O que é a tenda da congregação na Bíblia?

A tenda de congregação era o local da interação divina, um lugar onde o povo de Israel podia pleitear suas necessidades diante do Senhor.

A jornada de Israel pelo deserto, conhecida como Êxodo, é um momento decisivo para a nação. Ela fala de sua libertação da escravidão e declara sua identidade como o povo escolhido de Deus. Da mesma forma, Deus revela a própria identidade de forma dramática. Yahweh é aquele que luta por Israel, que provê a nação e que finalmente os conduz à Terra Prometida. 

Como povo de Deus, Israel deveria viver em um relacionamento de aliança com Yahweh. Afinal, o Senhor é de natureza relacional, pois, Ele deseja ser conhecido. Assim, a tenda da congregação era para este propósito. 

A tenda da congregação, portanto, era uma representação visual da disponibilidade de Deus ao longo da jornada de Israel para a Terra Prometida

3 coisas que os cristãos devem saber sobre a tenda da congregação:

1. A Presença de Deus

O nome “Tenda do Encontro” na verdade se refere a duas tendas diferentes, cada uma com o mesmo propósito. Como o nome sugere, este era um lugar para encontrar o Senhor Deus. No início do Êxodo, esta tenda foi colocada fora do acampamento de Israel. As escrituras registram

“Ora, Moisés costumava tomar uma tenda e armar-la fora do acampamento a alguma distância, chamando-a de “tenda da congregação” (Êxodo 33:7). 

A implicação é que apenas Moisés ou Arão fariam uso desta tenda. A nuvem da glória de Deus desceria sobre a tenda da congregação enquanto Moisés conversava com o Senhor. O povo de Israel assistia de longe. 

Uma mudança importante acontece com a construção da tenda oficial de reunião, às vezes chamada de Tabernáculo. Ao invés de estar fora do acampamento de Israel, esta nova tenda de congregação se ergue no meio do acampamento (Nm 2:17); torna-se o coração da comunidade. Deus revela sua gloriosa presença no meio de seu povo. 

Semelhante a antes, a nuvem da glória de Deus repousa sobre a tenda da congregação. Lemos que “a nuvem cobriu a tenda da congregação, e a glória do Senhor encheu o tabernáculo” (Êxodo 40:34). 

O que é significativo aqui é que a nuvem da glória de Deus agora enche a tenda da congregação o tempo todo. Anteriormente, a glória de Deus permanecia à parte do povo e só desceria quando Moisés entrasse na tenda. 

Uma vez que a nova tenda de congregação é erguida, a glória de Deus está constantemente presente. Ele levanta apenas como um sinal de que Israel embarcará na próxima fase de sua jornada. A tenda da congregação, portanto, falava da presença duradoura de Deus com o povo de Israel.

2. Garantia de Fidelidade

A construção da tenda de congregação é muito específica. Ele contém candelabros e cortinas, mesas e lavatórios. Cada elemento está descrito em detalhes. Lemos sobre isso nos capítulos finais de Êxodo, entre os capítulos 35 e 40.

Além disso, as escrituras declaram que Moisés recebe orientações exatamente onde colocar cada elemento. A tenda da congregação segue uma planta precisa e detalhada. Moisés constrói a tenda da congregação “como o Senhor ordenou” (Êxodo 40:16).

Pode-se perguntar por que isso acontece. Israel não poderia aproximar-se do Senhor da maneira que escolhesse? Resumindo: Não.

Ao longo de suas peregrinações, Israel foi frequentemente tentado a aceitar as práticas e devoções das nações idólatras. Além disso, a própria história de Israel mostra a disposição de aceitar tais práticas. O desastre do Bezerro de Ouro (Êxodo 32) é um exemplo disso. 

A tenda do encontro foi uma importante guarda contra cair na idolatria, pois garantiu o desejo sincero de Israel de adorar o Deus que os tirou do Egito. 

Da mesma forma, seguindo essas instruções detalhadas, Israel demonstrou sua obediência voluntária aos mandamentos de Deus. 

Assim como Noé solicitado a construir uma arca no meio de um deserto árido, também a complexidade da tenda da congregação fornece um testemunho contínuo da fidelidade de Israel. O uso da tenda de congregação, portanto, tornou-se uma expressão da dedicação de Israel ao Senhor. 

3. Uma Antecipação do Templo… e o Reino Celestial

Como mencionado anteriormente, a tenda do encontro é construída de forma intencional. Uma tenda foi erguida no meio do acampamento. Colocaram mesas e lâmpadas em certas posições ao longo de suas bordas. Em uma entrada foi colocado um lavatório, onde os israelitas se purificavam antes de fazer uma oferta. Dentro da tenda havia um altar sobre o qual ocorriam sacrifícios. Havia também uma cortina ao redor da arca da aliança. 

Isso pode parecer muito meticuloso até percebermos que o Templo de Salomão é construído no mesmo esquema. O templo tinha uma distinção clara entre os pátios externos e os pátios internos. O santuário interior continha um altar sobre o qual eram feitos sacrifícios. 

O centro do templo, conhecido como o santo dos santos, continha a arca da aliança, cercada por uma cortina (Mateus 27:51). Assim como Israel fazia uso dos lavatórios, os judeus se purificavam em piscinas conhecidas como micvês antes de entrar no templo para adoração. 

Tudo isso para dizer que a tenda da congregação é uma imagem móvel do futuro Templo. Ele prenuncia o que se tornará a peça central da vida espiritual de Israel. No entanto, o prenúncio não para por aí. O templo terreno era como uma representação física do templo celestial. O templo e, portanto, a tenda da reunião diante dele, era uma representação física do reino de Deus. 

Fazer uso da tenda da congregação, portanto, era engajar-se no reino de Deus no contexto das peregrinações no deserto. 

A tenda da congregação falava da nova vida que Israel passaria a viver. De facto, esta associação com a nova vida está mesmo implícita na data em que foi construída a tenda do encontro. 

Alguns estudiosos observam que o “primeiro dia do primeiro mês do segundo ano” (40:17) é aproximadamente 9 meses desde o início do Êxodo. A tenda da congregação simbolizava a nova vida para a qual Israel estava caminhando.

tenda da reunião na bíblia

Por que a tenda da congregação é importante?

Como cristãos, é fácil perguntar: “Por que precisamos saber sobre a tenda da congregação?” Afinal, os cristãos estão livres das exigências da lei, não mais presos às estruturas e práticas religiosas que governavam a vida de Israel. Por que então gastar tempo aprendendo os meandros de uma barraca que não tem mais valor?

A razão pela qual é bom saber sobre a tenda da congregação é ver como a tenda é reformulada ao longo da narrativa bíblica. Muitos dos objetos e práticas implícitos na tenda do encontro são reinterpretados pelo próprio Jesus. Saber sobre a tenda da congregação, então, nos ajuda a reconhecer a verdade de Cristo em nossas vidas.

Tome o “pão da presença”, por exemplo, (Êx 40:23). Este pão não é o mesmo que o Maná, que sustentou os israelitas na peregrinação do deserto. O maná foi colocado na própria arca. O pão da presença, porém, era o pão que se usava em certos rituais e oferendas. Era parte dos sacrifícios feitos para o perdão de Israel. O pão da presença era um sinal físico do cuidado de Deus e sustento do povo, e do perdão que Deus concedeu ao povo.

O pão é um tema constante em toda a Bíblia frequentemente usado como símbolo da nutrição física e espiritual fornecida por Deus. Como observado, este foi um tema importante para a história de Israel. Isso muda, no entanto, com a encarnação. Jesus toma a imagem do pão e a aplica a si mesmo. 

“Eu sou o pão da vida”, diz Jesus (João 6:35). 

Aqui, Jesus se refere a si mesmo como fonte de alimento espiritual e físico para os fiéis; ele é o sinal visível do cuidado e provisão de Deus. O próprio Jesus é o “pão da presença”.

Essa mesma reinterpretação ocorre com a cortina que envolve a arca da aliança. Na tenda da congregação, somente Moisés e Arão podem entrar neste lugar santíssimo. 

Com o estabelecimento do templo de Salomão, é o Sumo Sacerdote que entra neste lugar santo, e apenas um dia por ano – o dia da expiação. Pensava-se que este lugar mais sagrado, abrigando a arca da aliança, era o lugar onde residia a glória de Deus. 

Assim, uma grande cortina ornamentada seccionou esta área. A cortina do tabernáculo criou uma barreira e, com ela, o entendimento de que experimentar a presença gloriosa de Deus era reservado para poucos santos.

Novamente, as coisas mudam dramaticamente com Jesus. Marcos registra que no momento da crucificação “A cortina do tabernáculo se rasgou em duas” (Marcos 15:38). Este é um evento significativo. 

A própria barreira que separava Israel da glória de Deus se desfaz no momento da crucificação. A implicação é clara. O espírito de Deus está disponível para todos. A presença de Deus vem de maneira mais profunda por aqueles que crêem na salvação pela cruz.

Significado para nós

É fácil ignorar a tenda da congregação. Sua descrição nos últimos capítulos de Êxodo parece chata e irrelevante. 

No entanto, quando olhamos para essas coisas com os olhos da fé, traçando os vários elementos ao longo do testemunho bíblico, vemos como a tenda do encontro aponta para o templo e o templo aponta para Cristo. 

Tirar um tempo para conhecer a tenda da congregação, portanto, ajuda os cristãos a entender o que Cristo realiza na cruz

Com esse conhecimento, estamos mais bem preparados para encontrar o Senhor em nossas próprias vidas.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo