O que significa “Servo Bom e Fiel” em Mateus 25?

“O mestre disse: Muito bem, meu servo bom e fiel. Você tem sido fiel em lidar com essa pequena quantia, então não vou lhe dar muitas outras responsabilidades. Vamos comemorar juntos!” Mateus 25:23 NLT

Palavras encorajadoras podem nos levar a buscar grandes coisas. Quando somos diligentemente guiados por Cristo Jesus, colocando-O no centro de nossas vidas e lealdade, somos capazes de experimentar a providência de Deus de maneiras surreais. 

Deus nos criou à Sua imagem, com um propósito específico. Os dons e talentos que recebemos não são menos coincidentes! Estamos destinados a trazer glória a Deus da maneira que Ele nos projetou especificamente. 

Mas, podemos facilmente ser pegos tentando realizar o propósito de outra pessoa ou trabalhar para desenvolver dons que nunca deveríamos ter. 

No entanto, a parábola dos talentos nos mostra como viver com o que Deus nos deu até a volta de Jesus.

Qual é a passagem do “Servo Bom e Fiel” na Bíblia?

Mateus 25:19-23:

“Depois de muito tempo, veio o senhor daqueles servos e ajustou contas com eles. E o que recebera cinco talentos se adiantou, trazendo mais cinco talentos, dizendo: Mestre, você me entregou cinco talentos; eis que dei cinco talentos a mais. Seu senhor lhe disse: Muito bem, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel; sobre o muito te colocarei. Entra no gozo do teu senhor. E também o que tinha dois talentos se adiantou, dizendo: Mestre, você me entregou dois talentos; aqui fiz mais dois talentos. Disse-lhe o seu senhor: Muito bem, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel; sobre o muito te colocarei. Entra no gozo do teu senhor.” 

Qual é a história do “Servo Bom e Fiel” na Bíblia?

Esta passagem faz parte da Parábola dos Talentos onde um mestre em viagem confiava a seus servos talentos para investir. Esses talentos equivaliam a uma grande soma de dinheiro. 

A palavra grega tálanton, era uma grande medida monetária igual a 6.000 dracmas ou denários, as moedas de prata gregas e romanas. Era a maior unidade monetária da época. O denário era uma moeda romana de prata padrão e igual ao salário de um dia.

Assim, apenas um denário era o salário de um dia e um talento equivalia a 6.000 denários, o que é muito dinheiro para ser dado.

O mestre deu cinco para um servo, dois para outro, e um para o último servo. Os servos com cinco e dois talentos dobraram o dinheiro que lhes foi confiado, mas o servo com um talento cavou um buraco e enterrou sua soma para guardá-la para o mestre.

O mestre voltou depois de um longo período para verificar seus investimentos. Enquanto o mestre estava satisfeito com os servos que dobraram a soma e lhes disse Muito bem servo bom e fiel.

Jesus instrui seus discípulos a estarem prontos para sua vinda em todos os momentos. Este é o ponto das parábolas, todas as quais se concentram tanto na incerteza do tempo da vinda de Jesus e a importância de estar ocupado fazendo sua vontade.

Os talentos demonstram que, apesar das imagens às vezes temerosas das parábolas anteriores, os cristãos não devem entendê-las como admoestações para viver com medo de sua vinda (Mateus 25:25).

As oportunidades e recursos que Deus lhes deu, o foco não está no nível de desempenho, mas em responder com fidelidade e gratidão ao relacionamento com Deus (Mateus 25:21-25). 

O que significa ouvir “Bom está Servo Bom e Fiel”?

Da mesma forma, Paulo diz a Timóteo: “Guarda o bom depósito que te foi confiado, guarda-o com a ajuda do Espírito Santo que habita em nós”. 2 Timóteo 1:14

Paulo escreveu a Timóteo sobre o que nos foi confiado. 

A partir dos registros da Parábola dos Talentos de Mateus, obtemos uma visão de como viver com o que nos é confiado. 

Dessa forma, devemos usar nosso tempo, talentos e tesouros diligentemente para servir a Deus completamente em tudo o que fazemos… Para a maioria, significa fazer nosso trabalho diário por amor a Deus.

A parábola não é sobre quanto os servos ganharam com o investimento, mas sobre a responsabilidade fiel de viver de acordo com o potencial e os dons de alguém. 

Além disso, precisamos ser lembrados, em nossa busca por independência e realização nesta terra, estamos aqui para trazer glória a Deus… não a nós mesmos.

Então, o que significa ouvir “Muito bem servo bom e fiel”? 

Significa, portanto, que através da fé dada pela graça, você vive a vida para Deus e Sua glória, não para si mesmo.

Qual é o contexto de Mateus 25?

Jesus costumava ensinar em parábolas, a fim de ajudar Seus seguidores, e nós hoje, a entender como deveríamos viver até que Ele voltasse. 

Esta parábola descreve as consequências de duas atitudes em relação ao retorno de Jesus. A pessoa que se prepara diligentemente para isso investindo seu tempo e talentos para servir a Deus será recompensada. A pessoa que não tem coração para a obra do Reino receberá a punição. 

Deus recompensa a fidelidade. Aqueles que não dão frutos para o Reino de Deus não podem esperar o mesmo tratamento que aqueles que são fiéis.

Jesus nos deu tudo o que precisamos para cumprir a vontade do Pai na terra. Os “talentos” vêm de Jesus, alguns recebem mais, outros recebem menos, mas todos recebem muito. 

Em Cristo, temos tudo o que precisamos. O Espírito Santo, vivendo em nós, nos ajudará a entender a Palavra de Deus e traduzir nossas orações ao Pai quando tivermos dificuldade em entender o que está acontecendo e por quê. 

Quaisquer que sejam os níveis de habilidades que Jesus deu, Seus seguidores têm a responsabilidade por obter ganhos fiéis correspondentes à quantia confiada, nem mais, nem menos.

No entanto, não somos solicitados a realizar nada nesta terra que Jesus não tenha começado. 

Mas, a providência de Deus não significa que nossas vidas estão no piloto automático… Sua providência, Seu Espírito Santo em nós… é para nos incendiar para trazer glória a Deus. 

Ele caminha conosco à medida que realizamos “mais do que podemos pedir ou imaginar” que Ele planejou para nós.

O que a Bíblia diz sobre os servos fiéis?

“Porque vivemos pela fé, não pela vista.” 2 Coríntios 5:7

Fé, como Paulo se referiu a ela no versículo acima, significa “convicção da verdade de qualquer coisa, crença. No NT uma convicção de crença a respeito do relacionamento dos homens com Deus e as coisas divinas, geralmente com a ideia de confiança e fervor santo. A definição de fidelidade é “lealdade duradoura e confiabilidade nos relacionamentos”. 

Nosso Deus é um Deus relacional. A palavra fiel, no contexto da parábola registrada por Mateus, significa, na tradução original grega, “aquele que confia nas promessas de Deus; aquele que está convencido de que Jesus ressuscitou dos mortos; aquele que se convenceu de que Jesus é o Messias e autor da salvação”.

O amor do Pai é poderoso o suficiente para conduzir nossas vidas a lugares que nunca imaginaríamos ser possíveis. Mas temos que estar dispostos. 

Lembro-me do homem no tanque de Betesda, a quem Jesus perguntou: “Você quer ficar bom?” 

Jesus é tudo que precisamos. Queremos ficar bem? Queremos realizar grandes coisas em nome de Cristo Jesus? 

Se estivermos dispostos, Deus é fiel. 

Embora as obras não salvem uma pessoa, nunca se deve pensar que as obras são inconsequentes.

A forma como vivemos o nosso dia a dia é importante. Este é o coração da parábola de Jesus. Temos uma escolha na vida: trabalhar duro ou deixar a preguiça tomar conta de nós. 

Cristãos tomados pela providência construíram hospitais, acabaram coma escravidão, fundaram orfanatos e lançaram reformas. 

Por outro lado, alguns levam o pecado um pouco menos a sério e enterram seus talentos a um metro e meio de profundidade. 

Temos a escolha, diariamente, de escolher Jesus. Quando o escolhemos, reconhecemos que o caminho às vezes parecerá impossível e exigirá suor de sangue e lágrimas. 

Mas sabemos que, porque Ele é o guardião das promessas, valerá a pena compartilhar Sua alegria. A alegria do Senhor é nossa força, pela qual realizamos coisas nesta terra por Sua vontade.

“Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para a glória de Deus”. 1 Coríntios 10:31 NVI

Conclusão da parábola dos talentos em Mateus 25

A parábola dos talentos nos lembra de buscar Jesus quando temos medo de não conseguir realizar o que sabemos que nos foi confiado. 

Ou, quando não temos certeza do que Ele nos chamou para fazer… essa parábola nos encoraja a buscá-Lo primeiro, não correr e se esconder. Para enfrentar o mundo com Ele, não nos enterrar nas muitas desculpas que o mundo tem à disposição. 

O que Cristo nos pedirá para fazer parecerá irracional e às vezes inatingível. Todo discípulo que experimentou a alegria de Jesus pode se relacionar. Há muitos mártires que foram antes de nós e muitos que continuarão a seguir. Nem todos somos chamados a entregar nossas vidas dessa maneira específica… mas somos chamados a estar dispostos em tudo o que Ele nos chama para fazer.

Autora Meg do Crosswalk, adaptado por Biblioteca do Pregador.

Botão Voltar ao topo