O que significa “confessar seus pecados uns aos outros” em Tiago 5?

Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz.” Tiago 5:16.

O milagre da salvação é que Deus nos envolve em Seu plano eterno. A única maneira de nos tornarmos justos é por meio de Cristo Jesus. Deixamos de lado as buscas do mundo e, em vez disso, o seguimos para a eternidade. 

O caminho do discipulado ao longo da vida não é fácil, como muitos personagens bíblicos registraram em sua busca pela santidade nesta terra. Todos os dias enfrentamos nossa humanidade, que existe sob a maldição do pecado. 

Por nossa conta própria não podemos. E, então Jesus abriu um caminho para nós, através Dele, confessarmos nossos pecados e ficarmos na presença de nosso Santo Deus. Confessar nossos pecados leva à cura e restauração, ambos os atributos valem a pena buscar.

O que Tiago quer dizer com “confesse seus pecados uns aos outros”?

E eu vos digo que todo aquele que me confessar diante de mim, também o Filho do homem o reconhecerá diante dos anjos de Deus, mas aquele que me negar diante dos homens será negado diante dos anjos de Deus.” Lucas 12:8-9

A confissão, de acordo com o Dicionário Bíblico de Easton, é como “um reconhecimento dos pecados a Deus e a um próximo a quem ofendemos”. 

A confissão é um processo diário. 

Passamos a fazer parte da família de Deus quando recebemos gratuitamente o dom da salvação. Deus nos colocou propositalmente em famílias e comunidades porque Ele sabe que não é bom ficarmos sozinhos. 

Há pecados que só levaremos diretamente ao Pai, mas quando pecamos uns contra os outros, também devemos confessar uns aos outros. O perdão é importante para Deus! Fomos perdoados e, portanto, devemos prestar o mesmo perdão uns aos outros.

Todos nós já testemunhamos histórias de pessoas que guardaram segredos por anos, às vezes vidas inteiras. Em alguns casos, podemos enterrar psicologicamente as coisas com tanto sucesso que esquecemos que elas aconteceram. 

O processo de lembrar, de chegar à origem de uma ferida para curá-la, é um processo saudável, mas que exige grande sabedoria e cuidado, tanto espiritual quanto psicologicamente. Pastores e conselheiros são dotados por Deus para ajudar a introduzir essas curas em nossas vidas. 

No entanto, devemos ser muito cuidadosos em cujo colo colocamos nossos fardos. Em oração, precisamos considerar quem Deus colocou em nossas vidas para suportá-los com facilidade, para que não se tornem seus fardos também.

Nossa fé em Cristo cresce à medida que encontramos pessoas para nos responsabilizar e nos aconselhar através das fortalezas do pecado. 

Mateus escreveu: “Se seu irmão pecar contra você, vá e repreenda-lhe a culpa, só entre você e ele. Se ele te ouvir, você ganhou seu irmão ”(Mt 18:15)

A maturidade em Cristo nos dá a força para ser honestos sobre o pecado e nos dá a perspectiva adequada para saber o que é apropriado confessar a outra pessoa. Em tudo o que fazemos, devemos trazer glória a Deus.

A oração é poderosa. 

O homem justo aqui referido é aquele cujos pecados foram confessados ​​e perdoados. Sua oração é plenamente capaz de garantir resultados, como a cura de enfermos. 

Não há dúvida de que Deus ouve nossas orações e as responde! O relacionamento íntimo que temos com Deus como seguidores de Cristo significa que Ele conhece todo o escopo e condição de nossos corações e, portanto, a raiz de nossas orações. Seu coração é movido pelas orações dos justos.

Como devemos confessar nossos pecados uns aos outros?

Irmãos, se alguém for pego em alguma transgressão, vocês, que são espirituais, devem restaurá-lo com espírito de mansidão. Fique de olho em si mesmo, para que você também não seja tentado.” Gálatas 6:1

Quando minha filha mais velha corrige a irmã mais nova, lembro que ela já tem mãe. Devemos ter o cuidado de guiar uns aos outros aos pés de Deus quando vemos pecado em outra pessoa. Cristo nos advertiu a tirar a trave do nosso próprio olho antes de olharmos criticamente para a vida de outra pessoa. E como Paulo nos lembrou, todos nós estamos destituídos da glória de Deus (Rm 3:23).

Quando vivemos nossas vidas em busca de Cristo, Deus nos coloca propositalmente na vida daqueles ao nosso redor. Você não precisa confessar seus pecados uns aos outros necessariamente em público, mas aqui parece uma parte do processo de restauração envolvendo os anciãos.

Aconselhar outro seguidor de Cristo sobre o pecado em sua vida pode ser extremamente útil, salvando-o das consequências disso. 

No entanto, as Escrituras nos advertem a fazê-lo em amor, sem derrubar uns aos outros ou nos elevar uns sobre os outros. Já temos um Pai no céu que detém toda autoridade sobre nossas vidas. Ele conhece cada coração humano e as lutas do pecado que espreitam lá para causar estragos.

Confessar nossos pecados uns aos outros deve acontecer de maneira amorosa e empática, porque todos nós lutamos contra o pecado. Estamos juntos nisto. 

Existem alguns pecados, privados ou não, que não beneficiariam o corpo de Cristo ou um pequeno grupo de comunhão para nós expormos ou darmos voz. Portanto, há uma necessidade de sabedoria, discrição, e julgamento nesses casos. 

Quando em dúvida, seguimos Jesus, que embora plenamente Deus viveu uma vida plenamente humana na terra. Ele se solidariza conosco. Podemos levar outros a confessar e se arrepender como Jesus fez quando operamos em Sua força e graça. 

Jesus veio para nos libertar da culpa, vergonha e condenação, então não devemos amontoar esses fardos pesados ​​uns sobre os outros.

Somos obrigados a confessar o pecado às autoridades da Igreja?

“E Arão porá ambas as mãos sobre a cabeça do bode vivo, e sobre ele confessará todas as iniquidades dos filhos de Israel, e todas as suas transgressões, todos os seus pecados. E ele os porá sobre a cabeça do bode e o enviará para o deserto pela mão de um homem que estiver pronto”. Lv 16:21

Jesus veio para cumprir a lei de Deus. Existem muitas legalidades do Antigo Testamento, como o sacrifício de animais, que não são mais necessários por causa do sacrifício perfeito de Jesus na cruz de uma vez por todas. 

Muitas vezes é sábio buscar o conselho dos líderes da igreja a respeito das lutas com as fortalezas do pecado. No entanto, não é necessário que confessemos todos os pecados a uma autoridade da igreja para sermos perdoados. 

A maravilha da história do Natal é a façanha milagrosa que Jesus realizou quando atravessou a atmosfera para andar na terra e morrer por nossos pecados. 

Por causa do grande amor de Deus por nós ao enviar Seu Filho unigênito, temos o dom da oportunidade, confessar e arrepender-nos de nossos pecados e receber perdão e restauração por meio de Cristo.

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. João 3:16

Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça”. 1 João 1:9

Uma vez que a confissão do pecado e as orações da fé trazem cura, os cristãos devem confessar seus pecados uns aos outros e orar uns pelos outros. Não são apenas os presbíteros instruídos a orar aqui, mas cristãos em geral. 

Definimos o tempo, antes de Cristo e depois de Cristo. Antes de Jesus morrer e ressuscitar dos mortos, derrotando a morte de uma vez por todas, a humanidade continuamente ficou aquém das leis que Deus providenciou para seguirmos. 

As leis eram para o nosso próprio bem, mas por causa da maldição e da influência do pecado em nossas vidas nunca poderiam ser guardadas. 

Jesus viveu uma vida que nunca poderíamos viver, seguindo a vontade de Deus para Ele sem pecado e trazendo glória a Deus em tudo o que Ele falou e fez.

Confessar nossos pecados nos foi disponibilizado por Cristo Jesus, a maneira que Deus providenciou para que entrássemos em Sua santa presença e permanecêssemos com Ele no relacionamento íntimo.

O pecado não pode estar na presença do nosso Santo Deus. Temos que confessá-lo, diariamente. Mas, por causa de Jesus, podemos ir a Ele livremente em oração e petição para confessá-lo. Não precisamos de um intercessor para contar a Deus nossos pecados por nós, Ele conhece nossos corações melhor do que nós. 

Podemos nos encontrar na presença de Deus diariamente para digerir as Escrituras e receber em oração Seu conselho em nossas vidas diárias. Ele nos colocou propositalmente em comunidades e famílias nas quais crescemos juntos em Cristo, responsabilizando uns aos outros. 

Confessar seus pecados uns aos outros – Conclusão

Confessar nossos pecados uns aos outros não é uma exigência legalista, mas um produto da comunhão que produz liberdade de forma responsável.

Jesus morreu na cruz para nos salvar dos nossos pecados. É por meio de Cristo, e somente de Cristo, que chegamos ao Pai para o perdão de nossos pecados. João escreveu: “a todos os que o receberam, a todos os que creram em seu nome, deu o direito de se tornarem filhos de Deus” (João 1:12-13). 

Todos somos bem-vindos a vir a Jesus, por conta própria. Quando confessamos nossos pecados uns aos outros, seguimos o exemplo de Jesus de amar, ouvir, falar a verdade e perdoar. Porque somos perdoados, também podemos perdoar.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo