O Povo Judeu acredita no céu?

O céu é uma das doutrinas mais importantes das Escrituras e é descrito mais claramente no Novo Testamento. Jesus falou sobre isso muitas vezes e prometeu aos que nasceram de novo que um dia estariam com ele na “Casa do Pai” (João 14). 

Para o cristão isso é um grande conforto, visto que vivemos em um mundo caído, com muitas provações. 

Não obstante, o que o Antigo Testamento tem a dizer sobre a vida após a morte, Céu e Inferno

Considerando que as Escrituras do Antigo Testamento foram confiadas ao povo judeu, não seria seguro assumir que a maioria ou todos os judeus acreditam no céu? 

Se não, então no que eles acreditam? 

Essas são algumas questões sobre o povo Judeu que iremos abordar neste artigo.

O que o Antigo Testamento diz sobre a vida após a morte?

A palavra hebraica para o céu é “Shamayim” encontrada 327 vezes no Antigo Testamento da Bíblia King James. 

Considerando que o Novo Testamento fala do Céu como um lugar maravilhoso, onde os crentes em Jesus irão para adorar e estar juntinho de Deus depois de deixarmos nossos corpos terrenos (Ap 7:15-17, 2 Co 5:1, Mt 7: 21, João 14:1-3), o Antigo Testamento descreve o Céu de forma um pouco diferente. 

Na verdade, o céu é o lugar onde Deus habita. 

No entanto, o Céu no Antigo Testamento não é um lugar onde os santos estariam ainda, não antes de Cristo. Em vez disso, o Antigo Testamento fala de santos falecidos “descansando com seus pais” (1 Reis 11:21,43; 15:24). 

Isso será abordado com mais detalhes quando discutirmos a palavra hebraica “Sheol”.

O que é “Sheol”?

Sheol é a palavra do Antigo Testamento para a morada dos mortos traduzida como “Inferno” pela Bíblia King James. 

No entanto, uma definição mais precisa de Sheol incluiria tanto os mortos justos quanto os injustos. Também sabemos pelas escrituras que os mortos justos do Antigo Testamento nunca seriam abandonados no Inferno (Salmos 16:10). 

Exatamente como esses santos do Antigo Testamento foram (ou irão) do Sheol para o Céu é um assunto para outro artigo. 

Dito isto, muitos cristãos acreditam que Jesus os “libertou” depois que morreu e os trouxe para o céu quando subiu para lá (Efésios 4:8).

O que o povo judeu acredita sobre o céu?

A resposta a esta pergunta é um pouco complexa e depende de vários fatores. Antes de abordarmos esse tópico, é necessário estabelecer uma base que, esperamos, ajudar o leitor a entender mais detalhadamente. 

Desde a dispersão dos judeus da terra de Israel, o povo judeu tem se espalhado pelo mundo e se identificado com vários sistemas de crenças falsas e não bíblicas. 

Simcha Paull Raphael, autor do livro “Visões judaicas da vida após a morte”, diz:

“O judaísmo, ao longo de quatro milênios, evoluiu através do contato com outras civilizações e religiões do mundo… 4.000 anos de pensamento judaico sobre a sobrevivência pós-morte, podem ser confusos”. “Os judeus acreditam em muitas coisas”.

Para tornar as coisas ainda mais complicadas, muitos judeus hoje se consideram ateus ou agnósticos

De acordo com um artigo da Chicago Reuters datado em 2013, “um em cada cinco americanos que se consideram cultural ou etnicamente judeus dizem que não acreditam em Deus ou não seguem nenhuma fé em particular”. 

As estatísticas dizem que 42% dos judeus em Israel são seculares; nos Estados Unidos, o número é de cerca de 30%. 

Sendo assim, para o propósito deste artigo, focarei apenas nos judeus que se consideram religiosos de alguma forma.

Vamos explorar um pouco sobre os Judeus Reformistas

Vamos começar com o ramo mais liberal do judaísmo nos Estados Unidos, os judeus reformistas, que compreendem cerca de 35% dos judeus americanos. 

Os judeus reformistas acreditam na vida após a morte, mas não estritamente de acordo com a Bíblia. 

O rabino Adrian M. Schell diz que os judeus reformistas “afirmam a crença na vida após a morte, embora minimizem as implicações teológicas em favor de enfatizar a importância do ‘aqui e agora’, em oposição à recompensa e punição”. 

Já o Rabino Evan Moffic, um autor muito conhecido que atua como Rabino Reformador da Congregação Solel em Highland Park, IL. diz:

“A fé começa no mistério. Entre os maiores mistérios que enfrentamos está a vida após a morte. O que acontece quando morremos? Vemos nossos entes queridos? Nós os conhecemos? Eles nos conhecem? As perguntas são infinitas. A sabedoria judaica não oferece resposta definitiva.”

Até aqui, parece que temos mais perguntas do que respostas! Sendo assim, vamos ler para descobrir um pouco mais das crenças judaicas sobre o Céu e o Inferno e, posteriormente, como isso se compara com o que os crentes judeus messiânicos (judeus crentes em Jesus) acreditam. 

Crentes Judeus messiânicos

Sobre o céu e “boas obras”, o rabino Moffic continua: “A palavra hebraica para céu, Shamayim, também passou a se referir ao céu.” “O céu tem [uma] política de portas abertas: o céu não é um condomínio fechado. Os justos de qualquer povo e de qualquer fé têm um lugar nele. Nossas ações, não nossas crenças específicas, determinam nosso destino.” 

As crenças judaicas na vida após a morte são tão diversas quanto o próprio judaísmo, diz o professor AJ Levine.

De acordo com o Talmud (a versão escrita mais abrangente da lei oral judaica), qualquer não-judeu que viva de acordo com as Sete Leis de Noé, e tem um lugar no mundo é considerado um Ger Toshav (gentio justo). 

As Sete Leis de Noé incluem proibições de adorar ídolos, amaldiçoar a Deus, assassinato, adultério e imoralidade sexual, roubo, comer carne arrancada de um animal vivo, bem como a obrigação de estabelecer tribunais de justiça. 

É claro que as crenças religiosas judaicas se tornaram bem diferentes do que a Bíblia realmente ensina! 

Discutiremos isso com mais profundidade na conclusão deste artigo.

O que os judeus acreditam sobre o inferno?

É comum que os judeus de várias denominações acreditem em algo semelhante à versão católica do purgatório, chamado “Yeshiva Shel Mallah“, traduzido como “a escola do alto” que dizem existir para purificar e preparar uma alma para o céu. 

Outro nome para isso é a palavra hebraica “Gehinnom” ou Gehenna, que passou a significar um tipo de purgatório. 

De acordo com Chabad.org, uma denominação judaica ortodoxa: Gehinnom é como:

“Purgatório, o reino espiritual no qual as almas são purificadas das manchas causadas por sua conduta enquanto na Terra”.

O Zohar, a obra fundamental na literatura do pensamento místico judaico conhecido como Cabala, descreve a Gehenna não como um lugar de punição para os ímpios, mas como um lugar de purificação espiritual para as almas.

Chabad.org continua:

“Se, no final de nossa vida, deixamos este mundo sem consertar os erros que cometemos, nossa alma é incapaz de alcançar seu lugar de descanso nas alturas. Devemos passar por um ciclo de limpeza profunda. Nossa alma é lançada ao redor em um intenso calor espiritual para livrá-lo de qualquer resíduo que possa ter acumulado e prepará-lo para entrar no Céu”⁴.

Como os crentes judeus messiânicos se diferem nisso?

Os crentes judeus messiânicos são pessoas de origem judaica que acreditam em Jesus. Os crentes judeus messiânicos diferem dos judeus não crentes porque acreditam que:

1. Não há necessidade de consultar livros extra-bíblicos para questões como a vida após a morte, ou qualquer outra questão da vida. A Bíblia, composta pelo Antigo e Novo Testamento, é a única fonte infalível e inerrante Palavra de Deus (2 Timóteo 3:15-17, Romanos 15:4; 2 Pedro 1:19-21, Hebreus 4:2).

2. Yeshua (Jesus) é o Messias, Deus em forma de homem; só ele tem as chaves do reino dos céus (Mateus 16:19).

3. Judeus e gentios que nasceram de novo crendo em Jesus tiveram seus pecados perdoados pela graça de Deus. A morte sacrificial de Yeshua é nossa expiação. A salvação individual vem unicamente pela fé no sangue derramado de Jesus, o Cordeiro de Deus, o qual pagou o preço por nossos pecados através de Sua vida perfeita e morte sacrificial (Levítico 17:11, Efésios 2:8, Romanos 1:17, João 3:3, Hebreus 11:6).

4. Se uma pessoa foi regenerada por crer em Jesus Cristo pela fé, então ela está salva. Isto é, salva da ira de Deus. Imediatamente após a morte, sua alma/espírito estará com o Senhor no Céu, aguardando a ressurreição (2 Coríntios 5:8, Filipenses 1:23-24, João 14:1-31, João 3:16, Lucas 23: 43).

5. Aqueles que rejeitam o dom gratuito da salvação fornecido pela expiação sacrificial de Jesus Cristo experimentarão a separação eterna de Deus. Isso significa que sua alma/espírito estará imediatamente no Inferno, aguardando a ressurreição (Rm 6:23, Mt 25:46, 2 Tess. 1:9, João 3:16, Mt 10:28).

6. Os salvos e os perdidos serão ressuscitados, os salvos para a vida eterna e comunhão com Deus e os perdidos para a separação eterna de Deus e um estado de punição eterna (Daniel 12:2, Mateus 25:46, Salmos 69:28, Apocalipse 20:12-15).

É claro que a maioria dos judeus adotou muitas crenças antibíblicas em relação à vida após a morte. 

O primeiro fator que discutimos foi a dispersão da terra de Israel. 

Antes de encerrar, outro fator importante que gostaria de mencionar é a destruição do segundo templo em Jerusalém em 70 DC/CE.

Da Bíblia aos rabinos

Como se tornou impossível fazer sacrifícios de sangue da maneira prescrita no templo, o povo judeu ficou sem uma maneira bíblica de perdão por seus pecados. 

Na verdade, Jesus já havia vivido seu ministério na terra, foi crucificado e ressuscitou da sepultura cerca de 40 anos antes, tornando o perdão de seus pecados totalmente possível e bíblico! 

Foi nessa conjuntura crítica que nasceu o “judaísmo rabínico”. 

Os rabinos intervieram com sua própria teologia. Em vez de confiar na Bíblia, que os teria apontado para Jesus como o Messias (Isaías 7:14, 9:6, Isaías 53, Salmo 22Gn 3:15), os judeus começaram a confiar nos ensinamentos de os rabinos, que eram claramente antibíblicos. “Oração e boas obras” foram substituídos pelo conceito de sacrifício de sangue.

Sem a base da Palavra de Deus, é fácil ver como o povo judeu se desviou e por que eles têm tantas dúvidas e falsas crenças sobre a vida após a morte. 

Os ensinamentos de Cristo são claros. Por isso, é desnecessário procurar em outro lugar.

A Bíblia é tudo o que precisamos para responder às maiores questões da vida. 

Jesus disse:

“Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim” (João 14:6)

A mulher Samaritana junto ao poço em João 4:25 falou bem quando disse:

“Eu sei que vem o Messias, aquele que se chama Cristo. Quando ele vier, ele nos contará todas as coisas.”

Ele, Jesus/Yeshua o Messias veio e, de fato, ele nos concedeu todas as coisas pertencentes à vida e à piedade e “nos contou todas as coisas” (2 Pedro 1:3, João 4:25).

Para concluirmos, vamos sempre lembrar de orar pelo povo judeu, para que eles voltem aos ensinamentos das Escrituras e que Deus abra seus olhos para a verdade de quem é o Messias, Jesus de Nazaré.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo