Quem foi Tomé na Bíblia? História do discípulo duvidoso

O Apóstolo Tomé, muitas vezes chamado de “Tomé Duvidoso”, foi um dos doze principais discípulos de Jesus. No Evangelho de João, Tomé duvidou da ressurreição de Jesus, dizendo aos outros discípulos: “Se eu não vir as marcas dos pregos em suas mãos e não colocar meu dedo onde estavam os pregos, e colocar minha mão no seu lado, não acreditarei”. (João 20:25).

Jesus então apareceu e se ofereceu para deixá-lo fazer exatamente isso.

Ao ver Jesus em carne e osso com seus próprios olhos (e possivelmente tocando as feridas), Tomé proclamou: “Meu Senhor e meu Deus!” (João 20:28). Jesus respondeu com uma das declarações mais poderosas e proféticas sobre a fé em toda a Escritura: “Porque me viste, creste; bem-aventurados os que não viram e creram” (João 20:29).

O momento de ceticismo de Tomé lhe rendeu o apelido de “Duvidando de Tomé”, que evoluiu para um termo para quem precisa de provas antes de acreditar em algo.

Honestamente, isso é tudo que você realmente precisa saber sobre o apóstolo Tomé. Ele não é um personagem tão importante da Bíblia. Ele aparece apenas oito vezes em todo o Novo Testamento, e quatro dessas vezes são apenas listas dos doze apóstolos. E embora ao longo da história da igreja as pessoas tenham ficado felizes em preencher os detalhes de sua vida, poucos desses detalhes são confiáveis. (Por exemplo, um texto antigo até afirmava que ele era irmão gêmeo de Jesus…  o quê?!)

Mas enquanto a Bíblia nos diz pouco sobre ele, a abordagem cautelosa de Tomé em acreditar na ressurreição lançou as bases para a fé baseada em evidências e para o ensino protestante de sola fide, ou fé somente. E embora tenha vivido 2.000 anos atrás, Tomé também serve de contraste para os cristãos de hoje, aqueles que não viram e ainda creram.

Neste estudo, vamos destacar as coisas que podemos observar sobre Tomé na Bíblia e o que a igreja primitiva disse sobre ele.

Aqui estão os fatos rápidos sobre o apóstolo Tomé.

Fatos sobre Tomé, o Apóstolo

Tomé é mencionado um total de oito vezes entre os quatro evangelhos e Atos. A maior parte do que aprendemos sobre ele vem do Evangelho de João, o único livro do Novo Testamento que lhe dá algum papel específico. Entre isso e algumas afirmações confiáveis ​​da igreja primitiva, aqui está o que sabemos.

Um dos Doze

O Novo Testamento lista todos os Doze apóstolos quatro vezes: Mateus 10:2–4, Marcos 3:14–19, Lucas 6:13–16 e Atos 1:13–16. Embora existam algumas variações na ordem em que os apóstolos aparecem e até nos nomes pelos quais eles passaram, Tomé está listado em todos eles. Ele também é claramente um dos Doze no Evangelho de João, embora João nunca liste explicitamente todos eles.

Isso significa que Tomé era uma das pessoas mais próximas de Jesus e que passou cerca de três anos morando com ele, testemunhando seus milagres e ouvindo seus ensinamentos. Ele viu inúmeras demonstrações do poder de Jesus, incluindo seu poder de ressuscitar mortos, e ouviu Jesus predizer sua ressurreição, mas ele ainda não acreditava que Jesus havia ressuscitado até ver por si mesmo.

“Chamado de Gêmeo”

Em três das vezes em que Tomé é mencionado, a Bíblia observa que ele foi chamado de didymos, uma palavra grega que significa “gêmeo”, que era frequentemente usada como nome. A menos que seu nome seja Tomé, você pode se surpreender ao saber que o nome moderno “Tomé” vem da palavra aramaica tĕʾomâ, que significa …gêmeo.

Sim. O apóstolo Tomé nem sequer tem um nome real na Bíblia. Todo mundo literalmente se refere a ele como “o gêmeo”. Curiosamente, tĕʾomâ é apenas uma descrição em aramaico, não se usa como um nome, mas didymos foi usado tanto como descrição quanto como nome.

Assim, enquanto sua Bíblia diz alguma versão de “Tomé, chamado de Gêmeo” em João 11:16, João 20:24 e João 21:2, uma tradução literal diria “o gêmeo, chamado de Gêmeo”.

Algumas tradições antigas o chamavam de Judas Tomé, porque alguns manuscritos siríacos afirmavam que seu nome verdadeiro era Judas. Mas isso provavelmente causaria mais confusão para nós hoje, já que já existem vários Judas na Bíblia, e um deles fez uma coisa muito ruim.

A Bíblia nunca menciona quem é o gêmeo de Tomé. Curiosamente, no terceiro século, um texto chamado Atos de Tomé surgiu alegando que ele era gêmeo de Jesus. E isso… Não é verdade.

Missionário

A primeira menção do trabalho missionário de Tomé vem de Eusébio de Cesaréia, que cita Orígenes (um estudioso que morreu em meados do século III) dizendo que ele foi enviado para a Pártia (que é o atual Irã).

Mas de acordo com a tradição da igreja mais popular, Tomé viajou para a Índia por volta de 50 dC e evangelizou as pessoas de lá, possivelmente estabelecendo até sete igrejas. Essa tradição parece ter começado com os Atos de Tomé e continua imensamente popular em algumas igrejas, especialmente aquelas que afirmam ter sido estabelecidas por ele.

Um cético

Tomé é mais conhecido por seu papel no Evangelho de João, que lhe rendeu apelidos como “duvidoso”, “ver para crer”, “incrédulo”. E embora o apelido seja frequentemente usado como uma crítica à sua falta de fé, a realidade é que ele não era o único que tinha dúvidas sobre a ressurreição de Jesus dos mortos.

De acordo com os evangelhos sinóticos (Mateus, Marcos e Lucas), os outros discípulos também duvidaram da ressurreição:

Quando voltaram do túmulo, contaram todas essas coisas aos Onze e a todos os outros. Foi Maria Madalena, Joana, Maria, mãe de Tiago, e os outros com eles que contaram isso aos apóstolos. Mas eles não acreditaram nas mulheres, porque suas palavras pareciam tolices.” – Lucas 24:9-11

Infelizmente para Tomé, ele é o único que a igreja rotulou de “duvidoso”, graças ao relato do Evangelho de João. O Dicionário Bíblico Anchor Yale sugere que João se concentrou em Tomé para ilustrar a dúvida que todos os discípulos compartilhavam:

“Tomé foi escolhido entre os Doze para dramatizar a descrença do grupo. A recusa dos discípulos em acreditar no testemunho daqueles que viram o Senhor ressuscitado é uma característica comum da tradição do evangelho (Mt 28:17; Mc 16:11, 14; Lc 24:36-43); só o quarto evangelista escolheu Tomé para representar e simbolizar esta dúvida”.

Mas mesmo que Tomé fosse o único apóstolo que duvidou da ressurreição, há poucas razões para os cristãos usarem a dúvida como algum tipo de insulto. Embora Jesus repetidamente tenha revelado seus planos aos discípulos, eles nunca entenderam a cruz e a ressurreição até depois do fato. E como homens judeus, os apóstolos não tinham motivos para acreditar que o Messias ressuscitaria dos mortos.

A ressurreição de Jesus desafiou tudo o que os apóstolos entendiam e acreditavam sobre o Messias e a morte desde que eram crianças. Ele. E apesar de tudo que os apóstolos viram e ouviram que provava que Jesus era diferente de qualquer um que já viveu, ele morreu como todos os outros.

Portanto, não é de admirar que Tomé e outros seguidores de Jesus duvidassem da ressurreição até que viram a evidência por si mesmos. E a disposição de Jesus de envolver Tomé em meio às suas dúvidas encoraja os cristãos de hoje a levar suas dúvidas a ele também. É importante reconhecer que na resposta de Jesus a Tomé, ele reconheceu o quanto seria mais difícil para aqueles que nunca viram seus milagres acreditarem.

Um pescador?

A Bíblia não diz explicitamente que Tomé é pescador, mas no Evangelho de João ele vai pescar com pescadores. Depois que Jesus aparece para os discípulos, Pedro fica impaciente e decide ir pescar, e alguns dos outros discípulos vão junto:

Estavam juntos Simão Pedro, Tomé (também conhecido como Dídimo), Natanael de Caná da Galiléia, os filhos de Zebedeu e dois outros discípulos. Vou pescar, disse-lhes Simão Pedro, e eles responderam: Vamos com vocês. Então eles saíram e entraram no barco, mas naquela noite não pegaram nada.” – João 21:2–3

Ninguém disse que ele era um bom pescador.

A passagem não o chama tecnicamente de pescador, mas Pedro, os filhos de Zebedeu (Tiago e João), e o irmão de Pedro, André eram.

Tomé na Bíblia

Além das quatro listas de discípulos, Tomé aparece mais quatro vezes na Bíblia, todas elas ocorrem no Evangelho de João. Aqui estão as passagens onde realmente aprendemos algo sobre ele.

A Morte de Lázaro (João 11:1–16)

Quando Jesus descobre que seu amigo Lázaro morreu, ele diz a seus discípulos que eles devem voltar para a Judéia. Eles tentam convencê-lo a desistir, porque da última vez que estiveram lá, as pessoas estavam prontas para apedrejar Jesus até a morte. Ele insiste. E então Tomé fala com ousadia:

Então Tomé (também conhecido como Dídimo) disse aos demais discípulos: Vamos nós também, para morrermos com ele.“ – João 11:16

Aqui Tomé quase assume uma qualidade semelhante à de Pedro e, talvez ironicamente, parece ter mais fé em Jesus do que os outros apóstolos. Tomé é frequentemente citado com um tom cínico, tipo tímido, mas ele pode ter sido um dos discípulos mais corajosos.

Jesus o caminho para o Pai (João 14:1-14)

Depois de prever sua traição e a eventual negação de Pedro, Jesus conforta seus discípulos dizendo-lhes que vai preparar um lugar para eles e que eles sabem o caminho para onde ele está indo.

Razoavelmente, Tomé aponta:

Senhor, não sabemos para onde você está indo, então como podemos saber o caminho? ” – João 14:5

Isso configura uma das citações mais famosas de Jesus, que só aparece no Evangelho de João:

Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim. Se você realmente me conhece, você conhecerá meu Pai também. De agora em diante, você o conhece e o viu.” – João 14:6–7

Os escritores dos evangelhos frequentemente usam as perguntas dos discípulos para reforçar os ensinamentos de Jesus. Alguns cristãos usam essa passagem para interpretar o caráter de Tomé, mas provavelmente não é esse o ponto. Filipe tem uma linha igualmente contundente depois disso para estabelecer outro dos importantes monólogos de Jesus.

Jesus aparece a Tomé (João 20:24–29)

João é o único que registra o encontro especial de Tomé com Jesus, que parece espelhar o encontro que Jesus teve com os outros em João 20:19-23. Por alguma razão desconhecida, Tomé não estava com os discípulos quando Jesus apareceu a eles pela primeira vez, e ele se recusa a acreditar em seus amigos, então Jesus declara uma renovação.

Aqui está a passagem inteira:

Ora, Tomé (também conhecido como Dídimo), um dos Doze, não estava com os discípulos quando Jesus veio. Então os outros discípulos lhe disseram: Vimos o Senhor!

Mas ele lhes disse: A menos que eu veja as marcas dos pregos em suas mãos e ponha meu dedo onde estavam os pregos, e ponha minha mão em seu lado, não acreditarei.

Uma semana depois, seus discípulos estavam novamente em casa, e Tomé estava com eles. Embora as portas estivessem trancadas, Jesus veio, pôs-se no meio deles e disse: A paz esteja com vocês! Então ele disse a Tomé: Coloque seu dedo aqui; ver minhas mãos. Estenda sua mão e coloque-a no meu lado. Pare de duvidar e acredite.

Tomé disse-lhe: Meu Senhor e meu Deus!

Então Jesus lhe disse: Porque você me viu, você acreditou; bem-aventurados os que não viram e creram.” – João 20:24–29

A Bíblia não nos diz se Tomé tocou ou não fisicamente as feridas de Jesus. Curiosamente, a tradição católica sustenta que Tomé os tocou, o que historicamente apoiou a ideia de rituais físicos e peregrinações para reforçar a fé, enquanto a tradição protestante geralmente sustenta que Tomé não os tocou, o que reforça a ideia de que somente a fé é suficiente para que as pessoas sejam salvas. Essa diferença teológica é frequentemente representada na arte católica e protestante retratando Jesus e Tomé.

Jesus e a pesca milagrosa (João 21:1–14)

Como já mencionamos, após a ressurreição, Pedro declara que vai pescar, e Tomé é listado entre os seis discípulos que o acompanham. Tomé não desempenha nenhum papel importante nesta passagem, que reflete a miraculosa captura nos evangelhos sinóticos e serve principalmente para definir o cenário para Jesus reintegrar Pedro.

Como morreu o apóstolo Tomé?

Os Atos de Tomé dizem que ele foi martirizado em Mylapore, na Índia, onde foi esfaqueado com lanças. A tradição cristã síria especifica que Tomé foi martirizado em Mylapore em 3 de julho de 72 dC, observando que ele foi morto com uma lança. Uma entrada do calendário eclesiástico antigo diz:

“3 de julho, St. Tomé que foi perfurado com uma lança na Índia.”

Nenhuma outra tradição existe a respeito de sua morte.

Duvidoso Tomé

Como o Evangelho de João faz de Tomé o bode expiatório da dúvida, é fácil esquecer que os outros apóstolos também duvidaram da ressurreição. Os cristãos costumam tratar seu ceticismo como uma fraqueza, mas é importante lembrar: Jesus acolheu o ceticismo de Tomé e desafiou suas dúvidas com evidências de sua ressurreição.

O apóstolo Tomé é um famoso símbolo de dúvida, mas se devemos aprender alguma coisa com ele, deve ser isto: nossas dúvidas podem nos levar a uma fé mais profunda e rica. Jesus diz especificamente: “Bem-aventurados os que não viram e creram” (João 20:29), mas ele também não pede a todos nós que confiemos cegamente nele. Em vez disso, Ele nos convida a investigar a verdade da ressurreição e explorar o caminho, a verdade e a vida.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo