Qual era o propósito espiritual do éfode na Bíblia?

Éfode é uma palavra que normalmente você quase não vê hoje. E ainda assim tem um grande peso na Bíblia quando se trata de cerimônia e honra. 

O rei Davi usava um éfode de linho quando dançou diante do Senhor ao levarem a arca de Deus da casa de Obede-Edom para a Cidade de Davi. 

O irmão de Moisés, Arão, vestiu o éfode e outras vestimentas sacerdotais como sua roupa formal no tabernáculo sagrado, que era o santuário portátil usado pelos israelitas para adorar o Senhor durante seus anos no deserto. O profeta Samuel também usava um éfode durante seu serviço a Deus.

Mas o que é um éfode, exatamente? É uma peça de roupa ou uma joia? E por que foi importante? Aqui, exploramos o significado bíblico e o significado espiritual do éfode.

O que o Éfode significava no Antigo Testamento?

Há dois significados básicos para a palavra éfode. A compreensão mais conhecida disso, a de uma roupa ou item para se usar, aparecem em Êxodo e Levítico. Ali Deus descreve para Moisés exatamente quais preparativos Arão deve tomar para seu serviço sacerdotal, incluindo como se lavar e o que fazer. 

Nessa passagem, o éfode está incluído entre uma litania de roupas sagradas que Arão deve usar. Os outros itens são um peitoral, manto, túnica tecida, turbante e cinto (Êxodo 28:4). Grande detalhe entra na descrição do Senhor do éfode. 

Como Ele especifica, o éfode deve ser feito “de ouro, e de fios de azul, púrpura e carmesim, e de linho finamente torcido, obra de mãos habilidosas. Deve ter duas ombreiras presas a dois de seus cantos, para que possa ser presa. Seu cós, habilmente tecido, será semelhante a ele, de uma só peça com o éfode e feito de ouro, e de fios de azul, púrpura e escarlate, e de linho finamente torcido” (Êxodo 28:6-8 NVI).

Além disso, duas pedras de ônix devem ser montadas em ouro e presas nas ombreiras do éfode. Essas pedras devem ser gravadas com os nomes das 12 tribos de Israel, com seis nomes em uma e seis na outra, e duas correntes de ouro trançadas devem conectar as pedras (v. 9-14).

O éfode era de grande importância. 

Foi alistada a primeira dessas vestimentas sacerdotais, e o peitoral deveria ser feito de acordo com o éfode, bem como amarrado a ele com cordão azul. 

A confecção dessas vestes sacerdotais, juntamente com outros preparativos para os detalhes elaborados do tabernáculo do Senhor, ocupa vários capítulos de Êxodo. Primeiro as descrições de como devem ser feitas, depois a descrição da confecção em si. Em Êxodo 39, lemos como os israelitas foram obedientes nisso e criaram o éfode exatamente como Deus ordenou.

Pouco depois, em Levítico 8, lemos como Moisés então adornou Arão com as vestes sacerdotais, prendendo-as todas sobre ele. Assim, Arão e seus filhos foram ordenados sacerdotes de Deus de acordo com todos os mandamentos de Deus. Mas o éfode não é mencionado apenas em Êxodo e Levítico. 

Anos depois, o profeta Samuel, que tanto agradou a Deus, especialmente em comparação com os filhos do profeta Eli, é descrito vestindo um “éfode de linho” enquanto servia ao Senhor quando menino (1 Sm 2:18). 

Também vemos o rei Davi vestindo um éfode de linho em 2 Samuel 6:14 e 1 Crônicas 15:27 enquanto ele e outros carregavam a arca da aliança para Jerusalém.

O outro significado de “éfode” é um pouco semelhante, descrito menos como uma vestimenta, mas mais como um item de significado cerimonial e sagrado, muito parecido com um ídolo ou outro item especial a ser usado, mas não necessariamente um item de vestuário. 

Este éfode pode ter sido usado ou colocado sobre um altar. Por exemplo, em Juízes 8:25-27, os israelitas jogaram anéis de ouro em uma pilha, que foram então derretidos e transformados em um éfode que Gideão colocou em sua cidade, onde era adorado pelo povo.

Qual era o propósito espiritual do éfode?

Sabemos que o éfode era uma ferramenta de cerimônia, um item especial, ornamentado e artesanal com grande significado. Muito esforço foi feito para fazer o éfode, e foi trabalhado com elegância. Ele carregava muito peso simbólico. 

As pedras de ônix deveriam ser pedras memoriais. Êxodo 28:12 nos diz que representava os 12 filhos de Jacó.

Um memorial

Além de ser um item sagrado, o éfode é um símbolo do povo, assim como de seus pecados. Deus diz a Moisés que as duas pedras sobre o éfode são, de fato, “pedras de memória para os filhos de Israel” e que “Arão deve levar os nomes em seus ombros como um memorial diante do Senhor” (Êxodo 28:12). 

Eles fazem parte do ritual que as pessoas devem fazer para se comunicar com Deus, tanto para adorar a Deus quanto para expiar seus pecados.

Esses filhos, Rúben, Simeão, Levi, Judá, Dã, Naftali, Gad, Aser, Issacar, Zebulom, José e Benjamim, tornaram-se os chefes de seus grupos familiares, compreendendo o povo de Deus, Israel. 

Estas são as mesmas pessoas que Moisés conduziu do Egito para a Terra Prometida. Mas as pessoas se desviaram, como a Bíblia nos diz. Então Deus, falando através de Moisés, deu instruções ao povo sobre como eles deveriam viver. 

Lembra a santidade de Deus

No Monte Sinai, Deus ordenou a Moisés que dissesse ao povo: “Agora, se você me obedecer plenamente e guardar a minha aliança, de todas as nações você será minha propriedade preciosa. Embora toda a terra seja minha, vós sereis para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa” (Êxodo 19:5-6a).

Deus também disse a Moisés para que o povo não tentasse se aproximar do Senhor. Pois eles não eram santos ou capazes o suficiente para estar em Sua presença. Ele disse a Moisés: “Desça e avise o povo para que não force a passagem para ver o Senhor e muitos deles perecerão. Até os sacerdotes, que se aproximam do Senhor, devem consagrar-se, ou o Senhor os atacará” (Êxodo 19:21-22). 

Deus então deu a Moisés os Dez Mandamentos e outras leis. Mas quando Moisés ficou muito tempo com Deus no monte, 40 dias e noites, o povo se afastou do Senhor e adorou outros deuses (Êxodo 32). Deus ficou furioso com sua desobediência e infidelidade e planejou destruir os israelitas. Mas Moisés implorou a Deus que perdoasse o povo, e Deus cedeu. Ele fez uma aliança com Moisés, prometendo que ainda estaria com o povo, apesar de seus erros, desde que obedecessem a Deus (Êxodo 34:10-11).

Portanto, as pessoas sabiam que não eram apenas obrigadas pelo dever, mas também sob a ameaça de aniquilação pelo próprio Deus, a seguir os mandamentos. 

Eles tentaram seguir tudo o que Deus ordenou, desde Suas regras sobre como fazer um sacrifício adequadamente e como construir o tabernáculo, até quem entra na tenda e como eles devem se preparar cerimonialmente para esse trabalho. 

O éfode era uma dessas instruções, tão significativa quanto as demais. 

Somente o sacerdote especial poderia usar o éfode. Era parte integrante de estar cerimonialmente pronto para servir a Deus. 

Sem o éfode ou o peitoral, a túnica ou a faixa, o sacerdote era impróprio para servir. Ele não estava preparado, não estava suficientemente “limpo” e “santo” para fazer a obra do Senhor. O éfode o capacitou a fazer seu trabalho e a ouvir Deus corretamente.

Como Moisés explicou a Arão, eles precisavam seguir essas instruções perfeitamente ou enfrentariam consequências, incluindo a morte. “O que foi feito hoje foi ordenado pelo Senhor para fazer expiação por vocês. Você deve ficar na entrada da tenda da reunião dia e noite por sete dias e fazer o que o Senhor mandar, para que você não morra; pois assim me foi ordenado” (Levítico 8:34-35). 

Como Deus falou através do éfode ao seu povo?

Antes de Jesus, a maioria das pessoas não falava simplesmente com Deus sobre Sua vontade, seja por medo de não serem suficientemente santos e incorrer em Sua ira ou porque Deus normalmente só falava por meio de Seus profetas. 

Então, quando eles queriam saber a vontade de Deus, eles consultavam um sacerdote ou profeta, que então falaria com Deus em seu nome. Aqueles que falavam com Deus usavam itens sagrados, como o éfode, para ajudá-los a se comunicar com o Senhor.

Por exemplo, em 1 Samuel 23, quando Davi ouviu que Saul estava tramando contra ele, ele foi até o sacerdote Abiatar e pediu-lhe que “tragasse o éfode” (v. 9). Então Davi pediu orientação a Deus, e Deus lhe disse o que fazer. Mais tarde, aconteceu a mesma coisa. Davi precisava de orientação de Deus, então ele pediu a Abiatar novamente para lhe trazer o éfode (1 Sm 30:7). Davi então perguntou a Deus, e Deus lhe disse o que fazer. 

Muito mais tarde, a Bíblia nos diz que Deus permitiu a destruição de Israel por causa de sua grande e contínua desobediência. 

Como Deus disse através de Seu profeta Oséias: “Os israelitas viverão muitos dias sem rei ou príncipe, sem sacrifício ou pedras sagradas, sem éfode ou deuses domésticos” (Oséias 3:4). Eles ficariam sozinhos, isolados, sem ajuda, sem Deus ou uma maneira de se comunicar com Ele.

Precisamos de um éfode para falar com Deus hoje?

Não precisamos de um éfode para falar com Deus hoje, assim como não precisamos mais sacrificar cordeiros no altar para expiar nossos pecados. Deus enviou Seu Filho, Jesus, para ser nosso Salvador e “o caminho, a verdade e a vida” (João 14:6). 

Jesus removeu a barreira entre nós e Deus. Não temos que temer a ira de Deus quando nos aproximamos Dele ou pensamos que Ele não pode nos ouvir. Hebreus 4:16 nos diz que podemos “chegar ao trono da graça de Deus com confiança, para que possamos receber misericórdia e achar graça para nos ajudar em nosso tempo de necessidade ”. 

E como nos é dito em 1 João 5:14: “Esta é a confiança que temos em nos aproximar de Deus: que se pedirmos alguma coisa de acordo com a sua vontade, ele nos ouve.

Jesus é nosso “sumo sacerdote”, nosso Redentor, e Ele é tudo o que precisamos.


Autora Jessica Brodie, adaptado por Biblioteca do Pregador.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.
Botão Voltar ao topo