Dízimo: Quatro Princípios excelentes para contribuir

Dízimo – uma palavra, um pensamento, algo tão insignificante – na minha opinião – tanto que o evitei por anos. E agora, entendo por que eu não acreditava ou pensava nisso. 

Contudo, aprender mais sobre como Deus me criou, abriu uma visão sobre essa área de contribuição. 

Afinal, tenho vergonha de dizer que não tive um coração generoso. Contribuir foi difícil para mim. Até mesmo contribuir para o Natal solidário, foi difícil.

No entanto, não conseguia identificar aonde estava o problema.

Li, portanto a história bíblica de Caim e Abel, que deram ofertas ao Senhor, e como um foi aceito e o outro não. Mas, na verdade, não entendi porque um foi aceito e o outro não.

Foi quando me deparei pela primeira vez, com o ensinamento do Pastor Robert Morris, sobre o dízimo; à partir daí, tudo começou fazer sentido para mim. 

Vejamos então, quatro princípios do dízimo para contribuir com alegria.

1. Primícias

Em hebraico, a palavra dízimo significa décimo. Um dízimo é dez por cento de sua renda dada à sua igreja local. O pastor Morris ensina que a compreensão do dízimo começa, com a compreensão do princípio do primogênito, que pode ser encontrado em toda a Bíblia.  

Robert Morris, diz que a primeira porção que gastamos deve ser o dízimo. Essa é a primícia. E de acordo com Êxodo 13, a primeira porção, é a porção redentora. 

Por isso é tão importante que nosso dízimo seja nossa primícia. A primeira parte tem o poder de redimir o resto, e eu prometo a você que 90% redimidos podem ir muito mais longe do que 100% amaldiçoados.

“As primícias dos primeiros frutos da tua terra trarás à casa do SENHOR teu Deus”. (Êxodo 23:19)

“Também todas as dízimas do campo, da semente do campo, do fruto das árvores, são do SENHOR; santas são ao SENHOR”. (Levítico 27:30)

“Honra ao SENHOR com os teus bens, e com a primeira parte de todos os teus ganhos”. (Provérbios 3:9)

2. Fé

Esse é um dos princípios fundamentais do dízimo, a Fé, é preciso muita fé, isto é, confiança completa de que Deus proverá todas as minhas necessidades, para assim devolver o dízimo antes de pagar todas as contas mensais. Contudo, fico me perguntanto, como Deus vai suprir minhas necessidades. 

Robert Morris pergunta: “É realmente um ato de fé dar 10 por cento depois que todas as suas outras contas são pagas? O que isso diz sobre nossas prioridades quando voluntariamente pagamos a todos os outros primeiro e depois vemos se sobra o suficiente para dar a Deus Sua porção?”

Assim, nos lembramos do que o Apóstolo Paulo, nos diz:

“Porque vivemos pela fé, não pela vista”. (2 Coríntios 5:7)

3. Administrador/Gerente vs. Proprietário

Mudar minha mentalidade de proprietário para gerente me deu uma nova perspectiva sobre o dízimo. Isso afrouxou meu controle sobre as “minhas” coisas. 

Quando libero o controle e a propriedade, posso dar mais livremente. Isso me lembra de confiar em Deus para atender às minhas necessidades. 

Robert Morris declara: “Deus nos dá a responsabilidade de mordomia sobre nossas vidas. Embora tudo pertença a Ele, Ele nos dá ricamente todas as coisas para desfrutar (1 Timóteo 6:17). 

Mas Deus, nos pediu para não tocarmos nas primícias, porque são Suas. Demonstramos uma mordomia fiel e mostramos a Deus que percebemos que somos mordomos, não proprietários, quando Lhe devolvemos o dízimo.”

4. Contribuir com amor

Deus está olhando para os motivos do meu coração quando eu devolvo o dízimo. Eu tenho que lembrar que Deus não precisa do dinheiro que eu ganho, e que ele, portanto não criou por causa dele. 

Deus criou a contribuição para meu benefício, para que eu pudesse experimentar a bênção de ser um contribuinte. 

De acordo com Robert Morris, contribuir, é mais do que qualquer outra atividade que um crente pode fazer, elimina o egoísmo e a ganância de nossas vidas. 

Ele ainda nos lembra que: “Precisamos estar cientes de que nossas atitudes em relação às posses têm uma poderosa capacidade de expor a verdadeira natureza de nossos corações. 

Seja gratidão ou ganância, dinheiro e coisas materiais trarão isso à tona.”

Afinal, os contribuintes geralmente são pessoas sorridentes e felizes. A generosidade muda quem nós somos.

“Pois onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração.” (Mateus 6:21)

“Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria”. (2 Coríntios 9:7)

O dízimo, representa o teste final do amor para os cristãos, a respeito de como lidamos com o dinheiro que ganhamos.

Em toda a Bíblia, o número dez representa a perfeição na ordem divina e plenitude humana

Pode ser visto nas dez pragas, o número de vezes que Deus testou o coração de Faraó, nos dez mandamentos, o número de vezes que nossa obediência é testada, em Daniel e seus três amigos, o número de dias em que foram testados em relação ao comida que comiam, e muitos outros exemplos em toda a Bíblia. 

Uma disciplina espiritual

“Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes.” (Malaquias 3:10)

As disciplinas espirituais são destinadas a nos ajudar a crescer espiritualmente e aprofundar nosso relacionamento com Deus. 

O dízimo é uma disciplina espiritual na vida dos cristãos que nos ajuda a ter um espírito grato e generoso. 

Contudo, essa prática, trata-se de colocar Deus em primeiro lugar em nossas vidas e devolver a Deus o que é dele.

Oração

Pai, obrigado por todas as bênçãos em minha vida. Concede-me a fé que preciso para lhe devolver as primícias das minhas finanças, e assim colocá-lo em primeiro lugar em todas as áreas da minha vida. Ajude-me a ter uma atitude de amor e generosidade, que eu possa me lembrar do meu papel como gerente de seus recursos e não tenha a mentalidade de um proprietário. Eu oro para que o Senhor abençoe minhas finanças ao separar seu dízimo. Em nome de Jesus,  amém”.

Autora: Renee Bethel

Botão Voltar ao topo