O que é uma teofania na Bíblia?

Deus não permanece distante de nossas vidas. A partir da descrição de Deus “andando no jardim na brisa do dia” (Gênesis 3:8), Deus está ativamente envolvido no mundo. Além disso, esta atividade não é à distância. Deus não está longe do mundo. Ao longo das escrituras, Deus manifesta a presença de Deus de maneiras visíveis e tangíveis. A palavra usada para descrever tal ocorrência é “Teofania”.

As teofanias revelam a glória de Deus e destacam o propósito de Deus em nossas vidas. A teofania da sarça ardente, por exemplo, foi fundamental para que Moisés se tornasse o líder que Deus o chamou para ser. 

As teofanias nos reconectam à história contínua da redenção e nos ajudam a entender a interação de Deus em nossas vidas. 

Como, então, podemos discernir a realidade das teofanias em nossas vidas? Isso nos leva a uma pergunta importante: “As teofanias ainda ocorrem hoje?” 

Abaixo estão quatro fatores importantes que precisamos considerar.

Entendendo as Teofanias

As teofanias descrevem qualquer manifestação visível da presença de Deus no mundo. A maioria dos exemplos se encontra no Antigo Testamento e contém uma descrição do “anjo do Senhor”. 

O anjo do SENHOR é diferente de um mensageiro angelical. O anjo do SENHOR é a manifestação física de Deus. 

Por exemplo, quando o anjo do Senhor declara a Israel “Eu te tirei do Egito e te trouxe para a terra que jurei dar a seus pais” (Juízes 2:1), é o Senhor quem está falando. O anjo do SENHOR, portanto, é a presença visível de Deus sobre a terra.

Isso significa que uma teofania é diferente de uma visão ou sonho. Ao longo das escrituras, Deus usa sonhos e visões para trazer instrução, orientação ou encorajamento. 

Uma visão ou sonho, no entanto, não é uma manifestação física de Deus. Deus só aparece na mente (ou coração) do sonhador. 

Assim, enquanto visões e sonhos são formas que Deus se comunica com o povo de Deus, eles não manifestam visivelmente a presença de Deus no mundo.

Isso levanta uma questão interessante. Se uma teofania é a presença visível de Deus na terra, isso significa que Jesus era uma teofania? 

Não. Jesus Cristo não é uma manifestação de Deus. Jesus é Deus. 

A encarnação é a revelação permanente da segunda pessoa da Trindade. Isso o torna distintamente diferente do que, digamos, a sarça ardente. 

Enquanto o Senhor “apareceu a Moisés em chamas de fogo dentro de uma sarça” (Êxodo 3:2), isso certamente não sugere que Deus seja uma sarça ardente! 

No entanto, isso é precisamente o que reivindicamos para a segunda pessoa da Trindade. Jesus é Deus. Os dois são inseparáveis.

Além disso, nunca há um momento em que Deus deixa de ser Jesus. A segunda pessoa da Trindade é sempre e eternamente o Senhor crucificado e ressuscitado. 

Novamente, isso é diferente da aparição de Deus na sarça ardente. Obviamente, houve um momento em que a aparição de Deus na sarça ardente terminou. 

Isso torna a encarnação fundamentalmente diferente das várias teofanias das Escrituras. 

Exemplo de Teofanias no Antigo Testamento

Muitas das teofanias que encontramos nas escrituras ocorrem principalmente em Gênesis. 

Um dos exemplos mais profundos é quando três visitantes visitam Abraão e Sara junto à grande árvore de Manre (Gênesis 18:1-15). 

Apesar da experiência de Abraão com três visitantes, o texto deixa claro que “o Senhor apareceu a Abraão” (v. 1). 

Embora três figuras apareçam antes de Abraão, elas representam o único Senhor. Esse fato fica mais claro quando o Senhor responde ao riso de Sara. Aqui o texto indica que “O Senhor disse a Abraão “por que Sara riu…” (versículo 13). É Deus quem fala com Abraão e não meramente um mensageiro angelical. 

Essa manifestação é intrigante porque mostra que Deus é um em três. A unidade da natureza de Deus é exibida como três “pessoas”, cada uma separada e distinta, mas igualmente parte da plenitude de Deus. Esta teofania, portanto, é uma das primeiras revelações da Trindade divina.

Outro exemplo de Deus aparecendo na terra é quando Jacó luta com o anjo (Gênesis 32:24-30). 

Novamente, o texto deixa claro que Jacó luta com Deus, e não com um indivíduo aleatório, ou mesmo um mensageiro angelical. 

Em resposta à sua experiência, Jacó chama o lugar de Peniel, afirmando: “Vi Deus face a face e minha vida foi poupada” (32:30). 

Da mesma forma, o nome de Jacó é mudado para Israel, um nome que significa “lutas com Deus”. 

Não há dúvida, portanto, que Jacó interage com um Deus em forma física.

Exemplos de Teofanias no Novo Testamento

As teofanias são menos comuns no Novo Testamento, embora existam exceções notáveis. 

Um dos principais exemplos é a descida do Espírito, tanto no batismo de Cristo como no dia de Pentecostes. 

A Bíblia registra que o Espírito desce na forma física de uma pomba no batismo de Jesus (Mateus 3:16), e como línguas de fogo no Pentecostes (Atos 2:3).

Estas não são meras visões ou alucinações. O Espírito se revela de forma visível e física.

Outro exemplo é encontrado no apedrejamento de Estêvão. Aqui Estêvão “olhou para o céu e viu a glória de Deus, e Jesus em pé à direita de Deus” (Atos 7:55). 

É importante lembrar que a palavra grega para “céu” também pode significar “céu acima”. Enquanto Estêvão lança seu olhar para cima, os céus se abrem para revelar a glória de Deus e a presença de Jesus. 

Embora Estevão seja o único que vê isso acontecer, a passagem afirma que ocorre no contexto do mundo. 

Em outras palavras, Estevão não está tendo uma visão mística. Estevão vê Jesus sentado à direita de Deus com seus olhos físicos.

As teofanias do Novo Testamento, como a dos três visitantes de Abraão, muitas vezes revelam a natureza trinitária de Deus. 

A teofania do batismo de Cristo, por exemplo, contém todas as três pessoas da Trindade. A voz audível do Pai declara a filiação divina de Jesus enquanto o Espírito Santo desce. 

Uma ênfase trinitária semelhante ocorre na experiência de Estevão. Ele cheio do Espírito Santo (Atos 7:55) vê Jesus sentado à direita da glória do Pai. Os três membros da Trindade estão presentes neste ato de revelação.

Teofanias hoje

As teofanias são amplamente confinadas aos eventos revelatórios nas Escrituras. Isso significa que não há teofanias hoje? Absolutamente não! Na verdade, as teofanias ocorrem todos os dias.

Como cristãos, a pergunta que devemos fazer a nós mesmos não é “Como posso experimentar uma teofania?” mas sim “Como posso ser uma teofania?” 

Afinal, se uma teofania é uma manifestação da presença de Deus no mundo, então este é precisamente o chamado que os cristãos têm. 

Nossas vidas são para anunciar a presença de Jesus. Ele nos chama para este mesmo modo de vida quando diz “deixe sua luz brilhar diante dos outros para que vejam suas boas obras e glorifiquem seu Pai que está nos céus” (Mateus 5:16). 

Somos feitos à imagem de Deus e capacitados pelo Espírito Santo para este propósito. Assim, os cristãos hoje são os próprios lugares através dos quais Cristo é revelado ao mundo.

Com a descida do Espírito no Pentecostes, é a vida e o testemunho dos seguidores de Cristo que se tornam o veículo para a teofania de Deus. 

Deus não precisa mais aparecer em sarças ardentes ou em visitas divinas, pois a presença de Deus deve ser vista em nossas vidas. 

Paulo escreve que “nós, que com rostos descobertos contemplamos a glória do Senhor, conforme a sua imagem estamos sendo transformados com glória cada vez maior” ( Coríntios 3:18). 

Nossas vidas são o meio pelo qual a glória do Pai celestial é revelada.

Como você é chamado a revelar a presença de Cristo no mundo? De que maneira você pode “brilhar sua luz” para que Jesus seja conhecido e recebido? Este é o coração de uma teofania e o chamado de nossa vida cristã.


Autor O Reverendo Kyle Norman, adaptado por Biblioteca do Pregador.

Botão Voltar ao topo