Quem foi Labão: Características e Lições do sogro de Jacó

Quais as lições sobre relações familiares podemos aprender se conhecermos quem foi Labão, o tio e sogro de Jacó?

Nas narrativas bíblicas encontramos uma série de personagens que desempenharam papéis importantes na história do povo de Israel. Um deles é Labão, um homem cuja história está intrinsecamente ligada à vida de Jacó, um dos patriarcas mais conhecidos da fé judaica. 

Por isso, vamos conhecer juntos a história dele para aprendermos lições valiosas sobre relacionamentos familiares, confiança em Deus e justiça.

Quem foi Labão do tio e sogro de Jacó

Antes de tudo, precisamos saber que Labão era filho de Betuel e neto de Naor, irmão de Abraão. Então, ele pertencia à família de Abraão e vivia em Harã, uma cidade localizada na região da Mesopotâmia. 

A Bíblia nos diz que Labão tinha duas filhas, Leia e Raquel, que mais tarde se tornaram esposas de Jacó (Gênesis 29:16-30).

A história dele começa quando seu sobrinho Jacó, filho de seu irmão Isaque, chega a Harã após fugir da ira de seu irmão Esaú. Jacó buscava abrigo na casa de seu parente, pois era perseguido por causa de uma trama que havia armado para receber a bênção da primogenitura, que deveria ser de direito de Esaú. (Gn 27).

Apesar de receber seu sobrinho de braços abertos e oferecer-lhe um lugar para ficar em sua casa, ele não era exatamente um homem de confiança. 

Significado do nome Labão em hebraico

O nome “Labão” (לָבָן) em hebraico significa “branco” ou “alvo”

O verbo לבן (laben) denota o processo de tornar-se ou ser branco. Ao contrário da interpretação contemporânea do branco como um símbolo, na Bíblia, a cor branca é associada a um estado de vazio (e, por extensão, vazio ou estupidez) ou à condição de maior resistência à absorção da luz, o que se correlaciona com orgulho, teimosia e estupidez. Assim, a “doença branca” ou lepra é entendida como símbolo de orgulho e arrogância injustificados.

Ao contrário da noção popular, preto e branco representam a escuridão. Objetos negros absorvem luz e geram calor (ou intelecto), enquanto objetos brancos refletem luz e permanecem frios (ou ingênuos).

Os problemas com os acordos entre Labão e Jacó

Na antiguidade, e em algumas culturas, o homem deveria dar o dote para se casar. Era um costume que servia tanto para verificar se o rapaz teria condições de manter a família quanto para cobrir o prejuízo pela perda da mão de obra da filha.

E como seu sobrinho gostou de Raquel, ele propôs um acordo a Jacó de que trabalharia por sete anos em troca da mão de sua filha mais nova.

O jovem concordou, pois estava profundamente apaixonado e estava disposto a trabalhar arduamente para tê-la como esposa. 

No entanto, quando os sete anos se passaram, Labão o enganou e deu-lhe Leia em casamento, a filha mais velha, alegando ser costume casar a filha mais velha antes da mais nova. (Gn 29:18-26).

Apesar desse golpe inicial, ele decidiu trabalhar por mais sete anos em troca da mão de Raquel. No entanto, a relação entre Jacó e seu tio era tensa, porque este tentava constantemente enganá-lo e tirar proveito de seu trabalho árduo (Gn 29:27-30).

27 Cumpre a semana desta; então te daremos também a outra, pelo serviço que ainda outros sete anos comigo servires. 28 E Jacó fez assim, e cumpriu a semana de Lia; então lhe deu por mulher Raquel sua filha. 29 E Labão deu sua serva Bila por serva a Raquel, sua filha. 30 E possuiu também a Raquel, e amou também a Raquel mais do que a Lia e serviu com ele ainda outros sete anos.

Gênesis 29:27-30

Como Labão deixou que seu sobrinho fosse embora?

Ao longo dos anos, Labão se mostrou um homem egoísta e ganancioso. Por diversas vezes, ele não cumpria os acordos com seu sobrinho. Bastava que percebesse a prosperidade do outro, ele mudava sua proposta.

Já haviam se passado vinte anos e sua relação com as filhas e o genro não era das melhores devido à sua injustiça. Por isso, Jacó e suas esposas fugiram de Labão sem lhe contar.

Porém, quando ele descobriu a fuga, perseguiu-os furioso. No entanto, Deus interveio em um sonho e o advertiu para não fazer mal a Jacó (Gn 31:24).

Veio, porém, Deus a Labão, o arameu, em sonhos, de noite, e disse-lhe: Guarda-te, que não fales com Jacó nem bem nem mal.

Gênesis 31:24

Finalmente, quando ele o alcançou, fizeram um acordo de paz, e para estabelecer limites entre eles, construíram um monte de pedras como um memorial. (Gn 31:43-55).

Características de Labão na Bíblia

Hospitaleiro: Quando Jacó chega à casa de Labão, fugindo de seu irmão Esaú, Labão o recebe bem. Ele é inicialmente hospitaleiro e acolhedor, demonstrando bondade ao oferecer um lugar para Jacó ficar (Gênesis 29:13-14).

Astuto: Um exemplo clássico disso é quando ele engana Jacó, trocando suas filhas no casamento. Jacó trabalhou sete anos para se casar com Raquel, mas na noite do casamento, Labão dá-lhe Lia, sua filha mais velha, em vez de Raquel. Jacó só pôde casar com Raquel depois de concordar em trabalhar mais sete anos (Gênesis 29:21-30).

Ganâncioso: Labão é uma pessoa gananciosa e preocupada com a acumulação de riqueza. Ele faz um acordo com Jacó para que este continue trabalhando para ele, alterando repetidamente os termos do acordo para seu próprio benefício. Mesmo quando os rebanhos de Jacó prosperam, Labão tenta encontrar maneiras de tirar vantagem disso (Gênesis 30:25-43).

Desconfiado: Ele demonstra uma atitude desconfiada e vigilante em relação a Jacó. Quando Jacó decide partir com sua família e suas posses, Labão persegue-o e acusa-o de roubar seus ídolos domésticos (terafins). (Gênesis 31:19-30).

Negociador: Labão é um negociador habilidoso e persistente. Ele constantemente tenta renegociar os termos do trabalho de Jacó e encontrar maneiras de maximizar seus próprios ganhos. Ele até tenta fazer acordos com Jacó sobre os rebanhos, mostrando sua habilidade em barganhar (Gênesis 30:25-36).

Por que devemos entender quem foi Labão na história bíblica?

Podemos tirar lições importantes dessa história, por exemplo, a compreensão de que nem todos os parentes são confiáveis. Embora o personagem fosse um parente próximo de Jacó, ele agiu de maneira egoísta e enganadora, buscando tirar vantagem do trabalho de seu sobrinho. 

Além disso, o relato destaca a importância da paciência e perseverança. Afinal, Jacó trabalhou por catorze anos para ter as mulheres que amava como suas esposas. Isso nos ensina a persistir em nossos esforços, mesmo quando enfrentamos desafios e contratempos, confiando em Deus e em Seu plano para nossas vidas.

Outra lição valiosa é sobre a soberania de Deus. Embora ele tentasse manipular as circunstâncias em seu próprio benefício, Deus estava no controle de tudo. 

Isso nos mostra que, mesmo quando enfrentamos pessoas injustas ou situações difíceis, podemos confiar em Deus para nos guardar e nos conduzir em Seu caminho.

Por fim, essa história nos encoraja a buscar a reconciliação e a paz em nossos relacionamentos. Isso nos lembra da importância de deixar de lado o ressentimento, perdoar e buscar a restauração dos relacionamentos quebrados.

Josiane Silva

Olá, eu sou a Josiane Silva, mãe, avó e procuro servir a Deus. Amo estudar a bíblia para compreender o comportamento humano. Afinal podemos aprender muito com as histórias dos outros, não é mesmo? Como gosto muito de ler e de escrever, também trabalho como redatora freelancer.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo