Quem foi Lucas na Bíblia? História do médico amado

Lucas, também conhecido como Evangelista, é amplamente considerado o autor tanto do Evangelho de Lucas quanto do Livro de Atos. Ele escreveu mais do Novo Testamento do que qualquer outra pessoa, até mesmo o apóstolo Paulo.

Lucas não foi testemunha ocular do ministério de Jesus, mas viveu durante o primeiro século e, de acordo com seus próprios escritos, “investigou tudo cuidadosamente desde o princípio” (Lc 1:1-4). Como companheiro de viagem de Paulo, ele provavelmente também teve acesso direto aos apóstolos e outros relatos da vida e ministério de Jesus (como o Evangelho de Marcos).

Enquanto ele foi supostamente educado como médico (Colossenses 4:14), hoje Lucas é celebrado como um dos primeiros historiadores da igreja. Seus escritos metódicos e detalhados nos dão o único registro completo do que aconteceu depois que Jesus ascendeu ao céu. Sem seu relato em Atos, seria difícil imaginar como o cristianismo cresceu de um movimento pequeno e frágil dentro do judaísmo para o que acabaria se tornando a maior religião do mundo.

Então, quem era “Lucas, o Evangelista”? O que realmente sabemos sobre ele? Podemos confiar nele? Neste guia, exploraremos o que a Bíblia diz sobre ele e como sabemos o que ele escreveu, e responderemos a perguntas importantes sobre sua autoridade e confiabilidade.

Primeiro, aqui estão alguns fatos rápidos sobre Lucas.

Quem foi Lucas?

A maior parte do que sabemos sobre Lucas vem de seus próprios escritos e de um punhado de menções nas cartas de Paulo. Alguns detalhes de sua vida são ambíguos, e os estudiosos debatem o que podemos realmente obter com as evidências limitadas que temos.

Não foi uma testemunha ocular

Lucas deixa claro que ele não foi testemunha ocular do ministério de Jesus (Lc 1:1-4). Ele nunca se inclui na narrativa do evangelho.

Um companheiro de Paulo

Pelo livro de Atos e pelos escritos de Paulo, sabemos que Lucas foi um dos companheiros de Paulo.

  • Em Atos 16:10, Lucas de repente se insere na narrativa, incluindo-se entre os companheiros de Paulo.
  • Em Colossenses 4:14, Paulo se refere a um homem chamado Lucas como um “amigo querido”.
  • Em Filemom 1:24, Paulo se refere a um homem chamado Lucas como um dos “meus colaboradores”.
  • Em 2 Timóteo 4:11, ele diz “só Lucas está comigo”.

Sempre se assumiu que estas são referências ao mesmo Lucas, e muitos dos primeiros escritores cristãos apontam para este homem como o autor de Lucas e Atos.

Um médico

Paulo menciona Lucas de passagem em Colossenses 4:14, mas dessa menção, aprendemos que ele era médico:

Nosso querido amigo Lucas, o médico e Demas mandam cumprimentos.

Isso certamente seria útil para Paulo, já que ele estava constantemente sendo espancado (Atos 14:19, Atos 16:22, 2 Coríntios 11:24, 2 Timóteo 3:11).

Um prólogo inicial do Evangelho de Lucas (possivelmente já no século II), também registra que Lucas “nasceu em Antioquia, por profissão, era médico. Ele se tornou um discípulo do apóstolo Paulo e depois seguiu Paulo até o martírio dele. Ele morreu com a idade de 84 anos” (Prólogo Anti-Marcionita ao Evangelho de Lucas).

Em seus próprios escritos, Lucas frequentemente usa terminologia médica comum para descrever doenças e aflições. Em Lc 14:2, Jesus encontra um homem com hidropisia, ou “inchaço anormal do corpo”, e Lucas usa a palavra hudropikos – um termo comum na literatura médica grega que não está em nenhum outro lugar da Bíblia.

A terminologia precisa de Lucas se baseia em sua experiência como médico e o diferencia dos outros autores bíblicos.

O Evangelista

O título de Lucas, “O Evangelista”, vem do fato de que ele escreveu um dos quatro evangelhos. Mateus, Marcos, Lucas e João são considerados os Quatro Evangelistas porque seus escritos proclamam as “boas novas” (ou evangelho) de Jesus Cristo.

Um gentio?

Muitas pessoas argumentam que Lucas era um gentio, o que faria dele o único autor gentio do Novo Testamento. Como muitas crenças sobre Lucas, a evidência para essa afirmação é ambígua e longe de ser definitiva.

A ideia vem de Colossenses 4:11-14, onde Paulo separa Lucas dos “únicos do grupo da circuncisão”, que alguns estudiosos interpretam como “os únicos judeus”:

Jesus, que se chama Justus, também manda saudações. Estes são os únicos judeus entre meus colaboradores para o reino de Deus, e eles provaram ser um consolo para mim. Epafras, que é um de vocês e servo de Cristo Jesus, envia saudações. Ele está sempre lutando em oração por você, para que você possa permanecer firme em toda a vontade de Deus, maduro e plenamente seguro. Garanto a ele que está trabalhando duro para você e para aqueles em Laodicéia e Hierápolis. Nosso querido amigo Lucas, o médico e Demas mandam saudações.

E embora Lucas provavelmente fosse de Trôade ou Antioquia, isso não significa que ele não poderia ser judeu. É inteiramente possível que Lucas fosse um judeu helênico: biologicamente judeu, mas culturalmente grego. Os judeus helênicos adotaram os costumes da cultura grega e não seguiram todas as práticas judaicas, como a circuncisão.

Como a circuncisão era uma questão central em muitos dos escritos de Paulo, não seria surpreendente se ele pretendesse que “os únicos do grupo da circuncisão” simplesmente se referisse aos cristãos judeus que seguiam estritamente a Lei de Moisés e acreditavam que a circuncisão era necessária para os cristãos.

Dito isso, muitos estudiosos ainda mantêm a posição de que Lucas era um gentio.

Um dos setenta e dois?

No século IV, um bispo conhecido como Epifânio de Salamina afirmou que Lucas era um dos 70 (ou 72) discípulos que Jesus enviou em Lucas 10:

“Ele também foi um dos setenta e dois que foram dispersos por causa da palavra do Salvador. Mas ele foi trazido de volta ao Senhor por São Paulo e instruído a publicar seu Evangelho”. – Panarion

Esta é a primeira afirmação de que Lucas fazia parte desse grupo e, embora interessante, provavelmente não é verdade. Especialmente porque Lucas parece se excluir como testemunha ocular do ministério de Jesus na passagem de abertura de seu evangelho:

“ …assim como nos foram transmitidos por aqueles que desde o princípio foram testemunhas oculares e servos da palavra.” – Lucas 1:2

Sem mencionar que Lucas nunca fala em primeira pessoa no Evangelho de Lucas. Como um dos 72 discípulos, ele certamente teria testemunhado alguns dos eventos registrados em seu evangelho, mas ele nunca se refere a si mesmo em nenhum dos eventos que registra (como faz em Atos). Presumivelmente, isso ocorre porque seu evangelho é inteiramente baseado em outros relatos.

Um artista?

Por volta do século VIII, surgiu uma tradição de que Lucas era um artista e que ele pintou Maria, Paulo e Pedro, além de produzir um evangelho ilustrado. Alguns séculos depois, várias pinturas foram falsamente atribuídas a ele.

Os estudiosos consideram em grande parte esse aspecto do personagem de Lucas como lenda, pois não existe registro dele na igreja primitiva, mas algumas igrejas hoje ainda adotam isso como parte da identidade de Lucas e até afirmam ter um trabalho que ele criou. Como resultado dessa lenda, ele se tornou o santo padroeiro dos artistas.

História de Lucas

De onde é Lucas?

A maioria dos estudiosos acredita que Lucas nasceu em Antioquia (como o Prólogo Anti-Marcionita do Evangelho de Lucas e os primeiros escritores cristãos afirmam). Atos também não nos diz isso, mas Antioquia recebe bastante atenção no livro.

Mas há outra teoria sobre de onde ele é. Em Atos 16, Lucas aparece de repente para se juntar a Paulo e seus companheiros depois de chegarem a Trôade:

Quando chegaram à fronteira da Mísia, tentaram entrar na Bitínia, mas o Espírito de Jesus não permitiuAssim passaram pela Mísia e desceram para Trôade. Durante a noite, Paulo teve uma visão de um homem da Macedônia de pé e implorando: Venha à Macedônia e ajude-nos. Depois que Paulo teve a visão, nos preparamos imediatamente para partir para a Macedônia, concluindo que Deus nos havia chamado para pregar o evangelho a eles.” – Atos 16:7-10 

No entanto, Lucas nunca afirma ser de Trôade e, embora pareça claramente ser onde ele se juntou a Paulo, a evidência é ambígua. (Afinal, encontramos Paulo pela primeira vez em Jerusalém, embora ele seja de Tarso).

Lucas foi um dos doze discípulos de Jesus?

Lucas não fazia parte do grupo de discípulos de Jesus chamado“ os Doze”. Há quatro passagens que dão os nomes de todos os 12 discípulos (também chamados de “apóstolos”), e Lucas não está em nenhuma delas (Mateus 10:2-4, Marcos 3:13-19, Lucas 6:12-19, e Atos 1:12-26). Os nomes deles são:

Embora Lucas não tenha sido testemunha ocular do ministério de Jesus, ele certamente teve acesso a pelo menos os relatos daqueles que foram (Lc 1:1-4), incluindo o Evangelho de Marcos (que se acredita ser o relato de Pedro, transmitido a João Marcos).

Lucas foi um apóstolo?

Se Lucas foi ou não tecnicamente um apóstolo depende de como você o define, mas a maioria dos estudiosos da Bíblia diria que ele não era um apóstolo. (Nós concordamos).

Alguns argumentam que “apóstolo” é um título reservado aos 12 discípulos originais, com talvez uma exceção para Paulo (“o apóstolo dos gentios”). Outros o usam de forma mais ampla para incluir os 72 discípulos ou importantes mestres cristãos primitivos. Mas apóstolos, a palavra grega que traduzimos como apóstolo, significa literalmente “aquele que é enviado”. E alguns usam isso como base para usar o título para todos os cristãos ou pelo menos incluindo pessoas como Lucas.

Mas desde seus primeiros dias, a igreja sempre avaliou a autoridade e confiabilidade dos ensinamentos com base em quão claramente eles podem ser rastreados até os apóstolos originais, aqueles que testemunharam diretamente a vida e o ministério de Jesus. Descrever algo como “apostólico” associa-o aos 12. Os historiadores da Igreja até usam um título especial, Pai Apostólico, para líderes importantes como Clemente de Roma, que conhecia os apóstolos pessoalmente. Portanto, a distinção importa.

Aqui está o que sabemos sobre como a Bíblia usa o título de apóstolo e como a igreja primitiva descreveu Lucas.

A Bíblia se refere a mais de 12 apóstolos

A Bíblia usa o título “apóstolo” para algumas pessoas que não estavam entre os 12 discípulos originais de Jesus. Atos 14:4 refere-se a Paulo e Barnabé como apóstolos:

O povo da cidade estava dividido; alguns ficaram do lado dos judeus, outros dos apóstolos.

1 Coríntios 15:7 parece usar apóstolo para se referir a um grupo além dos 12:

Então ele apareceu a Tiago, depois a todos os apóstolos… 

Romanos 16:7 refere-se a Andrônico e Júnia (que provavelmente era uma mulher) como apóstolos:

Saudai Andronicus e Junia, meus companheiros judeus que estiveram na prisão comigo. Eles são notáveis ​​entre os apóstolos, e eles estavam em Cristo antes de mim.

Paulo se refere a si mesmo como “o apóstolo dos gentios” em Romanos 11:13:

Estou falando com vocês, gentios. Visto que sou o apóstolo dos gentios, tenho orgulho do meu ministério...”

Passagens como essas tornam possível que Lucas tenha sido considerado um apóstolo, mas nas três vezes que Paulo o menciona em suas cartas, ele nunca é referido como um apóstolo.

Lucas provavelmente não diria que ele era um apóstolo

Lucas não jogou rápido e solto com títulos como “apóstolo”. O Dicionário Exegético do Novo Testamento observa que Lucas mal usou a palavra grega que traduzimos como apóstolo para se referir a Paulo (se é que ele realmente o fez):

“Lucas restringe o título ἀπόστολος a doze discípulos e, portanto, nunca chama Paulo de apóstolo (exceto em Atos 14:4, 14, e ali se suspeita que uma fonte pré-lucana esteja falando. Lucas usa a expressão ‘os doze apóstolos’, ‘os doze’ e (na maioria das vezes) ‘os apóstolos’ sem diferenciação.

E não se esqueça: Lucas escreveu mais de um quarto de todo o Novo Testamento, incluindo o único relato canônico da história da igreja primitiva. Ele teve muitas oportunidades de usar esse título para outros crentes que foram “enviados”, incluindo ele mesmo, mas não o fez.

Tertuliano o chamou de “apostólico”

Tertuliano foi um importante escritor cristão que viveu nos séculos II e III. Em Contra Marcião, ele separou os escritores do evangelho em apóstolos e homens apostólicos, distinguindo entre João e Mateus (que eram ambos “dos 12”) e Lucas e João Marcos, que eram companheiros dos apóstolos e presumivelmente os conheciam bem:

Dos apóstolos, portanto, João e Mateus primeiro incutem fé em nós; enquanto dos homens apostólicos, Lucas e Marcos o renovam depois.

Os estudiosos geralmente são cautelosos ao usar o termo apóstolo e não o usariam para Lucas. No entanto, em um ambiente não acadêmico, ninguém piscaria se você chamasse Lucas de apóstolo. As pessoas costumam usar o termo para descrever qualquer cristão proeminente que estava lá nos primeiros dias da igreja.

Quem foi Lucas na Bíblia

Versículos da Bíblia que mencionam Lucas

Existem apenas três versículos que mencionam explicitamente Lucas (embora um pai da igreja do século IV tenha argumentado que poderia haver um quarto). Se aceitamos ele como o autor de Lucas e Atos, então também existem tecnicamente as passagens “nós”, nas quais o autor de Atos se inclui na narrativa. No entanto, ele não é um personagem de importância nessa narrativa.

Filemom 1:24

Em suas observações finais, Paulo basicamente diz a Filêmon “essas pessoas disseram para lhe dizer oi”. Lucas é um deles:

Epafras, meu companheiro de prisão em Cristo Jesus, envia-lhe saudações. E também Marcos, Aristarco, Demas e Lucas, meus colegas de trabalho.” – Filemom 1:23–24

Esta passagem reforça a posição de Lucas como um dos companheiros íntimos de Paulo.

Colossenses 4:14

Colossenses 4:14 é a única passagem que menciona o papel de Lucas como médico.

Nosso querido amigo Lucas, o médico e Demas mandam cumprimentos.

Este versículo também faz parte do argumento de que Lucas era um gentio, pois na passagem (Colossenses 4:11-14) Paulo distingue ele e Demas dos “únicos do grupo da circuncisão”.

2 Timóteo 4:11

Em uma seção de comentários pessoais antes de suas saudações finais a Timóteo, Paulo menciona Lucas novamente (e parece mencionar João Marcos, o autor de Marcos):

Só Lucas está comigo. Pegue Marcos e traga-o com você, porque ele é útil para mim no meu ministério.

Este versículo é uma das tênues peças de “evidência” de que Lucas escreveu algumas das cartas de Paulo, incluindo esta. Mais sobre isso mais tarde.

2 Coríntios 8:18

Em 2 Coríntios 8:18, Paulo menciona alguém que está vindo visitar os Coríntios com Tito, e dá a entender que essa pessoa é bem conhecida por sua contribuição para a igreja:

E estamos enviando com ele o irmão que é elogiado por todas as igrejas por seu serviço ao evangelho.

Isso certamente não menciona Lucas pelo nome, mas os primeiros escritores cristãos notaram que Lucas foi celebrado dentro da igreja por escrever Lucas e Atos, e no século IV, São João Crisóstomo sugeriu que havia duas teorias principais sobre esse irmão sem nome em 2 Coríntios 8:18:

E quem é esse irmão? Alguns de fato dizem, Lucas, por causa da história que ele escreveu, mas alguns, Barnabé; pois ele chama a pregação não escrita também de Evangelho.” – Homilia 18 sobre Segunda Coríntios

As passagens “nós”

Atos contém quatro passagens onde o autor é repentinamente incluído entre os companheiros de Paulo:

  • Atos 16:10–17
  • Atos 20:5–15
  • Atos 21:1–18
  • Atos 28:1–16

Acredita-se geralmente que essas passagens indicam que o autor foi uma testemunha ocular ou que eles usaram materiais de alguém que foi. Mas alguns também argumentaram que era simplesmente uma convenção popular: autores antigos se inseriram em narrativas históricas. Bart Ehrman, um famoso estudioso secular da Bíblia leva isso um passo adiante e argumenta que foi uma invenção deliberada para dar credibilidade ao relato registrado em Atos.

No entanto, se aceitarmos Lucas como o autor de Atos, estas são tecnicamente referências a ele.

Lucas

Quanto da Bíblia Lucas escreveu?

O Evangelho de Lucas e o Livro de Atos são geralmente considerados um conjunto de dois volumes porque ambos são dirigidos a Teófilo, parecem ter sido escritos pela mesma pessoa (mesmo que não fosse Lucas) e têm temas e linguagem comuns , por isso são muitas vezes referidos como Lucas Atos.

Entre esses dois livros, Lucas escreveu impressionantes 27,5% do Novo Testamento, isso é mais do que qualquer outro, incluindo Paulo.

Mas tanto Lucas quanto Atos são tecnicamente anônimos. Então, como sabemos que Lucas as escreveu?

Existem debates sobre a autoria de Lucas, mas até agora não surgiu uma alternativa séria. Muitos ainda acreditam que ele foi o autor, pois há várias razões para isso.

Aqui está o porquê.

Lucas realmente escreveu o Evangelho de Lucas?

O manuscrito sobrevivente mais antigo deste evangelho – O Papiro Bodmer XIV , de cerca de 200 dC – termina com “O Evangelho Segundo Lucas”.

Irineu, um clérigo que viveu por volta de 130–202 d.C. registrou quem escreveu cada um dos evangelhos, incluindo este:

Também Lucas, companheiro de Paulo, registrou em um livro o Evangelho por ele pregado.” – Contra as Heresias, Livro III

C. Cliffton Black, professor do Seminário Teológico de Princeton, observa que Irineu “foi aluno de Policarpo, que havia conhecido o apóstolo João. Ele escreve: ‘Lucas também, o companheiro de Paulo, registrou em um livro o evangelho pregado por ele.’ Este testemunho, vindo de um aluno de um aluno do apóstolo João, é importante. 

Além disso, o fato de Lucas ter feito muitas viagens e ter sido intimamente familiarizado com quase toda a igreja da época confere grande importância ao que ele diz sobre a autoria do Terceiro Evangelho.

Como mencionamos anteriormente, Tertuliano se referiu a Lucas como “apostólico”. Nesta mesma passagem de Contra Marcião, Tertuliano afirma que Lucas foi o autor do evangelho que leva seu nome:

Dos apóstolos, portanto, João e Mateus primeiro incutem fé em nós; enquanto dos homens apostólicos, Lucas e Marcos o renovam depois.

Em Pedagogos, Clemente de Alexandria, que viveu entre 150 e 215 d.C., refere-se a passagens de Lucas como coisas que Lucas disse.

E Orígenes de Alexandria, que viveu por volta de 184–253 d.C., escreveu sobre as origens de cada evangelho em seu comentário sobre Mateus:

E terceiro, foi que, segundo Lucas, o Evangelho recomendado por Paulo, que ele compôs para os convertidos dos gentios.

Além disso, o fragmento Muratoriano – possivelmente a lista sobrevivente mais antiga do cânon bíblico – lista Lucas como o autor.

Eusébio de Cesaréia, o pai da história da igreja com acesso a incontáveis ​​livros antigos, era sem dúvida o mais bem equipado para fornecer um autor alternativo, mas nunca sugeriu que alguém além de Lucas escrevesse este evangelho.

E geralmente, se houvesse desacordo sobre alguma coisa, Eusébio anotava isso, mesmo que apenas para zombar de pessoas que discordavam dele. 

Lucas realmente escreveu o Livro de Atos?

A frase de abertura de Atos se dirige à mesma pessoa para quem Lucas foi escrito – Teófilo – e faz referência a “meu livro anterior”, o que torna um caso bastante convincente de que Lucas e Atos foram escritos pela mesma pessoa. Especialmente quando você considera as semelhanças de estilo, linguagem e temas entre os dois.

Além disso, a igreja primitiva apóia que Lucas também escreveu este volume.

Em Stromata, Clemente de Alexandria escreve:

“Resta que entendemos, então, o Desconhecido, pela graça divina e somente pela palavra que procede dEle; como Lucas nos Atos dos Apóstolos relata que Paulo disse: Homens de Atenas, percebo que em todas as coisas vocês são muito supersticiosos. Pois andando e contemplando os objetos de sua adoração, encontrei um altar no qual estava inscrito: Ao Deus Desconhecido. A quem, portanto, vocês ignorantemente adoram, eu vos declaro.”

Argumento contra a autoria de Lucas

Estudiosos seculares e cristãos concordam que esses livros foram escritos pela mesma pessoa, mas nem todos acreditam que foi Lucas.

O maior argumento contra Lucas como o autor desses dois volumes é que há “inconsistências” percebidas entre seu relato das viagens missionárias de Paulo e os relatos do próprio Paulo conforme registrados em suas cartas. Alguns também argumentam que ele deturpa a teologia de Paulo. Seria de esperar que um companheiro próximo de Paulo acertasse essas coisas.

Por exemplo, em Atos 9:19–30, lemos que imediatamente após a conversão de Paulo, ele passou um tempo com os crentes em Damasco, pregou por “muitos dias” e finalmente veio a Jerusalém.

Mas Paulo diz que ele não foi para Jerusalém imediatamente (Gálatas 1:15-17), e que ele era “pessoalmente desconhecido” para as igrejas cristãs da Judéia (Gálatas 1:22).

Isso certamente parece ser uma contradição, mas a linguagem é ambígua. Atos não especifica quanto tempo se passou antes de Paulo ir a Jerusalém, nem Paulo sendo “pessoalmente desconhecido” das igrejas em geral significa que ele não poderia ter tido reuniões privadas com os apóstolos ou que as igrejas nunca ouviram falar dele.

Alguns também argumentam que Atos 15:1–35, que registra o Concílio de Jerusalém (onde os apóstolos determinaram que os crentes gentios não precisavam seguir a Lei de Moisés), contradiz o relato de Paulo sobre o mesmo evento em Gálatas 2:1-10 .

No entanto, outros argumentam que estes são dois eventos separados.

Existem alguns casos como este em que Paulo e Lucas parecem se contradizer, mas onde a linguagem (e o gênero de Atos como uma narrativa histórica antiga) é ambíguo o suficiente para que haja espaço para interpretação.

Lucas escreveu alguma das cartas de Paulo?

Alguns acreditam que, como companheiro de Paulo, Lucas pode ter ajudado a escrever algumas de suas cartas. Paulo ocasionalmente usava um amanuense, um escritor profissional que ou escrevia o que Paulo ditava ou trabalhava a partir de seus pontos principais. (Veja, por exemplo, Romanos 16:22).

Nenhuma das cartas de Paulo afirma que Lucas as escreveu, mas semelhanças na linguagem e teologia entre Lucas Atos e as epístolas pastorais (1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito) levaram alguns a argumentar que Lucas era de fato um dos amanuensi de Paulo .

No entanto, este argumento é puramente conjectura. Simplesmente não há evidências suficientes para apoiar (ou necessariamente refutar) essa afirmação.

Lucas é um autor bíblico confiável?

Lucas foi elogiado e criticado por sua precisão e atenção aos detalhes. Alguns elogiam seu trabalho como uma maravilha da história antiga, enquanto outros o denunciam como uma invenção projetada para impulsionar uma agenda teológica.

Muito do conflito gira em torno dessas passagens ambíguas que parecem entrar em conflito com Paulo, mas também há discrepâncias históricas ocasionais, como em Atos 5:36-37. Lucas registra um discurso proferido por um fariseu conhecido chamado Gamaliel (que foi o professor de Paulo de acordo com Atos 22:3):

Há algum tempo apareceu Theudas, alegando ser alguém, e cerca de quatrocentos homens se juntaram a ele. Ele foi morto, todos os seus seguidores foram dispersos e tudo deu em nada. Depois dele, Judas, o galileu, apareceu nos dias do censo e liderou um bando de pessoas em revolta. Ele também foi morto, e todos os seus seguidores foram dispersos.

O problema com isso é que Judas realmente liderou uma rebelião diante de Teudas, e Teudas não se revoltou até muitos anos depois dos eventos registrados em Atos 5 . (Em outras palavras, Gamaliel está falando sobre algo que ainda não havia acontecido.)

Apesar de casos como esse, muitos estudiosos consideram Lucas notavelmente confiável. Na verdade, alguns argumentam que esses “erros” são simplesmente convenções do gênero em que Lucas estava escrevendo.

O relato de Lucas é selecionado e moldado para atender aos seus interesses apologéticos, não em desafio, mas em conformidade com os antigos padrões da historiografia.” – Lucas Timothy Johnson, estudioso do Novo Testamento

A abordagem de Lucas – especialmente como evidenciado por sua declaração de abertura em Lc 1:1-4 – claramente imita o método histórico, levando alguns a colocar Lucas ao lado do pai do método histórico, Tucídides (que viveu de 472 aC a cerca de 400 aC).

Pela precisão dos detalhes e pela evocação da atmosfera, Lucas está, de fato, com Tucídides. Os Atos dos Apóstolos não são produtos de má qualidade de imaginação piedosa, mas um registro confiável…” – EM Blaiklock, professor de clássicos da Universidade de Auckland

Claro, há também aqueles que rejeitam a confiabilidade de Lucas porque ele descreve os milagres e a divindade de Jesus. Esse argumento simplesmente se resume ao que alguém já acredita sobre Jesus, porque se você acha que Jesus é realmente o filho de Deus, então não deveria ser uma surpresa que ele seja capaz de fazer coisas que os humanos não podem – incluindo capacitar outros humanos para fazer essas coisas.

Lucas: Médico, evangelista, historiador

Para alguém que escreveu tanto do Novo Testamento, não sabemos muito sobre Lucas. Mas enquanto os detalhes de sua vida foram em grande parte perdidos na história, a contribuição de Lucas para o cristianismo e o mundo vive no Evangelho de Lucas e no Livro de Atos.

Sem esse médico que se tornou historiador, teríamos enormes lacunas em nossa compreensão sobre o que aconteceu após a ascensão de Jesus. Mas graças em grande parte à sua atenção cuidadosa aos detalhes e documentação meticulosa, quase 2.000 anos após sua morte, cristãos em todo o mundo ainda seguem os passos dos apóstolos originais.

Aqui estão portanto, as 5 coisas para saber sobre Lucas da Bíblia:

1. Ele era um gentio

Lucas (ou Loukas) é um nome grego. O autor de Lucas escreve com um estilo grego e é altamente educado com seu vocabulário escolhido, semelhante a outros escritores gregos de sua época. 

No entanto, ele usou expressões gregas em vez de versões hebraicas, mostrando que estava mais confortável com a língua grega. 

Também sabemos que Lucas era um gentio por causa da maneira como o Apóstolo Paulo se dirige a ele em Colossenses 4; Paulo nomeou seus colaboradores judeus primeiro e diz:

“Estes são os únicos judeus entre meus colaboradores para o reino de Deus …”

Então, 2 versículos depois, Paulo se dirige a Lucas dizendo:

“Nosso querido amigo Lucas, o médico e Demas mande saudações”(Col. 4:11 e 14)

Lucas foi o único gentio a escrever um livro da Bíblia, e ele claramente escreveu seu evangelho com um público gentio em mente. 

Certamente ele apontará referências à criação e à circuncisão de Jesus, que um público gentio não teria conhecido. 

Uma parte dos Judeus acreditava que Jesus foi circuncidado no 8º dia, mesmo que não estivesse escrito, já que ele vinha de uma família judia.

Lucas fez questão de dar um relato detalhado de tudo o que escreveu, para que aqueles que não estivessem tão familiarizados com as tradições, costumes, lugares e referências judaicas do Antigo Testamento pudessem entender a história de Jesus e o plano de salvação.

2. Lucas era um médico

Embora não possamos ter certeza sobre todos os aspectos da formação de Lucas, sabemos que ele foi referido por Paulo como “o médico amado” em Colossenses 4:14. 

Ele provavelmente teve uma vida confortável em Antioquia praticando medicina, mas escolheu sacrificar essa vida de conforto para seguir o Senhor. 

Henry Morris, do Institute for Creation Research, compartilha a experiência médica de Lucas:

“Alguns comentaristas notaram a relação irônica entre Marcos 5:26 e  Lucas 8:43 . Marcos havia dito que uma certa mulher que precisava de cura ‘sofreu muitas coisas de muitos médicos, e gastou tudo o que tinha, e nada melhorou, mas piorou”. esta mesma mulher ‘passou toda a sua vida com médicos, e nenhum deles pôde ser curado’. Ou seja, eles fizeram o seu melhor, mas era uma doença incurável”.

3. Era humilde

Lucas nunca se dirige a si mesmo como o autor de nenhum de seus livros.

Ele nunca se chama pelo nome como um dos companheiros de viagem de Paulo, embora use o termo “nós”, nunca menciona sua profissão de médico (só Paulo o faz), e ele nunca menciona seu irmão Tito (2 Cor. 8 e 12). 

Ele não menciona o sacrifício que fez ao desistir de sua prática médica para viajar e cuidar de Paulo. 

Em vez disso, o foco dele está em Jesus e nos milagres que este realizava.

Enfim, o mais importante que ele quer que seus leitores entendam é a salvação em Cristo.

Gordon Franz, dos Associates for Biblical Research, afirma:

“ Quando ele escreveu seu evangelho e o livro de Atos, ele não mencionou seu nome ( At 1:1 ), nem mencionou seu irmão Tito. O Dr. Lucas era uma pessoa humilde e não queria chamar a atenção para si mesmo ou sua família, mas sim, ele queria apontar as pessoas para a Pessoa do Senhor Jesus Cristo e a obra do Espírito Santo em Sua Igreja ”.

4. Lucas conheceu alguns dos apóstolos

Quando Lucas estava escrevendo seu evangelho, o Espírito Santo já havia inspirado outros dois: Mateus e Marcos. 

É aceitável pensar que Lucas os teria entrevistado e pesquisado seus escritos. 

No entanto, Lucas provavelmente teria viajado com Marcos, já que Marcos também viajou com Paulo. 

Lucas teria tido acesso a diversas fontes e, portanto, teria baseado seus escritos em narrativas já existentes. Ele também adicionou relatos de testemunhas oculares que reuniu com a orientação do Espírito Santo.

Lucas não estava tentando escrever um novo evangelho, ele queria registrar a vida de Jesus com a maior precisão possível para um público gentio mais amplo, incluindo um alto oficial romano chamado Teófilo.

5. Apenas Lucas permaneceu com Paulo até sua morte

Em 2 Timóteo 4, Paulo nos diz que somente Lucas permanece com ele. Por que a maioria dos companheiros de Paulo o abandonaria! 

John MacArthur explica:

“Nero aumentou a perseguição a um nível alto e os cristãos estavam pagando com suas vidas. Francamente, muitos crentes fugiram de Roma. 

E, você sabe, eles podem ter um motivo razoável para fazer isso, para continuar a pregação do evangelho. Não é que todos fossem apenas covardes. 

Mas Lucas não foi. Todos foram embora. E houve muita desistência. Demas o deixou porque amava o mundo presente, diz o versículo 10 . E você tem a idéia de que alguns dos restantes deixaram em abandono do versículo 16, mas ele diz: “Não seja contado contra eles”. 

Mas não Lucas, leal, fiel, corajoso, amigo de longa data, colega de trabalho, companheiro de Paulo, esteve com Paulo por anos e anos e anos, esteve com Paulo por centenas e provavelmente milhares de quilômetros de caminhada.“

John MacArthur também escreve:

“ Então eu digo, depois de Paulo, Lucas é a força de escrita mais poderosa do Novo Testamento, e ainda assim ele é basicamente desconhecido. 

Acho que na minha vida nunca ouvi um sermão sobre Lucas. Sua narrativa histórica se estende por mais de sessenta anos. Começa com o nascimento de João Batista, o precursor de Jesus, e termina no final do livro de Atos, que é o volume dois de seus escritos, termina com o evangelho sendo pregado em Roma, o que significa que o evangelho foi estendido ao mundo. 

Nenhum outro escritor escreveu uma história tão abrangente de Jesus e Seu impacto. Nenhum outro escritor vai desde João Batista até o evangelho tendo chegado à capital do Império Romano. Ele é o contador de histórias mais completo da saga da salvação no Novo Testamento, e ele é praticamente desconhecido para nós .”

Lucas sabia que não foi o primeiro a escrever sobre Jesus nem afirmou ser; ele queria escrever um evangelho que compartilhasse a verdade que já havia sido escrita, mas para um público mais amplo. Ele investigou todas as fontes escritas e orais que pôde, com a ajuda e inspiração do Espírito Santo.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você precisa desativar o Adblock para continuar navegando em nosso site!