Quem foi Jonas: História e 5 Lições do Profeta Fujão

Quem nunca ouviu falar de Jonas, o profeta que tentou fugir de Deus? Quando eu era criança, meus pais costumavam pregar sobre a história de Jonas, e mais tarde, na minha adolescência, eu sempre contava para meus alunos da escolinha bíblica infantil, sobre essa história do profeta Jonas, sempre enfatizando a importância de obedecer aos mandamentos de Deus.

E hoje através deste estudo bíblico de Jonas, vamos juntos relembrar quem foi esse profeta, sua história, seu clamor e as lições que podemos aprender tanto com sua vida quanto com sua desobediência.

Quem foi Jonas na Bíblia?

Jonas foi um profeta Hebreu do Antigo Testamento, filho de Amitai e morador de Gate-Hefer, uma cidade próxima a Nazaré. Ele foi escolhido por Deus para proclamar a mensagem de arrependimento e salvação para a nação pagã da Assíria.

Seu ministério ocorreu no período aproximado entre 800 e 750 aC, mesmo período que Deus usou outros profetas como Amós, Oséias, Isaías e Miquéias para profetizarem a Israel.

História de Jonas

A história de Jonas se inicia em Israel, em Gate-Hefer, Cidade onde o profeta morava. Quando Jonas recebeu a mensagem de Deus, ele se recusou e tentou fugir de sua missão, indo até a Cidade portuária de Jope, para embarcar em um navio e então seguir em direção a Társis. Ou seja, Jonas estava tentando ir em direção contrária do que Deus lhe havia enviado.

Deus vendo isso, lançou ao mar uma tempestade, de modo que o navio parecia afundar. Jonas, reconhecendo que era ele o causador de toda aquela tormenta, pediu para que os marinheiros o lançassem no mar, onde um grande peixe o engoliu e ali esteve Jonas no ventre do animal por três dias e três noites.

Durante esse tempo, Jonas se arrependeu de sua desobediência e clamou a Deus por perdão. Deus ouviu suas orações e o peixe o vomitou em terra firme. Então, Deus o chamou novamente para ir a Nínive e então, dessa vez, ele obedeceu.

Quando ele chegou em Nínive, pregou a mensagem de arrependimento e a cidade se arrependeu dos seus pecados. Isso levou Deus a poupar a cidade da destruição. Ainda assim, Jonas ficou triste com a compaixão Divina pelos ninivitas e, em um diálogo com Deus, aprendeu uma lição sobre a paciência e compaixão de Deus para com todas as nações.

A história de Jonas é uma das mais conhecidas do Antigo Testamento. Sendo lembrada como um exemplo da misericórdia e graça de Deus. Como também da importância da obediência e da mensagem universal de redenção e salvação que Deus oferece a todos os povos.

A validação da história de Jonas por Cristo

É importante destacar que a fascinante narrativa de Jonas enfrentou duramente as críticas por um longo período. Muitos estudiosos modernos questionaram a veracidade do relato, principalmente devido ao episódio em que Jonas foi engolido por uma criatura marinha, considerando-o pura ficção (cf. Goodspeed 1946, 149).

No entanto, Jesus Cristo não compartilhava dessa perspectiva. Ele referenciou a narrativa como uma história autêntica (cf. Mt 12.39-41), resolvendo a questão para aqueles que reconheciam a divindade do Salvador.

Além de ser indiscutivelmente um evento miraculoso, as circunstâncias não estão além das possibilidades, mesmo do ponto de vista natural, quando se consideram as intervenções providenciais de Deus. De fato, temos registros de casos semelhantes em tempos relativamente recentes.

Em 1891, um marinheiro foi engolido por um grande cachalote nas proximidades das Ilhas Malvinas. Após três dias, ele emergiu, ainda que inconsciente, mas vivo, embora tenha sofrido alguns danos na pele (Wilson 1927, 636). Embora haja contestações quanto à credibilidade dessa história, não podemos ignorar sua existência.

Adicionalmente, alguns críticos levantam a questão de que o livro de Jonas descreve o profeta como sendo engolido por um “grande peixe” (Jn 1:17), enquanto o Novo Testamento sugere que a criatura era uma “baleia” (Mt 12:40).

No entanto, essa argumentação carece de fundamento, uma vez que as palavras hebraicas “dag” e gregas “ketos” são termos genéricos que englobam qualquer criatura aquática (cf. ASV fn). Não há, portanto, contradição substancial nesse aspecto.

Tipologia no Livro de Jonas

O livro de Jonas oferece um notável exemplo de tipologia que aponta para a ressurreição de Cristo dentre os mortos.

Embora alguns críticos modernos argumentem que a ideia de uma ressurreição corporal de Cristo dentre os mortos era desconhecida nos tempos do Antigo Testamento, Jesus desmentiu essa alegação. Ele afirmou:

“Assim como Jonas esteve no ventre do grande peixe durante três dias e três noites, assim o Filho do Homem estará no coração da terra por três dias e três noites”.

Mateus 12:40

É evidente que o Senhor interpretou os três dias de Jonas no ventre do grande peixe como um prenúncio de Sua própria ressurreição do túmulo. Essa ressurreição, como sabemos, foi o momento em que Cristo foi declarado o Filho de Deus com poder (Romanos 1:4).

Sermão sobre Jonas - Grandes Lições da Vida de Jonas

Qual a oração ou o clamor de Jonas?

A oração de Jonas está registrada no capítulo 2. Essa oração foi feita enquanto Jonas estava no ventre do grande peixe e expressa sua angústia e arrependimento por ter fugido da presença de Deus.

Nessa oração, Jonas reconhece a soberania de Deus e clama por ajuda e salvação. Ele diz:

“Na minha angústia, clamei ao Senhor, e ele me respondeu. Do ventre da morte gritei por socorro, e tu ouviste a minha voz”.

Jn 2:2

Jonas também orou um trecho do Salmo 42:

“As águas me cercaram até o pescoço, a profundidade me envolveu, os juncos se enrolaram em minha cabeça. Eu afundava até as raízes dos montes, a terra me fechava para sempre; mas tu fizeste subir do sepulcro a minha vida, ó Senhor meu Deus”.

Jn 2:5-6, citando o Salmo 42:7-8

Através desse clamor, o profeta expressou seu sincero arrependimento e sua confiança na misericórdia de Deus. Ele também destaca a grandeza e a soberania de Deus, que pode salvar mesmo aqueles que estão em situações aparentemente até impossíveis.

O que aprendemos com a desobediência de Jonas?

O que aprendemos com a desobediência de Jonas é de como a relutância em seguir a vontade de Deus pode trazer consequências negativas para nós mesmos e para aqueles ao nosso redor.

Essa história ilustra que Deus tem um plano para nossas vidas e, como seus servos, devemos estar prontos para seguir suas instruções, mesmo que não compreendamos completamente o que ele está nos pedindo.

A desobediência de Jonas também nos ensina que, como seres humanos, somos falhos e podemos errar. No entanto, se nos arrependermos sinceramente e pedimos perdão a Deus, Ele é fiel e justo para nos perdoar e nos conceder uma nova oportunidade para seguir Seus caminhos.

E por fim, a desobediência de Jonas também nos ensina sobre a importância de obedecer a Deus, o poder do arrependimento e o amor e misericórdia de Deus para com todas as pessoas e nações.

5 Lições que aprendemos com a história de Jonas

lições da história de Jonas

Existem várias lições importantes que podemos aprender com a história de Jonas, veremos a seguir algumas delas.

1. O amor e a misericórdia de Deus são para todas as nações

A história de Jonas nos mostra que Deus ama todos os povos, mesmo aqueles que não são do povo de Israel. Deus escolheu Jonas para pregar a mensagem de arrependimento aos ninivitas, uma nação pagã, e quando eles se arrependeram, Deus poupou a cidade da destruição. No entanto, isso nos mostra que Deus tem um amor e uma misericórdia universal para todas as nações.

2. A importância da obediência

Inicialmente ele desobedeceu a Deus e fugiu em direção contrária à cidade de Nínive. Mas, no final, aprendeu que obedecer é fundamental. Deus tem um plano para cada um de nós e espera que obedeçamos às suas orientações. Quando obedecemos, podemos ver a mão de Deus agindo em nossas vidas e nas vidas dos outros.

3. O perdão e a compaixão de Deus são incondicionais

Quando Jonas se arrependeu de sua desobediência, Deus o perdoou e o salvou. Deus não fica preso a nossas falhas e fraquezas, mas está sempre pronto a nos perdoar e nos oferecer outra chance. O perdão de Deus é incondicional e está disponível para todos que clamam por ele.

4. O poder da oração

Quando Jonas estava no ventre do grande peixe, ele clamou a Deus por ajuda e foi ouvido. Isso nos mostra o poder da oração e como ela pode mudar a nossa situação. Deus sempre ouve uma oração sincera e pode nos responder de maneiras surpreendentes.

5. A paciência de Deus

Jonas ficou triste com a compaixão Divina pelos ninivitas, mas Deus respondeu que eles eram uma nação grande e que Ele tinha compaixão por eles, também. Isso nos mostra que Deus é paciente e misericordioso, e está sempre pronto a dar outra chance. Lembre-se de que Deus tem um plano maior e muitas vezes precisa ser paciente e confiar em seu tempo e propósito.

Moral da história de Jonas

A moral da história de Jonas é que Deus é misericordioso e compassivo, mesmo com aqueles que não fazem parte do povo de Israel, e que ele deseja que todos se arrependam de seus pecados e se voltem para ele.

A história desse profeta Hebreu mostra que, embora Deus possa punir a desobediência, ele também oferece a oportunidade de arrependimento e perdão. A história também destaca a importância de obedecer às orientações de Deus e da confiança em seu plano.

Enfim, Deus é um Deus de amor e misericórdia, e Ele deseja que todos conheçam a sua graça e salvação.

Se você gostou deste estudo sobre a história de Jonas, então veja mais:

Indiara Lourenço

Com mais de 20 anos atuando na Pregação e Ensino, Indiara possui experiência em ministério infantil, jovem e feminino. Estudante de Teologia e ministra aulas na EBD. Mãe, esposa e serva que ama fazer a obra de Deus. Contagia a todos com sua alegria e inspira com palavras motivadoras, deixando um impacto positivo por onde passa.
Botão Voltar ao topo