que tenhamos certeza — de nosso relacionamento com Ele. 

Deus é amor e Ele não quer que ninguém “pereça” (2 Pedro 3:9)—mas Satanás com certeza quer! Desde o Jardim do Éden, o diabo tem tentado iludir as pessoas para que rejeitem a Palavra de Deus (Gênesis 3:1-6; João 8:44; 2 Coríntios 4:4). 

O evangelista Leonard Ravenhill escreveu: “Um dos maiores triunfos de Satanás foi seu magnífico sucesso em fazer as pessoas acreditarem que podem ser salvas do inferno sem serem salvas de seus pecados e de si mesmas”.

Aqueles que rejeitam o propósito soberano de Deus para suas vidas na salvação enfrentarão Seu julgamento; porque eles amam e escolhem as trevas ao invés da Luz da Palavra. Deus conhece cada um de nós em nosso âmago, e algum dia daremos contas a Ele (Hebreus 4:13; Jeremias 17:10). 

Muitos que se apresentarem diante do Justo Juiz naquele dia clamarão para se justificarem com base em suas próprias obras, mas não terão fé na única obra que conta para a eternidade – a obra de Cristo na cruz – e serão “excluídos da presença do Senhor” para sempre. 

Eles não desfrutarão das bênçãos do reino de Deus porque praticam a “falsidade” fingindo ter fé em Cristo.

Na parábola que Jesus contou em Lucas 13:25, os batedores de porta urgentes pensaram que tinham o direito de entrar, mas foram rejeitados. 

Muitos hoje ignoram o caminho da salvação porque, no fundo de seus corações, não acreditam que precisavam de um Salvador. Eles também serão rejeitados porque não entraram na “porta estreita” da fé. 

A advertência de Jesus é clara. É tarde demais para mudar de ideia quando a porta está fechada. Agora é o dia da salvação. Agora é a hora de ir além de perguntar: “Conheço Jesus?” para “Jesus me conhece?”


Autor Dawn Wilson.

Botão Voltar ao topo